ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Período de ocupação de piquetes em módulos de rotacionado

POR MURILO SARAIVA GUIMARÃES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/07/2013

3 MIN DE LEITURA

12
0
Nos sistemas de pecuária que utilizam o pastejo rotacionado é comum surgir a dúvida de quantos dias os animais ficam em cada piquete. Para explicar melhor os efeitos dos números de dias em que os animais pastejam cada piquete (definido como sendo o período de ocupação) é importante entendermos algumas das consequências desse período para a planta e para o animal.

Em primeiro lugar é preciso ter em mente que o período de ocupação está relacionado à quantidade de forragem disponível e ao número de animais para consumi-la. Temos que encontrar o ponto de equilíbrio do suprimento e a demanda de forragem. No entanto, esse tempo em que os animais permanecem em cada piquete trará consequências tanto para as plantas quanto para os animais.

Quando pensamos no capim, o período de ocupação irá influenciar na velocidade e na maneira que se dará a rebrota do pasto, isso porque períodos de ocupação longos aumentam a possibilidade dos animais visitarem (consumirem) partes de uma mesma planta várias vezes. Essa situação faz com que após cada visita, a planta retome o processo de crescimento várias vezes e em alguns casos consuma reservas de energia armazenadas na base da planta para refazer material (folha e colmo) que já estavam iniciando crescimento.

Outro fator é que aumentam as chances de ocorrer decapitação do meristema apical (principal tecido responsável pelo crescimento da planta) e com isso o crescimento passa a se dar pelos meristemas laterais e basais, levando mais tempo para atingir uma altura. A decapitação dos meristemas apicais só é bem vinda em sistemas que utilizam capins de porte alto como alguns do gênero Panicum. Ela pode ser utilizada como estratégia para não perder o controle da altura do capim, fazendo a decapitação do meristema apical dessas plantas no início do período de chuvas para induzir a brotação de meristemas laterais. Essa ação impede o crescimento em altura das plantas presentes no pasto no fim do inverno.

Quando períodos de ocupação curtos são utilizados, a rebrotação se dá com maior velocidade e de forma mais eficiente, isso porque as folhas que iniciaram ou retomaram seu crescimento não sofrerão novos cortes no início desse processo e poderão alcançar seu potencial fotossintético mais rápido, auxiliando no crescimento da planta e tendo mais tempo para produção de matéria seca. Dessa forma, levando em consideração a planta, não é recomendado ter períodos de ocupação maiores do que 3 dias.

Pensando no animal e no seu comportamento durante o pastejo, eles irão consumir primeiro as partes da plantas com melhor valor nutritivo (folhas novas) dispostas na parte superior. Posteriormente irão passar a consumir colmos e folhas mais velhas que estão na camada inferior da planta. Assim quando os animais em sistemas com períodos de ocupação curtos começam a consumir material de qualidade inferior ocorre a mudança de piquete e esses animais voltam a consumir folhas novas. No entanto, para que isso ocorra, é preciso que haja abundância na oferta de forragem (kg matéria seca/animal dia) no piquete e que não gere competição por comida ao ponto de o animal ter que consumir o que tiver pela frente sem ter a possibilidade de exercer preferência. Isso explica melhor o ponto abordado na matéria dos “Fatores a serem observados no pastejo rotacionado” em que foi citado o fato de que quanto menor o período de ocupação melhor será a qualidade de forragem consumida.

O efeito dessa estratégia de manejo é bastante visível em animais que produzem leite uma vez que esse tipo de estratégia pode ser responsável pelo aumento da qualidade e quantidade produzida. No geral, sistemas que adotam essa estratégia de manejo contam com lotes de repasse para atingir a meta de altura de resíduo dos piquetes. Esse tipo de estratégia irá beneficiar o desempenho individual de cada animal. É comum em sistemas altamente intensificados de produção de leite períodos de ocupação de um dia ou menos (60 ou 70% do piquete é pastejado de noite e 40 ou 30% é pastejado durante o dia). Para produção de bovinos de corte ou ovinos o efeito no consumo é parecido, no entanto, o efeito no desempenho só é visível em prazos maiores, e por isso é comum períodos considerados curtos de 1 ou 2 dias.

Como dica, procurem não ter períodos de ocupação maiores do que 3 dias tanto na caprinocultura de corte como na ovinocultura de corte. Procurem definir se o objetivo é o desempenho individual do animal ou o desempenho por área, pois isso ajudará bastante na decisão de quantos dias os animais irão permanecer em cada piquete. Lembre-se que o uso da lotação correta e o período de descanso dos piquetes são fundamentais para que a escolha do período de ocupação seja correto (esse assunto será abordados com mais detalhes nos próximos artigos).

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

MURILO SARAIVA GUIMARÃES

Consultor da Campo - S/A
Engenheiro Agrônomo formado pela ESALQ - USP
Mestre em Ciência Animal e Pastagem pela ESALQ- USP

12

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ELTON FERREIRA

CONCEIÇÃO DO CASTELO - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 18/02/2017

Muito boa sua matéria, bem explicado e interessante.
EVERTON CARVALHO NOBRE

ARACI - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/11/2016

Boa tarde, Murilo

Gostaria de saber se a quantidade de piquetes é de acordo com o ciclo do capim para a categoria da caprinocultura e ovinocultura, ou seja o Tifton o seu ciclo é de 21 dias quer dizer que serão necessário 21 piquetes.

Parabéns pelo seu artigo, gostei muito.   
JOAQUIM

COCALZINHO DE GOIÁS - GOIÁS

EM 26/12/2013

sua matéria é muito boa, só que gostaria de saber quantos m2 é necessário por vaca em piquete para 03 dias.
JORGE LUÍS DA SILVA PONTES

SÃO JERÔNIMO - RIO GRANDE DO SUL - OVINOS/CAPRINOS

EM 08/08/2013

Realmente uma excelente materia, já utilizo esta rotatividade mas necessito aprender muito ainda, assim serei um espectador assíduo.



Parabens.
JOÃO BATISTA DE SOUZA AGUIAR,

PARANAÍBA - MATO GROSSO DO SUL

EM 26/07/2013



A matéria está excelente! As informações são bastante esclarecedoras para realização de um bom manejo animal.
MURILO SARAIVA GUIMARÃES

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/07/2013

Pedro e Miraíma,



Obrigado pelos comentários e espero poder continuar a ajudar com mais artigos que possam ser de serventia para produtores e traga novas discussões ao setor de ovinocultura.
MURILO SARAIVA GUIMARÃES

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/07/2013

Marcelo Rezende,



Obrigado pelo comentário espero poder ajudar.

A quantidade de ovelhas para o seu caso depende de quanto é intensificado o seu sistema. Principalmente se é feita a correção da fertilidade do solo e a quantidade de adubo usado para adubação de produção (parcelado ou não?). No entanto, sugiro que faça amostragens de produção de forragem nos seus piquetes periodicamente para encontrar a capacidade de suporte (quantas ovelhas vão poe piquete). Estamos preparando um artigo que irá explicar como fazer a amostragem e como encontrar a capacidade de suporte dos piquetes, que deverá ser publicado aqui no FarmPoint em breve.
MURILO SARAIVA GUIMARÃES

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/07/2013

Jaime,



Obrigado pelo comentário.

Muito bem lembrado a respeito da altura de entrada e saída. Essa questão além de ser específica para cada capim escolhido também pode trazer efeitos para plantas e animais e vou escrever um próximo artigo para explicar quais são os efeitos da escolha das alturas de entrada e saída para planta e animais.  
PEDRO EUNARDS BRAGA LIMA

MIRAÍMA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 26/07/2013

Excelente artigo, espero contar com o enriquecimento destas informações a partir de outras matérias complementares que posteriormente venham ser publicadas.
PEDRO ALBERTO CARNEIRO MENDES

FORTALEZA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/07/2013

Murilo



Parabens pela qualidade da matéria. Muito importante para quem deseja adotar e também para quem vem usando o pastejo rotacionado.
MARCELO REZENDE

OUTRO - SÃO PAULO

EM 24/07/2013

Muito bom. Em piquetes de mais ou menos 300 metros quadrados de grama estrela, com 3 dias de ocupação e 24 de descanso, vc recomenda quantas ovelhas?
JAIME DE OLIVEIRA FILHO

ANGATUBA - SÃO PAULO - OVINOS/CAPRINOS

EM 24/07/2013

Muito boa a explicação,podendo acrescentar também que cada cultivar existem padrões de altura de entrada e saída dos animais e como o Murilo falou muito bem sobre o ponto de equilíbrio entre área a ser pastejada + nº de animais e manter a estrutura de planta que  poderá ter uma rebrota mais rápida.
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures