ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O que você sabe sobre a Campilobacteriose Genital Bovina?

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/08/2000

2 MIN DE LEITURA

0
0
A Campilobacteriose Genital Bovina, também conhecida como Vibriose, é uma doença infecciosa venérea que acomete bovinos, causada pelo Campylobacter fetus subespécie venerealis, e pode causar grandes perdas econômicas aos rebanhos afetados, levando à infertilidade temporária da vaca devido a repetições de cio e aborto.

A transmissão desta doença pode ocorrer pela cópula com um touro infectado ou com a utilização de sêmen, que não foi tratado com antibióticos, proveniente de um touro infectado.

Esta doença já foi diagnosticada em vários estados como mostra a Tabela 1.

Tabela 1- Freqüência de animais com Campilobacteriose Genital Bovina no Brasil

Tabela 1


Para enfatizar a alta disseminação dessa doença destacamos os resultados de uma pesquisa realizada durante o período de 1976 e 1996 no laboratório do Departamento de Preventiva da Escola de Veterinária da UFMG, com as amostras recebidas para diagnóstico. Os dados obtidos mostraram que a Campilobacteriose Genital Bovina está presente em altos índices (50,88% das propriedades analisadas possuem animais infectados). Além disso, a doença foi detectada em todos os estados dos quais amostras foram analisadas, tendo uma freqüência de amostras positivas superior a 20% em todos eles (Tabela 2).

O resultado desta pesquisa não pode ser tomado como um dado de prevalência da doença; entretanto, esses dados são uma boa representação da freqüência da doença em propriedades com histórico de problemas reprodutivos.

A alta prevalência da Campilobacteriose Genital Bovina em nossos rebanhos é certamente um dos fatores que influenciam as baixas taxas de desfrute e produtividade observadas nos planteis bovinos, devido às freqüentes repetições de cio e aumento do intervalo entre partos. Apesar da alta freqüência de propriedades com animais infectados, pouco foi feito para um efetivo controle da doença em nossos rebanhos nos últimos anos. O controle da doença pode ser realizado empregando-se algumas medidas, tais como: inseminação artificial (com sêmen livre do microrganismo), uso de touros livres de infecção (quando a inseminação não for possível) e vacinação dos animais expostos. Deve-se vacinar todos os animais em idade reprodutiva, de preferência 30 a 60 dias antes da cobertura. Dependendo do tipo de adjuvante utilizado na vacina, são recomendadas 2 doses iniciais com intervalo de 30 dias e revacinação anual, com dose única.

Em última análise, é necessária uma maior conscientização de técnicos e criadores em relação a Campilobacteriose Genital Bovina para que um controle efetivo dessa enfermidade seja realizado em nossos plantéis. Dando ênfase a este problema sanitário poderemos melhorar a produtividade de muitos rebanhos.

Tabela 2- Distribuição por Estado dos materiais recebidos no laboratório da UFMG para diagnóstico da Campilobacteriose Genital Bovina, no período de 1976 e 1996

Tabela 2


__________________
fonte: Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.21, n.2, 1997

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint