ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A importância da desinfecção do umbigo dos bezerros

POR JOSÉ ROBERTO PERES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/09/2000

2 MIN DE LEITURA

0
0

José Roberto Peres

Os pontos-chave para a prevenção de doenças em bezerros recém-nascidos são a transferência de imunidade passiva através do colostro e a diminuição da exposição dos animais aos patógenos do ambiente. Normalmente se dá grande ênfase ao primeiro ponto e muito pouca atenção ao segundo. Minimizar a exposição dos bezerros aos patógenos é com certeza um dos métodos mais fáceis e de melhor custo benefício para se melhorar a sobrevivência dos bezerros. E isto não depende de grande esforço.

Os patógenos que causam as doenças em bezerros (rotavírus, salmonela, E. coli, Cryptosporidium, etc.) são usualmente passados para o bezerro através do ambiente. Cama ou esterco que contém organismos ou seus oocistos são um fonte imediata de contaminação. A própria mãe pode alojar organismos que podem infectar o bezerro - seja através do próprio colostro e do leite (p. ex.: tuberculose e paratuberculose) ou através do esterco grudado em seu corpo.

Os bezerros recém-nascidos estão em real desvantagem quando se trata de se defender de doenças. Eles não somente estão altamente estressados, mas suas defesas imunológicas são mínimas até que ele comece a consumir colostro. Em adição, o animal tem uma porta aberta para seu sistema circulatório - o cordão umbilical. A infecção do cordão umbilical pode resultar rapidamente em doença (septicemia - em outras palavras, a entrada de bactérias na corrente sangüínea) e morte. É de extrema importância minimizar o potencial de infecção do cordão umbilical através da desinfecção do umbigo. Infelizmente, uma recente pesquisa realizada nos EUA revelou que apenas 47% dos bezerros têm seu umbigo desinfetado. Estudos têm mostrado que a mortalidade dos bezerros é reduzida quando o umbigo é imerso em desinfetante logo após o nascimento. Portanto, esta deve ser uma prática consistente de manejo por todos produtores de leite.

Certifique-se de mergulhar o umbigo numa tintura de iodo (pelo menos 7% de iodo). Isto irá inibir a migração dos microorganismos para dentro do corpo do bezerros. Não dilua soluções de iodo utilizadas, por exemplo, na imersão dos tetos das vacas. A tintura de iodo também contém álcool, que irá auxiliar na vedação e secagem do cordão. Mergulhe o umbigo, não use aerosol. Os aerosóis não proporcionam cobertura adequada, a menos que se dispense grande atenção a isto.

De acordo com o Dr. G. A. Donovan, da Universidade da Flórida, o umbigo deve ser mergulhado no iodo o mais cedo possível após o parto, quando se move o bezerro para uma casinha ou baia e, novamente após 12 a 18 horas.

Lembre-se: a imersão do umbigo é uma forma efetiva de reduzir a exposição do animal a patógenos causadores de doenças. É um procedimento fácil e barato e dá grande retorno na forma de redução na taxa de mortalidade, morbidez e despesas com tratamentos.

 

********



fonte: Quigley, J., Navel Disinfection. APC Calf NotesTM #14.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint