FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Capital humano

ESPAÇO ABERTO

EM 17/07/2019

0
3

Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor da ESPM.

O agronegócio brasileiro é a potência que é porque lá atrás desenhou um futuro e preparou-se para buscá-lo e depois continuar construindo sua expansão. Um dos fatos que mostram isso é a produtividade do trabalho no agro, que evoluiu na casa de 5% ao ano, de 1985 a 2015. Só para comparar, no mesmo período a indústria teve um desempenho negativo (-1% ao ano) e o setor de serviços ficou estagnado, rondando zero.

Um estudo da Secretaria de Agricultura de São Paulo, no fim dos anos 1990, apontava que no Estado 80% dos trabalhadores rurais que lidavam com defensivos agrícolas tinham no máximo quatro anos de escolaridade. Essa história é contada no Centro de Engenharia e Automação (CEA) do Instituto Agronômico (IAC), lembrando que também recebiam pouco treinamento e a informação técnica gerada pela pesquisa enfrentava gargalos para chegar ao campo.

As dificuldades foram, então, progressivamente encaradas de modo mais intensivo e coordenado por programas de governo (como é o caso do próprio CEA), ou via parcerias com indústrias do setor, levando treinamento especializado para aplicadores e produtores rurais. Uma dessas parcerias público-privadas, por exemplo, já tem 12 anos de atuação e treinou 65 mil agricultores de todo o Brasil, em mais de 3.000 ações de campo.

Também por volta do ano 2000, pouco se conhecia ainda sobre a segurança de EPIs para trabalhar em tratamentos fitossanitários. Na época, segundo o CEA, nem normas de qualidade existiam para a produção desse tipo de equipamento e foi então que os primeiros estudos começaram a estabelecer protocolos técnicos e de qualidade para EPI agrícola, cuja consolidação iria acontecer cerca de cinco anos depois.

Quando se pensa no Brasil como um todo, ainda há desalinhamentos entre o ideal e a realidade nessa questão de qualidade e produtividade do trabalho. O importante é estimular propostas concretas de ação, como a ideia de “pesquisa participativa” experimentada agora pelo IAC no programa Aplique Bem, engajando o agricultor como multiplicador regional, para ganhar tempo e terreno no desafio de auditar pulverizadores e qualificar aplicadores.

Como naquele final de século XX, nosso agronegócio vive hoje um ponto de inflexão, com a chegada das tecnologias de informação, automação e inteligência artificial. Uma poderosa onda de inovações está em curso e começa a revolucionar os padrões de produção e gestão operacional no campo. Tecnologias disruptivas já estão em uso, outras evoluem rapidamente, e seus impactos serão profundos sobre o perfil dos empregos e dos profissionais.

O agro precisa fazer com urgência reflexões sobre as necessidades, e os requisitos de qualificação e treinamento, de recursos humanos para o agro digitalizado. Isso vale para todas as cadeias produtivas, pois nada avança sem capital humano. Ou melhor, nada melhora de forma sustentável sem recursos humanos com a qualificação necessária para as profundas transformações do mundo de hoje, não só no agro, aliás, mas em toda a economia. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.