ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Granelização do leite no Brasil

POR LUIS FERNANDO LARANJA DA FONSECA

PANORAMA DE MERCADO

EM 03/11/2000

5 MIN DE LEITURA

0
0
Luis Fernando Laranja da Fonseca

A cadeia agroindustrial (CAI) do leite vem passando por intensas transformações nos últimos anos e, nesse processo histórico, alguns acontecimentos foram marcantes e tiveram um impacto,significativo sobre a pecuária leiteira brasileira.

Dentre estes fatos marcantes podemos destacar o fim do tabelamento de preços por parte do governo em 1992, após 45 anos (1945 a 1991) de rígido controle estatal no mercado de laticínios. Passados 10 anos, o setor ainda engatinha no sentido de harmonizar as relações entre os diferentes setores da CAI do leite. Durante esta última década grandes transformações balançaram a estrutura do mercado lácteo nacional, destacando-se o impressionante incremento de consumo no início do plano real, a estabilização da moeda, o aumento significativo das importações e a expansão da produção na região Centro-Oeste do país. No entanto, quando analisamos a evolução do setor dentro de uma macro perspectiva, pode-se observar que grandes avanços foram obtidos pela pecuária leiteira brasileira nos últimos 30 anos. Dentre estes avanços podemos destacar o crescimento sistemático e constante por 3 décadas na produção nacional, com taxas próximas a 4% ao ano, uma das mais altas no mundo. Além disso, a sazonalidade da produção vem diminuindo de forma significativa, o que indica um aprimoramento técnico dos produtores. E, se por um lado, a média de produção brasileira é ainda ridiculamente baixa, por outro lado ela vem aumentando de forma sistemática. No entanto, ainda não faz parte desse cenário positivo o quesito qualidade do leite, que somente nos últimos anos vem ocupando de forma expressiva a agenda do setor. Nesta questão, destaca-se um processo bastante recente, mas extremamente veloz, de granelização do transporte de leite e resfriamento da matéria-prima na fazenda. Nos últimos 3 anos, o mercado, capitaneado especialmente pelas grandes indústrias de laticínios, desencadeou um processo acelerado de disseminação de tanques de resfriamento por expansão direta nas fazendas, sendo que esse processo continua se alastrando e estima-se que, até 2005, o mercado de tanques de resfriamento movimentará cerca de US$ 800 milhões com a comercialização de 55 mil unidades de resfriamento.

Para catalizar essa ação, o setor público também se mobilizou no sentido de estabelecer normas de regulamentação da qualidade do leite no país. Nesse sentido, após um processo longo e desgastante, finalmente foi aprovado um programa intitulado Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite(PNMQL). Esse projeto propõe normas que vão levar a outro choque de transformação do setor lácteo brasileiro, talvez tão significativo quanto aquele ocorrido em 1991 quando houve a desregulamentação do mercado de leite por parte do governo. Esse programa está previsto para entrar em vigor a partir de julho/2002 e se propõe, em uma escala gradativa plurianual, formatar um novo perfil da qualidade do leite no Brasil.

Dessa forma, pretende-se complementar mais uma etapa de modernização da pecuária leiteira brasileira, a melhoria da qualidade do leite, e para tal o resfriamento do leite na propriedade e a granelização do transporte são elementos fundamentais.

Justificativas e premissas para a granelização

O resfriamento do leite na fazenda e a granelização do transporte são fenômenos irreversíveis. No entanto, não se pode perder a referência de que essa transformação do setor foi desencadeada pelo mercado e capitaneada pela iniciativa privada, pois antes de mais nada, o resfriamento e a granelização do leite fazem parte de uma estratégia de otimização de logística, redução de custos e melhoria da qualidade da matéria-prima, fatores esses fundamentais para manutenção da competitividade das indústrias de laticínios.

Dessa forma, apontamos a seguir os benefícios efetivos para a indústria obtidos com a granelização do leite.

* Melhoria da qualidade da matéria-prima:
* Ampliação do horário de recepção do leite
* Redução de custos operacionais da indústria:
* Melhoria da logística e transporte:

Por fim há uma série de benefícios diretos associados aos transportadores de leite tais como: redução no tempo de recolha do leite e estabelecimento de horários mais cômodos de trabalho, menor esforço físico e condição menos insalubre e menor distância percorrida por litro de leite transportado.

É inegável, entretanto, que não só a indústria se beneficia com o processo de resfriamento e granelização do leite. De forma indireta mas explícita, esse processo também é positivo para o consumidor, pela razão lógica de que este passa a ser agraciado com produtos finais de melhor qualidade.

Também para o produtor há uma série de benefícios resultantes do resfriamento e granelização do leite. Dentre as vantagens destacamos:

* Melhoria de qualidade de matéria-prima:
* Redução no custo do frete:
* Flexibilidade nos horários da ordenha e aumento da produtividade:

Para exemplificar todo esse processo representado pelo resfriamento do leite na fazenda e transporte granelizado, seus impactos e benefícios, apresentamos a seguir os dados de um estudo de caso da Cooperativa SUDCOOP, de Medianeira- PR. Este estudo, já clássico no Brasil, tem sido apontado como um exemplo para o setor.


Tabela 1 - SUDCOOP: Comparativo da coleta de leite a granel x latões
Tabela 1


Tabela 2 - SUDCOOP: Custo operacional de recebimento do leite
Tabela 2


Tabela 3: custo de transporte de leite a granel no mercado (R$/litro)
Tabela 3


Limitações para implantação do resfriamento do leite na propriedade e granelização do transporte

Apesar dos enormes e inegáveis benefícios oriundos do resfriamento do leite na fazenda e granelização do transporte, uma série de fatores limitantes merece ser mencionada e ponderada. Dentre os fatores limitantes podemos apontar:

* Eletrificação Rural:
* Estrutura Viária:
* Treinamento dos Produtores:
* Marginalização /Exclusão de Pequenos Produtores
* Custo do Resfriador: esse ponto pode ser bastante limitante para os pequenos produtores uma vez que um resfriador de leite, mesmo de pequenas dimensões, envolve um investimento signficativo para uma pequena unidade de produção.

Tabela 4. PREÇO DE TANQUES RESFRIADORES AO PRODUTOR
Tabela 4


Em resumo, o processo de granelização e resfriamento do leite na propriedade é um fato irreversível e benéfico para o setor lácteo brasileiro, gerando melhoria da qualidade do leite, aumento da eficiência e redução de custos. No entanto, não podemos esquecer das limitações que o nosso país ainda apresenta em termos de infraestrutura básica e de qualificação técnica dos nossos produtores rurais. Tais questões são fundamentais para que se definam políticas públicas voltadas para solucionar tais problemas, nos moldes, por exemplo, do projeto "Luz no Campo" que está em fase de implantação por parte do governo federal.

LUIS FERNANDO LARANJA DA FONSECA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint