ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Firmeza no início de 2005!

POR CRISTIANE DE PAULA TURCO

PANORAMA DE MERCADO

EM 03/02/2005

2 MIN DE LEITURA

1
0

Mesmo com a crise provocada pela Central Leite Nilza, oriunda das dificuldades em pagar fornecedores e funcionários, fato que tomou conta do noticiário no início deste ano, o mercado esteve praticamente estável. Os preços do leite apresentaram um leve recuo, mais relacionado a um ajuste entre os compradores, do que a uma tendência de mercado. Em média, os preços variaram negativamente 0,5%, menos de um centavo por litro (R$0,01/litro).

Na tabela 1 estão apresentados os preços do leite pagos em janeiro e as respectivas variações, em porcentagem e em centavos, em relação ao pagamento de dezembro.

Tabela 1: Preços do leite por região pago em janeiro de 2005 e variação em relação a dezembro de 2004.
 


A preocupação com relação à crise da Central Nilza baseava-se na possibilidade de "sobrar" leite originado de fornecedores que naturalmente evitariam vender à empresa.

O aumento da oferta provocaria sobra de leite no mercado "spot".

Vale lembrar que é na época das chuvas o período mais favorável para as indústrias ampliarem o quadro de fornecedores de leite para o ano. É mais fácil negociar! Neste caso, as indústrias compram dos produtores e pressionam para baixo os preços no mercado "spot".

Temia-se que a crise da Central provocasse o mesmo cenário que a crise da Parmalat havia provocado. Mesmo que em menores proporções.

Pois bem, a crise não se configurou. Em janeiro, os preços "spot" recuaram 3,42%. Na crise da Parmalat, a queda nominal (dinheiro da época) dos preços "spot" chegou a 31%. Embora com algum problema regional, a crise não foi suficiente para alterar significativamente o cenário geral.

Os agentes de mercado continuam apontando tendência de estabilidade e 17,5% deles sinalizam alta nos preços. Observe a opinião dos agentes de mercado em janeiro.

 


Além do mercado interno se recuperando, há a expectativa do aumento das exportações. Em volume, as exportações brasileiras foram 22% superiores às importações em 2004, segundo o MDIC (Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio), tabuladas pela Terra Viva Consultoria. No caso do leite em pó, por exemplo, as indústrias brasileiras exportaram 120% mais do que importaram ao longo de 2004. Quando comparadas a 2003, as exportações de 2004 foram 53% superiores.

No mercado do leite longa vida, a linha de fluído mais consumida no país, os preços de janeiro estiveram 1,32% mais altos em relação aos de dezembro.

No início do ano sempre são esperados aumentos nos preços para o longa vida. É a volta às aulas e a recuperação do mercado entre os meses de fevereiro e março.
Vale ressaltar que, neste ano, o carnaval próximo das férias de janeiro acabou por prolongar o recesso. Tanto é assim que tem sido notícia na mídia a dificuldade das famílias em ajustar o orçamento com férias alongadas, festas e contas de início de ano.

Em função dos resultados do varejo em 2004, e a expectativa da indústria de embalagens, é provável que apesar do aperto no orçamento familiar o consumo de alimentos não seja afetado.

A Associação Brasileira de Embalagens estima elevar em cerca de 10% as vendas, baseadas na demanda interna. A produção de embalagens cresceu 9% em novembro de 2004, quando comparada com novembro de 2003.

Portanto, com relação à demanda, janeiro justifica a expectativa de mercado firme e o otimismo da virada de 2004/2005.

Que assim seja!

CRISTIANE DE PAULA TURCO

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ ALMEIDA DE OLIVEIRA

MAJOR ISIDORO - ALAGOAS - EMPRESÁRIO

EM 03/02/2005

MAURICIO:

Acompanho com muita atenção seus comentários publicados no MilkPoint. Devo orientá-lo, por saber da seriedade dos mesmos que, em Alagoas, sua fonte de informações anda desinformada. No presente momento, o maior preço pago por uma indústria é R$0,55 portanto, longe dos R$0,588 do artigo. Abraços.

<b>Resposta:</b>:

Prezado senhor José Almeida,


Muito obrigado pela sua participação. Comentários de leitores sempre nos ajudam a melhorar.

Chequei a sua informação e tenho duas hipóteses para o fato.

Primeiro: Estamos comparando períodos diferentes. Os preços publicados em janeiro referem-se à produção de dezembro. Isso se deve à dificuldade de coletar informações e tabular em tempo hábil. A maior parte das indústrias só nos passa preços depois de efetivar o pagamento aos produtores. Os produtores normalmente têm essa informação antecipada, embora não seja uma garantia de que o valor seja realmente pago.

Segundo: Mesmo comparando preços de períodos equivalentes, A Scot Consultoria trabalha com valores brutos, enquanto os produtores geralmente recebem a informação de valores líquidos pagos pelo leite. O bruto, segundo nosso critério, é o preço que o leite chega à indústria. É a soma do líquido, pago ao produtor, do frete (quando este é pago pela indústria) e dos impostos (geralmente descontado na folha do produtor). É comum produtores compararem nossos preços com os valores líquidos que recebem.

Pelo histórico brasileiro, o frete pode girar de R$0,015 a R$0,06/litro, dependendo da região, condição do produtor, distância da indústria, volume de entrega, etc.

Desta forma, acreditamos que tanto o senhor, como nossos levantamentos, estejam corretos. No pagamento de janeiro, produção de dezembro, os preços em Alagoas variaram de R$0,56 a R$0,60/litro, segundo as indústrias que nos passam informações. E para este mês, pagamento desta semana, os preços tendiam a recuar cerca de R$0,03 a R$0,04/litro - pagamento do leite produzido em janeiro. Portanto, os valores se equivalem.

Evidentemente que ficamos a mercê de informações especulativas das indústrias, por isso que estatisticamente buscamos falar com o maior número de compradores possíveis.

Caso a informação, e esta explicação, ainda te deixem dúvidas sobre a proximidade dos nossos preços com a realidade, por favor nos informe para que aumentemos ainda mais o número de informantes no Estado.

De qualquer forma, sempre estamos ampliando o nosso banco de dados, visando aproximar cada vez mais as análises do que acontece no dia-a-dia.

Obrigado pela sua orientação. Contamos com sua crítica, quando necessária, e com suas sugestões, sempre que o senhor achar interessante.

Um forte abraço,

Maurício Palma Nogueira
engenheiro agrônomo

MilkPoint AgriPoint