ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cadê o leite?

POR MATHEUS NAPOLITANO

PANORAMA DE MERCADO

EM 27/06/2022

5 MIN DE LEITURA

33
13

Cadê o leite? Essa é uma pergunta que todo o setor lácteo brasileiro tem feito, frente a escassez que o mercado tem vivenciado nos últimos meses.

Desde o segundo semestre do ano passado, a produção brasileira tem caminhado de maneira acelerada para baixo. No comparativo anual (contra o mesmo trimestre do ano anterior), vimos um recuo de -4,8% para o 3º trimestre de 2021; -5,0% para o 4º trimestre; e, o mais recente (e mais impactante), -10,3% para o 1º trimestre de 2022.


Gráfico 1. Captação Formal de Leite - variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior


Fonte: IBGE, 2022 - elaborado pelo MilkPoint Mercado.

A queda observada no primeiro trimestre deste ano é a maior variação negativa de toda a série histórica, tanto no comparativo anual (contra o mesmo trimestre do ano anterior) como no comparativo trimestral (contra o trimestre imediatamente anterior, -8,7%).

Nesse período, os principais estados produtores de leite do Brasil também apresentaram queda na produção, com destaque para Goiás - que diminuiu mais de um quinto da sua captação formal de leite.

Gráfico 2. Variação na captação formal dos principais estados produtores entre o primeiro trimestre de 2022 e o mesmo período de 2021.


Fonte: IBGE, 2022 - elaborado pelo MilkPoint Mercado.

 

Nesse cenário de escassez de oferta, os preços dos lácteos têm disparado.
 

  • Preço do leite matéria-prima

O preço do leite pago ao produtor (CEPEA) aumentou 14% nos últimos dois pagamentos, superando os patamares de preços do mesmo período dos últimos dois anos.

Gráfico 3. Preço líquido pago ao produtor (CEPEA)*


* Média BR, deflacionado pelo IGP-DI
Fonte: CEPEA - elaborado pelo MilkPoint Mercado

 

No mercado spot, a alta nos preços é ainda mais forte. A disputa pelo leite tem ficado cada vez mais acirrada, o que acarretou consecutivas altas nos preços - atingindo o maior patamar desde agosto de 2020.

Gráfico 4. Preço do leite no mercado spot (R$/litro)*


* Média BR, deflacionado pelo IGP-DI
Fonte: MilkPoint Mercado

 

  • Preço de matérias-primas lácteas

As matérias-primas lácteas também têm se valorizado. O soro de leite, por exemplo, atingiu, no mês de junho, o maior patamar da série histórica avaliada pelo MilkPoint Mercado.

Gráfico 5. Preço do soro concentrado (R$/kg de sólidos)*

*Soro de leite 18% de sólidos - Média BR, deflacionado pelo IGP-DI
Fonte: MilkPoint Mercado

 

  • Preços dos lácteos ao consumidor

Na ponta, o consumidor final também tem sentido os efeitos da baixa oferta de lácteos. Mesmo em um cenário de inflação generalizada, com alta nos preços para diversas outras categorias de alimentos, transportes, energia elétrica etc., a inflação dos lácteos tem sido muito superior a dos demais grupos – e mais que o triplo do índice geral.

Gráfico 6. IPCA - Inflação percentual acumulada no ano (jan-mai 2022)

Fonte: IBGE - elaborado pelo MilkPoint Mercado
 

Nesse cenário, de escassez de leite no mercado interno e alta nos preços, muita gente tem afirmado: “O Brasil vai começar a encher o mercado interno de leite importado.”

Bem, o cenário não é tão simples!

A oferta mundial de leite, incluindo dos nossos principais fornecedores, Argentina e Uruguai, também vem em baixa nos últimos meses, conforme podemos ver no gráfico abaixo. Ou seja, não há leite em abundância em nenhum país para suprir a demanda brasileira.

Gráfico 7. Variação do volume produzido por país em relação ao mesmo mês do ano anterior.


Fonte: CLAL, USDA, MAGyP, Inale, USDEC, DCanz - elaborado pelo MilkPoint Mercado
 

No 1º trimestre, com a menor oferta mundial de leite, os preços internacionais dos lácteos apresentaram um forte crescimento, conforme podemos ver abaixo:

Gráfico 8. GDT - Preço Médio do Leite em Pó Integral (USD/ton)


Fonte: Global Dairy Trade (GDT) - elaborado pelo MilkPoint Mercado

Com os preços em alta, os nossos principais fornecedores, Argentina e Uruguai, destinaram grande parte de suas produções para outros mercados em detrimento de envios ao Brasil. Este cenário no primeiro trimestre, de preços internacionais elevados, associado ao dólar operando em patamares elevados, foi desfavorável às importações, ocorrendo um recuo no volume importado neste período de 2022 frente a 2021.

Nos primeiros três meses de 2022, foram importados ao todo 166,8 milhões de litros em equivalente-leite, enquanto no ano passado, este valor foi de 360,5 milhões, uma redução de aproximadamente -54%, ou seja, neste primeiro trimestre o volume importado foi praticamente a metade do ano passado.

Gráfico 9. Importações em equivalente-leite em 2022 e 2021 (milhões de litros)

Espera-se maior disponibilidade para vendas ao Brasil a partir julho/agosto, quando provavelmente veremos uma maior entrada de leite importado.
 

Quando a oferta de leite irá aumentar no mercado brasileiro? 

Atualmente, estamos passando pelos meses mais críticos em termos de produção interna de leite. Abaixo, podemos ver o comportamento da sazonalidade da captação de leite no Brasil.

Gráfico 10. Sazonalidade da produção - percentual coletado em cada mês em relação a produção do ano


Fonte: IBGE - elaborado pelo MilkPoint Mercado

A partir de julho, a região Sul do país tende a apresentar um aumento mais consistente da produção, o que acarretará maior abastecimento no mercado nacional.

Gráfico 11. Sazonalidade da produção - percentual coletado em cada mês em relação a produção do ano


Fonte: IBGE - elaborado pelo MilkPoint Mercado


Dessa forma, o período mais crítico de baixa oferta aparenta estar perto do fim. Para o segundo semestre, a partir de julho, com tendência de aumento das importações e elevação da produção interna (inicialmente com a safra do Sul e, depois, com as safras do Sudeste e Centro-Oeste), a oferta deve melhorar - ou, pelo menos, ficar menos pior.

Vale lembrar que a base produtiva (número de vacas) está menor. O cenário de dólar e preços internacionais em alta podem dificultar as importações – a NZX, bolsa da Nova Zelândia, evidencia contratos futuros para o leite em pó integral acima de USD 4300/ton para todo o segundo semestre; além de diversas outras incertezas que estamos presenciando (pandemia, guerra, eleições...).

Portanto, mesmo com um avanço da disponibilidade de leite, o cenário, pelo menos de curto prazo, é de uma oferta enxuta e abaixo dos anos anteriores.

MilkPoint Meracado

*Fonte da foto: Freepik

33

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDSON FELIX COSTA

ALTINHO - PERNAMBUCO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/07/2022

Esse conluio que se formou entre empresas e mídia especializada deu nisso. Produtor cansou de pagar de bobo da corte. Agora aguentem o tranco, porque é difícil sair da pecuária de leite e muito mais difícil é voltar pra ela.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 04/07/2022

Edson, obrigado pela participação. Concordo com sua observação sobre a dificuldade de sair e de voltar para a atividade. Mas de nossa parte aqui, não concordo com a afirmação sobre conluio entre empresas e mídia especializada. Isso simplesmente não existe. O que existe é o mercado e suas imperfeições, às quais sempre apontamos, inclusive deixando claro a responsabilidade da indústria, que não percebeu a mudança no perfil do produtor e não se adequou, e o resultado está aí. Leia um artigo recente que escrevi sobre repensar a cadeia do leite. Ademais, estou à disposição para mostrar o que fazemos, como trabalhamos e nossa visão de mercado. Obrigado.
ANDRÉ PERES

PELOTAS - RIO GRANDE DO SUL - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 03/07/2022

No primeiro gráfico podemos ver que de maio a setembro/2020 houve uma elevação no valor pago ao produtor, chegando a pagar quase R$2,90. De lá pra cá nunca mais chegou naquele valor. De setembro de 21 a março de 22 o preço caiu chegando perto de R$2,20 (-23%). Nos últimos 2 pagamentos subiu pra R$2,50 (+15%).
Os insumos tiveram aumentos muito acima da inflação. Medicamentos, adubos, combustíveis, energia. Alguns destes itens mais do que dobraram de preço nesse período.
Com tudo isso vem as dificuldades de fechar as contas. E ainda o produtor tem que estar lá, ordenhando vaca, todos os dias de madrugada e a tardinha, com sol de 35°c, com chuva, temporal, tormenta ou com geada branqueando os campos.
Fora o resto do serviço que a atividade envolve.
Não precisa terá 5ª série forte pra entender o pq do abandono da atividade.
E como alguns já colocaram, existem alternativas mais rentáveis financeiramente e que demandam menor comprometimento de tempo. Seja arrendamento, seja ovinocultura, soja, milho...
Enquanto não houver valorização DO PRODUTOR, cada vez mais haverá escassez de produto. Vale o mesmo pro preço que está a carne no mercado.
REJANE RODRIGUES CARVALHO

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 03/07/2022

Minha avó já dizia: VACA NÃO DÁ LEITE!!!
VANDERLEI

CONCÓRDIA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Ai qdo compra 1 cerveja 10.real garrafffa. .Ai litro leite 6 real aaaaa q carrrro
PEDRO AUGUSTO CARVALHO PEREIRA

GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/07/2022

O leite que as indústrias estão procurando foi, em grande parte, para o frigorífico durante o último ano principalmente, onde muitos produtores de leite aproveitaram a alta da arroba e mataram muita vaca para tentar sobreviver a alta dos custos de produção que inviabilizou para muitos a atividade. Ainda, muitos sobreviventes/resistentes/heróis... reduziram a oferta de concentrado devido aos altos preços dos insumos, o que obviamente reduziu a produção de seus rebanhos. Também, muitos abandonaram a atividade por motivos diversos, mas certamente impulsionados pela alta dos custos nos últimos anos e baixos preços praticados históricamente por muitas indústrias, principalmente para pequenos e médios produtores. Aos sobreviventes e que não verticalizam sua produção, talvez o momento atual seja uma excelente oportunidade para quem a vida toda foi poste virar o cachorro mijão e inverter a posição das coisas. Porém, ainda que pela dor, melhor se houvesse um reordenamento da cadeia com os elos se tornando realmente parceiros e não canibais.
HENRIQUE CHAVEIRO

CRISTIANÓPOLIS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Até hoje não consegui entender porque a indústria tratou o produtor tão levianamente , o produtor não precisa de leite, pode mudar de produção, agora a indústria oque Irá fazer caso não haja leite ?
Deveria ter visto o lado do produtor principalmente a cerca de 8 meses atrás o produtor com queda nos preços e alta nós insumos, isso é apenas o reflexo do que a indústria fez ao produtor, produzia leite no inicio 2021 com um concentrado a 0,90 centavos leite a 1,40
Em fevereiro de 2022 concentrado com alta de 120% silagem com alta de 80% e o leite com uma mísera alta de 20% ( ração 2,3 o kg silagem 380 a Ton e leite a 1,80/litro) a atividade ficou inviável e o laticínio só queria ver o lado dele, ter sua margem, e esqueceu que não existe laticínio sem a matéria prima, agora colhe seus frutos de falta de leite e com certeza vai ter que diminuir suas margens porque até quando o consumidor final vai comprar leite a 10 reais o litro ?
SEBASTIÃO POUBEL

RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/07/2022

Depois de várias decadas de políticas erradas com o leite , não é difícil achá lo, é só perguntar para os responsáveis...
GUTEMBERGUE GOMES DA SILVA JUNIOR

PIRES DO RIO - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Enquanto os grandes laticinios nao valorizarem o produtor e reduzir suas margens de lucro a produção vai continuar em baixa e desestimulada. Pq os grandes laticinios que monopolizam e impoe a margem do mercado.Como pode o leite chegar na prateleira pelo triplo do preço pago ao produtor. Tinha q ser no máximo o dobro.
CELSO JOSÉ DE ARAÚJO CAMPOS

BARBACENA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Será que as empresas de lácteos irão fazer queijos de LEITE em pó ou de LEITE de SOJA? ISTO é o resultado da falta estratégia dos laticínios, NÓS produtores já sinalizamos há décadas e tomamos nossas medidas .
CELSO JOSÉ DE ARAÚJO CAMPOS

BARBACENA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Pela primeiro vez a indústria lácteos vai entender algo que nós produtores já sinalizamos há algumas décadas,"vocês estão MATANDO a galinha dos ovos de OURO".Portanto vamos aguardar a importação de leite em pó ou FAZER queijo de leite de SOJA.
MARCELO GODINHO MIAZATO

ITAJUÍPE - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Esse otimismo com o período de safra no centroeste e sudeste não condiz com as previsões de mais La Nina
WILSON ADRIANO FERREIRA

GOIANÉSIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/07/2022

O preço do litro de soro é 7.00 reais o litro mesmo
JOSE ADOLFO SILVA

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2022

Ótima matéria
NIVO MIRANDA ROLIM

BASTOS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2022

Vai lá importar do Uruguai e Argentina indústrias. Vão trabalhar com ociosidade ninguém quer mais trabalhar de graça pra vcs
NIVO MIRANDA ROLIM

BASTOS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/06/2022

Tomara que continue com produção em queda por muitos anos.industria exploradora já tem laticínios capengando
WADSON OZÉIA DE LIMA

MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PARANÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/06/2022

Sou técnico de captação de matéria prima na Sooro Renner e gostaria de receber acesso aos materiais publicados aqui no Milkpoint.
DIEGO BARROZO

GUARACI - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/06/2022

Parabéns pelo artigo!!!
ERICSON QUEILA

GUARULHOS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/06/2022

Obrigado
MARCELO BRANQUINHO PEREIRA

TRÊS CORAÇÕES - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/06/2022

A cadeia Lactea trabalha sem sintonia entre os elos ! Uma cadeia pobre de ideias ! Com isso vem enfraquecendo. Devemos ver sim um aumento dos produtos importados. Pra agravar a situação muitos produtores estão aproveitando a alta do preço do leite para liquidar seus rebanhos.
HIGOR MANFRIN

CATALÃO - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/06/2022

Muitos produtores de leite são leigos e preferem abrir mão do para arrendar as terras ou mudar de cultura, como o plantio da soja que está cada vez mais predatório. Acredito que para situação mudar, tanto em volume quanto em qualidade, deve ser feito um trabalho intensivo com os produtores pecuários, pois em relação a recursos o Brasil tem potencial de ser o número 1 em produção de leite.
NIVO MIRANDA ROLIM

BASTOS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2022

Não existe mais essa vontade do produtor aumentar produção. Entenderam que pra ter preço tenq produzir é menos
ANA PAULA

EDEALINA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2022

Será que os produtores são leigos ou a indústria que ainda não conseguiu oferecer previsibilidade ao produtor, coisa que a soja já faz a anos
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures