FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

PE: produtores de leite querem milho mais barato por conta da seca

Produtores de leite de Pernambuco, que voltaram a enfrentar os problemas trazidos pela seca, vão encaminhar documento ao governo Federal e à bancada de parlamentares do Estado no Congresso Nacional na próxima semana, solicitando apoio para manter a produção. Uma das principais preocupações do setor é com o aumento dos custos de alimentação do rebanho, que encarecendo a produção de leite. Uma das demandas será incentivo para a redução do preço de milho comprado à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).
 
O presidente do Sindicato dos Produtores de Leite de Pernambuco (Sinproleite), Saulo Malta, diz que antes a Conab subsidiava o frete do milho e o preço da saca de 60 quilos ficava mais barato. "Nos anos de seca mais braba a saca do milho foi vendida a R$ 17 e hoje está na casa dos R$ 60, muito perto do valor encontrado no comércio, que é de R$ 75", compara
 
Os produtores querem que seja adotada uma medida renovável a exemplo do que o governo de Pernambuco fez com as operações internas do milho em grão feitas pela Conab e Ceasa. A isenção de 100% do imposto foi concedida a partir de 2012, quando a estiagem iniciada no ano anterior começou a se prolongar e acabou se estendendo por sete anos consecutivos. "A medida foi sendo prorrogada ano a ano e em março próximo vai vencer e vamos pedir novamente. Se não fosse isso, o preço do saco de R$ 60 teria um acréscimo de 18% (do ICMS) e caria quase igual ao praticado no comércio (R$ 70,80)", calcula Malta.
 
A proposta dos produtores é elaborar um documento relatando a situação do setor e encaminhar ao Ministério da Economia, informando que o animais já estão perdendo peso e com uma diminuição de produtividade de 40%. A produtividade média de uma vaca no Brasil é de 6 litros de leite por dia, enquanto em Pernambuco é de 14 litros por dia.
 
Além do milho, outras alternativas de alimento ao rebanho também tiveram escalada nos preços. De acordo com os pecuaristas, o saco de 40 quilos do farelo de milho saltou de R$ 30/R$ 32 para R$ 48 e R$ 50; enquanto o de farelo de soja saiu de R$ 67 para R$ 90. Isso sem falar na necessidade de comprar água para os animais. Segundo o produtor e veterinário Washington Azevedo, uma vaca leiteira bebe, em média, 50 litros de água por dia. No Agreste, o preço do carro-pipa varia de R$ 100 a R$ 150, dependendo do local onde a água será entregue.
 
Reservatórios
 
O valor tem subido porque a situação dos reservatórios também é de escassez. Dos 75 reservatórios acompanhados pela Agência Pernambucana de Água e Clima, 18 estão colapso. A Barragem de Jucazinho, que tem grande importância para a região, está com 1,2% de sua capacidade.
 
Nos últimos anos, a seca fez vários produtores desistirem da atividade e a debandada se mantém. Em 2018 eram 107 mil produtores e no ano passado caiu para 106,5 mil. A bacia leiteira de Pernambuco também se caracteriza por ser formada, em sua maioria, por pequenos e médios produtores. Do total, 83% são pequenos (com até 20 cabeças), 11% médios (entre 21 e 50 animais) e 6% grandes (mais de 50 vacas).
 
As informações são do JC Online.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.