ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Nutrientes presentes no queijo e seus benefícios para a saúde

POR JULIANA SANTIN

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/09/2008

10 MIN DE LEITURA

2
0
O queijo é um produto lácteo concentrado feito a partir da coagulação do leite e é consumido como parte da dieta humana há milhares de anos. Assim como o leite, o iogurte e outros produtos lácteos, o queijo é naturalmente rico em muitos nutrientes, incluindo cálcio, fósforo, proteínas, vitaminas lipossolúveis e vitaminas B.

Vários diferentes tipos de queijos estão disponíveis no mercado e este é um dos alimentos mais versáteis, econômicos e nutritivos consumidos em nossa dieta.

Produção

Os princípios básicos envolvidos na fabricação de queijos são os mesmos há mais de 1000 anos. O leite é primeiramente tratado com calor para matar bactérias nocivas que podem estar presentes. Culturas starter de bactérias especiais são, então, adicionadas ao leite e seu crescimento "matura", e isso ajuda a desenvolver os sabores e aromas desejados.

O leite sofre, então, coagulação enzimática, levando à formação de coalhada e soro. A coalhada e o soro são aquecidos a altas temperaturas e é adicionado sal ao produto para corrigir a textura e o sabor. O queijo é, então, prensado para haver a saída do soro e para lhe dar a forma final. O queijo é, então, deixado para maturar e, quanto mais tempo for deixado em armazenamento, mais maduro será seu sabor.

Os queijos cremosos são feitos a partir de leite tratado com calor que é fermentado pelo uso de bactérias específicas. Às vezes são usados complexos enzimáticos artificiais para produzir uma textura mais firme.

Os queijos frescos estão prontos para serem consumidos assim que o processo de fabricação acaba, mas os queijos maturados precisam ficar por um período determinado em salas com temperatura e umidade controladas.

Valor nutricional

O queijo é uma fonte concentrada de muitos dos nutrientes do leite. Durante o processo normal de fabricação de queijos, os componentes insolúveis em água do leite, como a proteína caseína e a gordura, permanecem na coalhada e os constituintes solúveis em água, como os carboidratos, os sais, e as proteínas menores que a caseína permanecem no soro.

A quantidade de vários nutrientes retidos na coalhada e no soro depende do tipo de queijo fabricado, do tipo de leite usado e da forma de coagulação. As enzimas e as bactérias envolvidas no processo de maturação de cada tipo específico de queijo também podem alterar o teor de nutrientes do produto final.

Energia

O queijo é um alimento naturalmente denso em nutrientes e fornece uma excelente fonte de energia e nutrientes dentro de quantidades relativamente pequenas. O teor de energia do queijo depende em grande parte do teor de gordura, que é altamente variável entre os diferentes tipos.

Carboidratos

A forma de carboidratos presente no queijo e em todos os produtos lácteos é o açúcar lactose. Entretanto, a maior parte da lactose do leite original usado para fabricar queijos é removida durante o processamento. A pequena quantidade de lactose que está presente é geralmente transformada em ácido lático e outros produtos por bactérias, leveduras e enzimas, que produzem o sabor característico de queijos específicos.

Após aproximadamente 3-4 semanas de maturação, o nível de lactose normalmente cai à zero. Devido ao fato de a maioria dos queijos conter baixos níveis de lactose, este produto é bem tolerado por pessoas que sofrem de má-digestão de lactose ou intolerância à lactose.

Proteínas

A principal proteína do queijo é a caseína, com pequenas quantidades de outras proteínas chamadas alfa e beta lactoglobulina. O método de coagulação do leite, bem como a quantidade de maturação que ocorre influencia no teor de proteína do queijo.

A proteína do queijo é classificada como proteína de alta qualidade, à medida que fornece uma fonte rica em todos os aminoácidos requeridos pelo corpo, pela dieta.

Gordura

O teor de gordura do queijo é em grande parte responsável por seu sabor específico e textura, associados com as muitas variedades disponíveis. Durante a maturação, a gordura passa por mudanças químicas levando à produção de diferentes ácidos graxos que contribuem para o sabor.

O teor de gordura do queijo é muito variável, podendo ser de 35% para queijos comuns a 4,3% para o queijo cottage. Também estão disponíveis produtos com o teor muito reduzido de gordura.

Uma variedade de queijos, incluindo o cheddar, também é uma fonte rica do ácido graxo benéfico para a saúde chamado de ácido linoléico conjugado (CLA), que exerce várias funções de proteção contra doenças, como câncer e doenças cardíacas.

Vitaminas

O teor de vitaminas do queijo é altamente variável entre os diferentes tipos e dentro de amostras da mesma variedade de queijo devido às variações nos processos de fabricação, na bactéria usada para maturação e nas condições e tempo de maturação.

O queijo é uma boa fonte de vitaminas lipossolúveis fornecidas pelo leite originalmente usado na fabricação do produto. Queijos como o cheddar são boas fontes de vitamina A, que é necessária para a saúde dos olhos e da pele. Uma porção (30g) de queijo cheddar fornece para um adulto médio (19-50 anos) 16% e 18% do requerimento diário de recomendado de vitamina A para homens e mulheres, respectivamente.

As vitaminas hidrossolúveis como as vitaminas B tendem a permanecer na fração do soro do queijo e muitas são forçadas a sair durante o processamento. Entretanto, quanto mais soro permanece no produto final, maior o teor dessas vitaminas.
Apesar disso, queijos como o cheddar são excelentes fontes de vitaminas como a vitamina B12, a vitamina B2 e o folato. Por exemplo, uma porção (30g) de queijo cheddar fornece para um adulto médio 46% do requerimento diário recomendado de vitamina B12.

Minerais

O queijo é uma excelente fonte de minerais apesar de os níveis variarem nos diferentes tipos e mesmo dentro da mesma variedade por razões similares ao teor de vitamina.

Cálcio:
O cálcio é essencial para a saúde dos ossos e dentes, entre outras funções, e o queijo - assim como outros produtos lácteos - é uma excelente fonte de cálcio biodisponível (facilmente absorvido). O teor de cálcio de diferentes queijos depende dos processos de maturação e da variedade específica de queijo.

Os queijos feitos com enzima de coagulação, como o cheddar, tendem a manter a maioria do cálcio na coalhada, que permanecem no produto após a extração do soro. Por exemplo, uma porção de queijo cheddar (30g) fornece 32% do requerimento diário recomendado de cálcio para um adulto médio.

Queijos coagulados somente por ácido lático - sem uma enzima de coagulação, como é o caso do queijo cottage ou de queijos cremosos - tendem a ter menos cálcio. Por exemplo, uma porção (40g) de queijo cottage fornece a um adulto médio aproximadamente 7% do requerimento diário recomendado de cálcio.

Fósforo:
O fósforo também é necessário para ossos e dentes saudáveis, para a produção de energia e para o crescimento normal dos tecidos. O queijo é uma excelente fonte de fósforo e, apesar de o teor variar entre os diferentes tipos de queijos - pelas mesmas razões do cálcio -, Uma porção (30g) de queijo cheddar fornece 28% do requerimento diário recomendado de fósforo para um adulto médio.

Outros:
O queijo também fornece pequenas, mas consideráveis, quantidades de outros minerais, incluindo magnésio e zinco.

Sódio

O sódio na forma de cloreto de sódio (ou sal) é adicionado aos queijos para preservá-los e lhes fornecer sabor. O teor de sódio do queijo varia entre os diferentes tipos, dependendo da quantidade de sal adicionada pelos processadores.

Devido às preocupações com relação ao alto consumo de sal e sua relação com alta pressão sangüínea e doenças cardiovasculares, a recomendação atual é de redução no consumo de sal. Por essa razão, existem atualmente no mercado vários queijos com teor reduzido de sal.

Também é importante notar que os queijos são excelentes fontes de vários outros nutrientes essenciais à saúde e se consumidos nas quantidades corretas, são mais benéficos à saúde do que prejudiciais.

Benefícios para a saúde

Dentes

Todos os produtos lácteos são excelentes fontes de cálcio e fósforo, que são essenciais para o desenvolvimento e manutenção da saúde dental. Entretanto, o queijo e o leite são conhecidos por conter fatores específicos que protegem contra cáries dentais e são conhecidos como anti-cariogênicos. O queijo é considerado como um dos alimentos mais anti-cariogênicos de todos.

As propriedades anti-cariogênicas dos queijos foram bem estudadas e vários mecanismos foram sugeridos para explicar como os queijos ajudam a proteger os dentes:

- Estudos mostraram que o consumo de queijos pode ajudar a reduzir os aumentos prejudiciais de acidez na placa que envolve o dente;
- Os queijos fornecem grandes quantidades de cálcio e fósforo à boca, o que ajuda a repor os minerais perdidos pela desmineralização;
- O consumo de queijos ajuda a promover a deposição de minerais como cálcio e fósforo no dente (remineralização) e aumenta a resistência do esmalte dentário;
- Estudos mostraram que o consumo de queijos seja sozinho, seja como parte de uma refeição, aumenta a concentração de cálcio na placa ao redor do dente. Isso ajuda a reduzir e repor o cálcio perdido quando o dente é atacado pelos ácidos produzidos na boca. Foi mostrado que o consumo de queijos após consumo repetido de bebidas ácidas pode retornar os níveis de cálcio na placa aos níveis de antes da bebida;
- Os queijos nos levam a produzir mais saliva na boca, o que ajuda a limpar os alimentos e reduzir a quantidade de açúcar presente pela fermentação e produção de ácido pelas bactérias da boca. A saliva também ajuda a neutralizar o ácido que é formado e pode ajudar a inibir a ação da placa bacteriana, ajudando a reduzir a produção de ácidos e os danos;
- Assim como no caso do leite, a caseína presente no queijo ajuda a proteger o esmalte dentário formando um filme fino na superfície do dente, que previne contra danos.

Desta forma, estimular as pessoas a consumirem queijos nas refeições, entre elas ou depois delas, bem como depois do consumo de bebidas com açúcar/lanches pode ajudar a prevenir a ocorrência de cárie dental.

Intolerância à lactose

A má-digestão ou intolerância à lactose descreve a capacidade reduzida de digerir o açúcar do leite, a lactose, devido a baixos níveis da enzima responsável por isso, a lactase, presente no intestino.

Em pessoas com essas condições, o consumo de certas quantidades de lactose tende a produzir sintomas como inchaço, produção de gases, espasmos no estômago e diarréia. Por essa razão, os produtos lácteos são freqüentemente evitados por essas pessoas e isso pode comprometer os requerimentos por nutrientes, como cálcio e fósforo.

Evidências têm mostrado que o consumo regular de pequenas quantidades de alimentos lácteos, como o leite, como parte de uma refeição, podem ser bem toleradas e podem até melhorar os sintomas. Entretanto, como mencionado anteriormente, o queijo tem particularmente um teor baixo de lactose comparado com os outros produtos lácteos. Sendo assim, esse produto é bem tolerado por aqueles que sofrem de má-digestão ou intolerância à lactose e fornece a eles uma excelente fonte de nutrientes ricos nos alimentos lácteos.

Referências bibliográficas

1. The Dairy Council Fact sheet on Cheese 2002
2. Miller GD, Jarvis JK & McBean LD (2000) The Importance of Milk and Milk Products in the Diet In: Handbook of Dairy Foods and Nutrition Second Edition [Wolinsky I, editor]. CRC Press, Boca Raton, Florida, USA.
3. Royal Society of Chemistry and Ministry of Agriculture, Fisheries and Food (1991) McCance and Widdowson's The Composition of Foods 5th edn. Cambridge: Royal Society of Chemistry.
4. Department of Health (1991) Report on health and social subjects 41. Dietary Reference Values for Food Energy and Nutrients for the United Kingdom. Report of the Panel on Dietary Reference Values of the Committee on Medical Aspects of Food Policy. The Stationery Office: London.
5. Joint Health Claims Initiative Final Technical Report (2003) Part 2 Well-established nutrient function statements. Food Standards Agency.
6. Manuel of Dietetic Practice Third Edition, (Briony Thomas, editor) Blackwell Science, London, UK.
7. Human Nutrition and Dietetics 10th Edition (Garrow JS, James WPT & Ralph A, editor) Churchill Livingstone, London, UK.
8. Bryans. J. (2006). Dairy Products and Dental Health. Dental Digest pp1-4.
9. Rugg-Gunn A.J. et al. (1975) The effect of different meal patterns upon plaque pH in human subjects. British Dental Journal 139; 351-6.
10. Moynihan P.J. et al. (1999) The cariostatic potential of cheese: cooked cheese-containing meals increase plaque calcium concentration. British Dental Journal 187: 664-7.
11. Linke HA & Riba HK (2001) Oral Clearance and acid production of dairy products during interaction with sweet foods. Annals of Nutrition and Metabolism 45; 202-8
12. Gedalia I et al. (1992) Effect of hard cheese exposure, with and without fluoride pre-rince, on the rehardening of softened human enamel. Caries Research 26; 290-292.
13. Lewinstein I, Ofek L and Gedalia I (1993) Enamel rehardening by soft cheeses. American Journal of Dentistry 6; 46-48.
14. Moynihan P (2000) Foods and factors that protect against dental caries. Nutrition Bulletin 25; 281-286.
15. Briet F, Pochart P, Marteau P, Flourie B, Arrigoni E, and Rambaud J C (1997). Improved clinical tolerance to chronic lactose ingestion in subjects with lactose intolerance: a placebo effect? Gut 41; 632-635.
16. Goldberg JP et al (1990) Appropriate topics for nutrition education in the elderly. J. Nutr. Educ 22; 303.

Artigo baseado em informações do site do The Dairy Council, do Reino Unido (www.milk.co.uk).

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SEBASTÃO RIBEIRO MIRA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO

EM 30/08/2016

Sebastião Ribeiro Mira

Campo Grande - Rio de Janeiro - RJ



Devido à outras complicações digestivas por má função da pancreatina, tenho restrições para ingerir produtos lácteos e principalmente os queijos que gosto muito. A orientação do meu médico é que fosse ao longo do tempo experimentando alguns tipos de queijos em pequenas porções. Assim tenho feito e descobrindo a cada dia que o meu organismo já tolera alguns tipos; tais como o coalho, parmesão, cheddar e mussarela.

Este artigo me ajudou muito e me fez feliz por poder comer alimentos tão importantes.       
REINALDO R. NOGUEIRA

BARRA MANSA - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 29/05/2009

Este trabalho, a meu ver, vem confirmar a importância do leite e seus derivados na alimentação do homem, pois apresenta mais uma opção rica em proteinas, vitaminas e sais minerais que sâo essenciais a fisiologia do homem.
Parabéns Juliana.
MilkPoint AgriPoint