ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Inflação termina 2016 com avanço de 6,29%, abaixo do teto da meta do governo

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminou 2016 com elevação de 6,29%, abaixo do teto da meta do governo, de 6,5% ao ano, informou o IBGE nesta quarta-feira, 11. O resultado ficou abaixo do IPCA de 2015 (+10,67%) e de 2014 (+6,41%). O grupo dos alimentos foi o que mais pesou na inflação do ano passado, mas, isoladamente, só os planos de saúde, com alta de 13,55%, responderam por 0,45 ponto porcentual do IPCA.

Em dezembro, o IPCA subiu 0,30%, uma aceleração em relação ao resultado de novembro (+0,18%). Os itens que mais pressionaram a inflação no último mês de 2016 foram passagens aéreas (aumento de 26,29%), gasolina (aumento de 1,75%), e cigarros (aumento de 4,80%). Ainda assim, o IPCA de dezembro foi o mais baixo para esse mês desde 2008 (0,28%).
inflação - 2016 - IPCA

Apesar de ter ficado, em média, na margem de tolerância, o IPCA furou os 6,5% em sete das 13 regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE. O maior resultado foi registrado em Fortaleza, onde os aumentos de preços alcançaram 8,34% em 2016, seguida por Campo Grande (7,52%); Recife, 7,10%; Porto Alegre, 6,95%; Belém, 6,77%; Salvador, 6,72%; e Belo Horizonte, 6,60%. 

O encarecimento dos alimentos, que respondem por 25% do IPCA, foi o que puxou os resultados da inflação no mês e no ano. O IBGE destaca que, em um ano em que a produção agrícola ficou 12% abaixo da colhida em 2015, o consumidor passou a pagar, em média, 8,62% mais caro do que em 2015 para adquirir alimentos. Os alimentos para consumo em casa subiram 9,36%, enquanto a alimentação consumida fora de casa subiu 7,22%.  

O grupo de saúde e cuidados pessoais foi o com maior alta acumulada no ano (11,04%) e o único dos nove pesquisados pelo IBGE cujos preços subiram mais em 2016 do que em 2015. A maior pressão veio das mensalidades dos planos de saúde (13,55%), a maior alta desde 1997, seguidos pelos remédios (+,12,5%, maior elevação desde 2000).

Nesta quarta-feira, 11, o Banco Central também decide a taxa básica de juros da economia, a Selic. A expectativa do mercado é de um corte de 0,50 ponto porcentual do juro, embora boa parte do mercado já projete uma redução de 0,75 ponto.

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, tem reiterado que seu objetivo é o levar a inflação para o centro da meta em 2017 e, recentemente, afirmou que ela está declinando no Brasil e as expectativas estão bem ancoradas, abrindo espaço para afrouxamento monetário.  O BC começou a reduzir a Selic em outubro passado e, de lá para cá, fez dois cortes de 0,25 ponto percentual cada, para os atuais 13,75%. Mas recebeu algumas críticas de que poderia ter sido mais ousado diante da forte recessão econômica.

Baixa renda

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), conhecido como "inflação da baixa renda", subiu 0,14% em dezembro, após ter registrado alta de 0,07% em novembro. Como resultado, o índice encerrou 2016 com uma elevação acumulada de 6,58%.

O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos e chefiadas por assalariados. 

As informações são do jornal O Estado de São Paulo e da Reuters. 
 

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.