FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Governo estuda criar fundo para baixar risco de crédito

Encarado como um embrião para amenizar problemas causados pelo endividamento agrícola, o governo estuda criar um "Fundo de Aval Solidário" para viabilizar um renegociação de dívidas de até R$ 5 bilhões do setor rural com bancos e fornecedores. A iniciativa, em um primeiro momento, busca facilitar o acesso de produtores rurais ao " BNDES Pro-CDD AGRO", linha criada em 2018 com aporte do mesmo montante.

Até agora, essa linha teve baixa adesão por conta da percepção de risco elevado pelos bancos repassadores e também pelo fato de os produtores consideraram os juros altos. O fundo ainda precisa ser finalizado pelo governo, mas a ideia é futuramente massificar o modelo para todo o setor agrícola, que é considerado uma atividade de alto risco.

Se for bem sucedida, a iniciativa dará maior poder de negociação para os produtores rurais com seus credores, avaliou o subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, Rogério Boueri, em entrevista ao Valor. Além disso, explicou o secretário, será um passo no desenvolvimento de um sistema de financiamento ao agronegócio mais calçado no mercado, com juros livres mais baixos e menor risco.

Boueri vem negociando a criação do fundo com representantes de cadeias produtivas do agronegócio. Ele afirmou que recebeu sinal positivo de interlocutores, inclusive da cadeia de fornecedores. A proposta já foi apresentada à bancada ruralista, a entidades de produtores e também ao Ministério da Agricultura.

A linha para renegociação de dívida do BNDES tem juros de TLP mais 4,5% ao ano (1,5% do BNDES e 3% do banco operador). Até hoje, essa linha teve apenas um contrato de financiamento, no valor de R$ 30 milhões. Ela não conta com equalização do Tesouro, prevê 12 anos para pagamento e carência de três anos.

A ideia do fundo de aval é estimular a criação de consórcios com até dez produtores que possam oferecer aos bancos um grande "colchão" com três camadas de garantias, equivalentes a 10% do valor total do financiamento. Enquanto os agricultores depositariam 4% do valor do financiamento almejado, seus fornecedores (bancos, tradings, agroindústrias) entrariam com outros 4% e o BNDES com mais 2%.

A ideia é que as garantias sejam executadas de forma progressiva em caso de inadimplência, ou seja, a segunda camada só seria acionada se a inadimplência demandasse execução de mais de 4% do valor depositado de garantias.

"Com o fundo oferecendo uma garantia a mais, os produtores conseguiriam reduzir riscos e os bancos vão olhar com outros olhos para a operação", disse Boueri. "É uma inovação que pode depois ser estendida para outras operações de crédito rural que não sejam de renegociação de dívidas. Estamos também buscando soluções para o crédito rural aproveitando a taxa Selic baixa e as novas diretrizes de governo. Achamos o fundo interessante", afirmou.

Atualmente, quando há frustrações de safra por conta de intempéries, o Tesouro socorre os produtores injetando dinheiro nas operações de renegociação de dívidas contraídas com crédito rural a juros controlados. Essa é uma realidade que a equipe de Paulo Guedes quer combater.

Mas a criação do fundo não será uma tarefa fácil, sobretudo porque prevê a participação dos "credores" dos produtores. "Já acionamos elos da cadeia produtiva agrícola. Nenhum deles afirmou que vai entrar, mas todos gostaram da ideia", afirmou o secretário do ministério.

Na visão da Secretaria de Política Econômica, o sistema de aval sobrecarrega menos os bancos em termos de exigência de provisões e capital. Isso abriria espaço para uma redução da taxa de juros que os bancos repassadores cobram na linha do BNDES, num primeiro momento.

Essa expectativa é a que mais agradou segmentos do setor agropecuário. A Aprosoja Brasil, associação que representa os produtores de soja, e a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) se manifestaram a favor. "Com o fundo, a ideia é que a linha do BNDES possa até ser ampliada. Com esse recurso, o produtor pode quitar seus credores e se habilitar para tomar crédito novo", disse o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), coordenador da comissão de endividamento agrícola da FPA.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.