ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Governo brasileiro suspende a importação de animais vivos e carne bovina do Paraguai

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/09/2011

3 MIN DE LEITURA

0
0
O Brasil anunciou ontem (20) a suspensão temporária da importação de animais vivos e de carne in natura provenientes do Paraguai. A mesma medida foi adotada pela Argentina e pelo Uruguai, após a confirmação de um foco de febre aftosa no departamento de San Pedro. A restrição às importações afetam o mercado interno, pois até julho deste ano a entrada de carne bovina paraguaia somou 5,5 mil toneladas, totalizando US$ 29,1 milhões.

Nas estatísticas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, em inglês), o Paraguai ocupa o sétimo lugar entre os principais países exportadores, com previsão de embarque de 310 mil toneladas neste ano. O Brasil, que lidera o mercado mundial, deve exportar 1,6 milhão de toneladas em 2011.

A justificativa apresentada pelo Ministério da Agricultura para barrar a carne paraguaia é que a medida tem o objetivo de "proteger o patrimônio pecuário brasileiro e garantir a manutenção do status sanitário alcançado ao longo dos últimos anos". O governo brasileiro diz que está acompanhando a aplicação, pelas autoridades paraguaias, das medidas para o controle, erradicação e investigação do caso de aftosa.

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, diz que a situação no Brasil está tranquila e que a fiscalização está sendo intensificada na região de fronteira. O secretário executivo da Pasta, José Carlos Vaz, diz que as medidas adotadas até o momento são suficientes para impedir a entrada do vírus no território nacional. "Estamos em alerta, com apoio dos governos estaduais e das Forças Armadas. Estamos monitorando e, se necessário, iremos reforçar as medidas."

Boiadas de pecuaristas brasileiros e paraguaios estão sendo barradas na divisa seca entre Mato Grosso do Sul e Paraguai. O trânsito de animais está proibido para saída ou entrada no país vizinho. Forças Armadas vigiam a fronteira, ajudando as autoridades sanitárias, disse o governador do Mato Grosso do Sul (MS), André Puccinelli. Segundo ele, tropas do Exército, da Marinha e da Aeronáutica confirmaram participação ativa no trabalho de defesa sanitária. "Além das Forças Armadas, reforçamos a fiscalização aumentando o número de agentes sanitários nos postos de fiscalização. Também contamos com forças policiais do Estado."

O governador explicou que, na sexta-feira, foi desencadeada a Operação Ágata 1 na região de fronteira. "Entre as missões predeterminadas na operação, Exército, Marinha e Aeronáutica concordaram em atuar também no bloqueio sanitário, impedindo a entrada ilegal de gado. Calculamos que do local do foco de aftosa no Paraguai, até o centro do município de Amambaí (MS), um caminhão de bois poderá gastar no máximo 3 horas."

O vai e vem de bovinos entre o Mato Grosso do Sul e os municípios paraguaios que fazem divisa com o Estado, já resultou em um dos maiores surtos de aftosa. Em 2005, a doença obrigou a interdição das fazendas de pecuária de 11 cidades no extremo sul do Estado. Na ocasião foram sacrificados quase 36 mil animais, o comércio na região entrou em crise com a falta de clientes e desemprego. O resultado final das análises concluiu que a contaminação veio do Paraguai.

A confirmação do foco de aftosa no Paraguai levou a Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) a promover reuniões de esclarecimento das ações realizadas pelo Ministério da Agricultura. Junto com os sindicatos rurais da região de fronteira com o Paraguai, a Famasul realizará amanhã encontros nas cidades de Bela Vista, Ponta Porã e Eldorado. Na sexta-feira, a reunião será realizada em Amambai.

Horário Tinoco, médico veterinário da Famasul, disse que a intenção é esclarecer os fatos, explicar quais ações estão sendo tomadas e orientar sobre como o produtor rural pode contribuir para que a situação permaneça sob controle no Estado. Além dos criadores de gado, devem participar da reunião os frigoríficos, as transportadoras de gado, as secretarias de agricultura e pecuária dos municípios, os conselhos municipais de Saúde Animal, médicos veterinários da iniciativa privada e lideranças de assentamentos.

A mobilização envolve ainda os municípios de Porto Murtinho, Caracol, Antônio João, Mundo Novo, Japorã, Iguatemi, Sete Quedas, Paranhos, Tacuru, Coronel Sapucaia e Aral Moreira. A região da fronteira, que integra a Zona de Alta Vigilância, detém 800 mil das 20 milhões cabeças de gado no Estado.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo, adaptadas e resumidas pela Equipe AgriPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint