ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Comida di Buteco de 2012: queijo será o destaque do festival deste ano

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/03/2012

4 MIN DE LEITURA

0
0
A mais tradicional iguaria mineira, o "queijim", vai ser aquecida nos fogões do festival Comida di Buteco de 2012. Os 41 bares participantes do evento vão consumir cerca de 41 toneladas de queijo para preparar os tira-gostos da badalada festa este ano. Isso significa que os fornecedores vão embolsar R$ 615 mil só com a venda do produto que será o ingrediente de destaque do evento. A estimativa dos organizadores é de que os bares que vão participar do Comida di Buteco vendam cerca de 100 mil tira-gostos ao longo dos 30 dias da festa, que começa em 13 de abril. Os pratos costumam representar 30% do faturamento dos bares participantes e vão ter preço máximo de R$ 22,90.

Os organizadores do Comida di Buteco ainda guardam segredo dos cardápios envolvendo a iguaria mineira. Mas o gastrônomo e idealizador do evento, Eduardo Maya, avisa que terá pratos que vão surpreender, como o angu com queijo. Os concorrentes deste ano podem optar por três variedades do queijo de minas: frescal, padrão ou artesanal. "O objetivo do concurso é incentivar a culinária de raiz. E o queijo é versátil. Pode ser usado como sobremesa, entrada, recheado, grelhado.", diz. Para buscar inspiração nos pratos, os donos dos butecos foram às principais regiões produtoras, como Serro, Cerrado, Araxá, Canastra e São João del-Rei. O quilo do "queijim" está sendo vendido pelos fornecedores por R$ 15 aos donos dos butecos.

O estado conta hoje com cerca de 63 municípios que produzem queijo de minas artesanal que incluem as regiões da Canastra, de Araxá, do Serro, Cerrado e Campos das Vertentes. A produção fica em torno de 30 mil toneladas ao ano, informa Marinalva Soares, coordenadora técnica do Programa Queijo Minas da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater). "O maior problema que enfrentamos é que a maioria desses produtores ainda não está legalizada. Temos tentado dar uma assistência técnica, mas o processo é demorado. Há falta de recurso financeiro para a adequação das queijarias", diz.

Profissionalização

Na região do Serro, o número de trabalhadores e a produção deu um salto nos últimos 10 anos. As pessoas envolvidas na atividade passaram de 4,5 mil (entre empregos diretos e indiretos) para 8 mil, segundo Jorge Brandão Simões, presidente da Associação dos Produtores de Queijo Artesanal do Serro. A região conta com cerca de 95 produtores em 10 municípios. O queijo do Serro é caracterizado por ser pequeno e macio, ter cura menor e maior acidez. Na região são produzidos 10 mil quilos de queijo por dia.

O quilo do produto no Serro é vendido por cerca de R$ 9,50. "Tinha que ser comercializado por pelo menos R$ 15. Mas ainda há muita pirataria e falta de compromisso com a produção. Queremos que ele possa ser vendido para fora do estado, pois é a mola da economia da região", afirma Simões.

Enquanto produtores querem aumentar a produção e exportar, outros levam a ferro e fogo o lema de que "menos é sempre mais". É assim que José Baltazar da Silva, o Zé Maria, faz a gestão da sua fazenda junto com sua mulher, Waldete Aparecida da Silva, e dois filhos. A família tem um hábito bem peculiar: eles não fazem compras no supermercado. Tudo que é consumido na casa é produzido dentro da própria fazenda, como verduras, legumes, arroz, feijão, gordura de porco e . é claro, o tradicional "queijim".

Mesmo depois de tanto tempo na atividade, Zé Maria nunca quis expandir a produção. Ele produz apenas de oito a 10 queijos por dia. E o preço é salgado: R$ 25 o quilo, mais de três vezes o valor cobrado pela concorrência local, em torno de R$ 7 a R$ 12. "Se a procura é maior do que a oferta, você mantém o preço, e quando sobe o consumidor aceita", explica Zé Maria. O queijo feito por ele ganhou concurso na SuperAgro Minas do ano passado como o melhor canastra. E ele garante que o segredo do "gostim danado de bom" está na fabricação e na maturação.

Indústria fatura R$ 3 bi por ano

A produção industrial de queijo em Minas Gerais conta hoje com 800 empresas, que fabricam 250 mil toneladas do produto por ano - 40% do total nacional. O faturamento anual dessas indústrias no estado chega a R$ 3 bilhões. E o volume de queijo produzido vem dando altos saltos. Para ter ideia, em 2005 ele girava em torno de 185 mil toneladas. O crescimento superou os 35% em sete anos. "A cadeia tem procurado capacitar a produção primária, produzindo leite com mais higiene", diz Celso Costa Moreira, diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg).

Ele ressalta que o queijo, além de ser saboroso, tem grande valor nutritivo e quantidade de cálcio. "A história do queijo mineiro é antiga. Desde a época das bandeiras, em que os portugueses vieram aqui e encontraram condições semelhantes às suas origens para a produção de queijo. Eles trouxeram vacas e deram início à nossa produção e ao gosto pelo produto."

A grande batalha do estado agora é para conseguir levar o queijo artesanal para fora de suas fronteiras. A polêmica foi tão forte que foi retratada pelas lentes do cineasta Helvécio Ratton no filme O mineiro e o queijo. Mas os produtores de São Roque de Minas conseguiram amenizar a situação e levaram o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a publicar instrução normativa no Diário Oficial da União (DOU) com critérios mais flexíveis para comercialização do queijo artesanal, possibilitando, inclusive, a venda do produto fresco para outros estados e até mesmo para o exterior. (GC)

A reportagem é do Estado de Minas, adaptada pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint