ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Bilhões de bocas nos países emergentes representam desafio ao setor de lácteos



Maury Leyland, diretora gerente de pessoas, cultura e estratégia da Fonterra Co-operative Group, disse que, hoje, 760 bilhões de litros são produzidos por ano e que, até 2023, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a demanda global por leite aumentará para 900 bilhões de litros. “Temos um problema”, disse ela. “Se continuarmos os negócios do modo que estamos habituados, nunca conseguiremos suprir a crescente demanda”.

O principal motivo é uma população global crescente, que deverá alcançar 9,6 bilhões até 2050. “São muitas bocas para alimentar”. O consumo de carnes aumentará em 73% e o consumo de lácteos dobrará. “A única resposta é expandir a oferta, especialmente nas economias emergentes e em desenvolvimento, onde sabemos que a demanda crescerá mais rapidamente”.

Mais de 4,4 bilhões de pessoas vivem na Ásia – mais de dois terços da população mundial – e os governos querem garantir que uma porção razoável de suas demandas de alimentos possa ser suprida localmente.

“Temos o dever de compartilhar nossa experiência com lácteos e assistir no desenvolvimento de indústrias de lácteos robustas em todo o mundo. A produção rural é um negócio e, para ser sustentável, precisa ser lucrativa. Nós usamos nossa experiência como líder global na produção leiteira responsável, nutrição e excelência em lácteos para ajudar as indústrias de lácteos em redor do mundo a crescer”, continua Leyland. “Ao possibilitar produtores locais de produzirem mais leite, fazendo isso de forma lucrativa e segura, estamos ajudando países a desenvolverem indústrias de lácteos viáveis e sustentáveis. Podemos ajudar países a suprir sua crescente demanda doméstica, que é tão importante para a segurança alimentar e acesso aos lácteos para nutrição. Todos ganham – e isso é algo que estamos vendo em primeira mão em países nos quais estamos trabalhando lado a lado com a indústria de lácteos local”.

Ela citou o exemplo do Sri Lanka, um importante mercado de exportação para a Fonterra e um país onde a empresa também obtém leite de cerca de 4.000 produtores locais. “No Sri Lanka, uma fazenda leiteira típica tem um rebanho de apenas quatro vacas. A produção de leite tende a ser baixa devido à má nutrição e às lentas taxas de crescimento de vacas de reposição”.

Desde 2013, a Fonterra tem trabalhado com um grupo piloto de produtores e fornece a eles suporte sobre nutrição animal. Menos de dois anos depois, 50% das fazendas do piloto estão cultivando pastagem com alto valor nutricional e os produtores conseguiram aumentos de 40 a 60% na produção de alimentos para os animais, taxas de crescimento e volume de leite. Agora a Fonterra está trabalhando para transferir o conhecimento desse piloto a outros fornecedores.

Na China, a Fonterra possui dois polos de produção, com 24.000 vacas leiteiras. “Até 2025, nosso objetivo é produzir um bilhão de litros de leite seguro e de alta qualidade por ano dessas fazendas para nossos clientes chineses. Nossas fazendas empregam cerca de 250 funcionários locais, que estão sendo treinados em conhecimento dentro e fora da porteira”, a diretora afirma.

Na Austrália, a Fonterra coleta cerca de 1,6 bilhão de litros de leite por ano. Há 15 anos, as bacias leiteiras da Austrália e Nova Zelândia eram aproximadamente do mesmo tamanho, cada uma produzindo cerca de 10 bilhões de litros de leite por ano. Hoje, a bacia da Austrália caiu para 9,23 bilhões de litros, enquanto, no ano passado, a Nova Zelândia produziu 20,6 bilhões de litros de leite.

“Acreditamos que há uma capacidade significativa para crescimento no setor lácteo australiano. A melhor forma de alcançar esse crescimento é encorajando nossos produtores a fazer o que eles fazem de melhor – produzir leite seguro e de alta qualidade. E nosso papel é ajudar nossos produtores a ter negócios lucrativos, de forma que eles tenham confiança para investir de volta na fazenda e no crescimento”. “Na Austrália, fazemos isso através dos programas Fonterra SupportCrew e GroPlan, que fornecem a nossos produtores conselhos e suporte que necessitam para construir e aumentar seus negócios. Desde a introdução do programa SupportCrew, nós, coletivamente, vimos mais de A$ 2 milhões (US$ 1,52 milhões) retornando aos nossos produtores – dinheiro que pode ser usado para reinvestir no negócio”.



“Nós acreditamos firmemente que podemos aumentar a bacia leiteira australiana, do mesmo modo que fizemos em outros locais do mundo. Independentemente de onde operamos, temos dois direcionadores básicos: leite de alta qualidade e modelo de negócios lucrativo e sustentável. A estratégia da Fonterra é aumentar o volume de leite que vendemos e agregar valor ao leite para gerar um retorno lucrativo e sustentável para todos da cadeia de fornecimento”.

Leyland afirma que colocam em prática um modelo integrado – do pasto ao copo – de forma que a confiança e a segurança alimentar são construídas na cadeia de fornecimento do começo ao fim. Isso faz sentido comercialmente, faz sentido para as comunidades onde trabalham e faz sentido para o mundo onde a demanda por lácteos para nutrição está crescendo.

O artigo é do The Australian, traduzido pela Equipe MilkPoint.

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.