ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Benefícios do soro do leite para a saúde

POR JULIANA SANTIN

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/03/2004

31
0
O soro do leite, um subproduto da fabricação de queijos, está sendo reconhecido como um ingrediente de valor agregado em muitos produtos alimentícios, incluindo produtos lácteos, carnes, pães, doces, aperitivos e bebidas, devido às recentes descobertas de suas propriedades funcionais e bioativas. O aumento do conhecimento sobre os potenciais benefícios do soro de leite para a saúde pode levar a uma futura expansão de seu uso em alimentos funcionais para indivíduos que buscam uma boa saúde. Trata-se, portanto, de um produto com um mercado potencial por ter grande aplicação em alimentos voltados à melhoria da saúde e da boa forma.

Todo o potencial de promotor de saúde do soro do leite e de seus componentes específicos ainda está começando a ser descoberto, sendo necessárias ainda mais pesquisas para sua completa elucidação. No entanto, conhecimentos adquiridos com os estudos feitos até então mostram parte deste potencial e abrem oportunidades para novas pesquisas.

O soro do leite e seus componentes

O soro do leite contém proteínas, lactose, minerais (cálcio, fósforo, magnésio, zinco), vitaminas, e traços de gordura do leite. A composição dos produtos do soro do leite varia de acordo com a fonte de leite, o tipo de queijo fabricado e o processo de fabricação. Há dois tipos básicos de soro do leite: soro do leite doce e soro do leite ácido. O soro do leite doce, derivado da fabricação de queijos produzidos com enzimas, como cheddar, mussarela ou queijo suíço, é responsável pela maioria da produção de soro do leite dos Estados Unidos. O soro do leite ácido é obtido da fabricação de queijo cottage, queijo cremoso ou ricota.

Devido aos seus altos custos de transporte e à susceptibilidade à deterioração durante a estocagem, o soro do leite fresco fluido pasteurizado é raramente usado em alimentos, sendo principalmente concentrado por evaporação, osmose reversa ou ultrafiltração para produtos condensados ou maximamente concentrados por secagem. A partir do soro do leite são produzidos: (a) soro de leite em pó; (b) proteínas concentradas de soro do leite; (c) proteínas isoladas do soro do leite; (d) soro do leite com lactose reduzida; e (e) soro do leite desmineralizado.

A proteína concentrada do soro do leite contém altos níveis protéicos, ficando tipicamente em torno de 34% a 85%. Este produto contém alguma lactose, gordura e minerais. Com o aumento do teor protéico, a porcentagem de lactose na proteína concentrada do soro do leite decresce. A proteína isolada do soro do leite, que é menos comum do que a proteína concentrada do soro do leite, contém pelo menos 90% de proteína em uma base de peso seco e pouco, se não nada, de lactose ou gordura. Além disso, a proteína isolada do soro do leite pode ser aquecida com um ácido ou tratada com enzimas proteolíticas para formar as proteínas hidrolisadas do soro do leite. Como resultado de novas tecnologias, uma variedade de aminoácidos biologicamente ativos, peptídeos e frações podem ser isolados da proteína do soro do leite.

Dentre os componentes do soro do leite, a proteína, que constitui aproximadamente 20% da proteína total do leite, atualmente possui o maior valor. Devido ao seu conteúdo de aminoácidos essenciais, o valor biológico das proteínas do soro do leite é alto comparado com outras proteínas da dieta. As proteínas do soro do leite têm proporcionalmente mais aminoácidos sulfurados (cisteína, metionina) do que a caseína, que é quase desprovida de aminoácidos sulfurados. O aminoácido essencial cisteína é importante para a biossíntese de glutationa, um tripeptídeo com propriedades antioxidante, anticarcinogênico e estimuladora do sistema imunológico. As proteínas do soro do leite também são boas fontes de aminoácidos de cadeia ramificada, isoleucina, leucina e valina. Aminoácidos de cadeia ramificada são importantes porque ajudam a minimizar os danos musculares sob condições de aumentado colapso protéico, o que torna o soro do leite particularmente benéfico para os atletas. Além disso, comparadas com a caseína, as proteínas do soro do leite são proteínas "rápidas", que rapidamente deixam o estômago e transitam para o intestino. Esta característica única das proteínas do soro do leite contribui para a retenção delas e da bioatividade peptídica dentro do intestino.

Dentre as proteínas do soro do leite estão beta-lactoglobulina, alfa-lactoalbumina, imunoglobulinas, albumina sérica bovina, lactoferrina e lactoperoxidase, bem como glicomacropeptídeo. Esta última é uma proteína derivada da caseína liberada no soro do leite durante a fabricação de queijos.

Potencial de melhoria da saúde do soro do leite e de seus componentes

Além de fornecer nutrientes essenciais, o soro do leite é uma fonte de fatores tróficos não essenciais que são capazes de melhorar a saúde do consumidor e prevenir doenças. Descobertas feitas a partir de pesquisas in vitro, experimentos animais e com estudos limitados feitos com seres humanos sugerem que o soro do leite, particularmente as proteínas, apresentam as seguintes bioatividades benéficas:

(a) Atividades antimicrobiana e antiviral

O soro do leite contém vários componentes que podem proteger contra toxinas, bactérias e vírus. Estes componentes incluem imunoglobulinas (Igs), lactoferrina e seu peptídeo derivado, lactoferricina, lactoperoxidase, glicomacropeptídeo e esfingolipídios. Descobertas in vitro indicam que os esfingolipídios, a esfingosina e a liso-esfingomielina, derivados do soro do leite, têm atividades antimicrobianas. A lactoferrina e a lactoferricina inibem uma série de microrganismos, incluindo bactérias gram-negativas, bactérias gram-positivas, leveduras, fungos e protozoários parasíticos. A lactoferrina mostrou a capacidade de inibir o crescimento de alguns microrganismos patogênicos, envolvidos em intoxicações alimentares, como a E.coli e a Listeria monocytogenes.

Atividade antiviral foi descrita para vários componentes do soro do leite, incluindo lactoferrina, lactoperoxidase, imunoglobulinas e em proteínas menores do soro do leite. A lactoferrina tem uma significante atividade antiviral contra o vírus da imunodeficiência humana (HIV), o herpes vírus, o vírus da hepatite C, entre outros. A lactoferrina mostrou uma considerável ação inibitória contra o HIV, enquanto o efeito da lactoferricina sobre esse vírus se mostrou modesto. Recentes testes clínicos têm demonstrado que a ingestão de fórmulas de proteínas do soro do leite ricas em cisteína beneficia pacientes com AIDS. Tanto em estudos de curto prazo (duas semanas), como nos de longo prazo (seis semanas), a suplementação com fórmulas de proteínas do soro do leite aumentaram os níveis de glutationa plasmática nos pacientes infectados pelo HIV. Além disso, o tratamento foi bem tolerado. Outro efeito observado foi que a ingestão de suplementos de proteína do soro do leite rica em cisteína aumentou o ganho de peso, reduzindo a ocorrência de efeitos colaterais gastrointestinais e melhoraram a tolerância à terapia anti-retroviral em pacientes HIV positivos.

(b) Atividade de imunomodulação

Proteínas concentradas do soro do leite, proteínas isoladas do soro do leite, lactoferrina, lactoperoxidase, imunoglobulinas e glicomacropeptídeo são exemplos de produtos do soro do leite e de seus componentes que mostram participação no sistema imunológico. A lactoferrina é secretada pelos neutrófilos e pode estimular o crescimento de várias células de defesa do sistema imune, incluindo linfócitos, macrófagos/monócitos, resposta imune humoral e respostas de anticorpos. Estudos recentes em animais de laboratório apóiam o afeito imumoestimulatório da lactoferrina. Em humanos, a aumentada resposta imune foi recentemente demonstrada em pacientes que receberam lactoferrina antes de uma cirurgia na tireóide. Um estudo recente em ratos mostrou que as proteínas concentradas do soro do leite melhoram as repostas imunes humorais a uma variedade de antígenos, como o influenza e vacinas de poliomielite. O sistema antioxidante glutationa é um fator crítico no desenvolvimento da resposta imune feita por células do sistema imune.

(c) Atividade anticâncer

Evidências crescentes de modelos celulares e animais indicam que o soro do leite, suas proteínas (lactoferrina, lactoperoxidase, alfa-lactoalbumina, albumina sérica bovina) e peptídeos, bem como outros componentes do soro do leite podem proteger o organismo contra alguns tipos de cânceres. Em animais de laboratório, dietas contendo soro do leite mostraram redução em câncer intestinal, mamário e de cólon. Pesquisadores na Austrália recentemente informaram o decréscimo nos níveis no foco anormal de cripta, sinalizadores pré-câncer, no cólon proximal de ratos alimentados com proteínas concentradas do soro do leite e tratados com carcinogênicos químicos. Em um estudo in vitro, proteínas isoladas do soro do leite melhoraram a efetividade de drogas anticâncer.

Entre proteínas individuais do soro do leite, foi dada atenção ao efeito inibitório do câncer da lactoferrina e da lactoferricina. Em animais de laboratório que receberam carcinogênicos químicos, a lactoferrina bovina mostrou inibição significante nos cânceres de cólon, esôfago, pulmão e bexiga quando administrada oralmente no estágio pós-inicial. Um estudo recente in vitro mostrou que a lactoferrina exerce uma significativa atividade citotóxica contra três linhas de células cancerosas por um mecanismo antitumor direto.

As propriedades anticâncer da proteína bovina do soro do leite podem ser atribuídas à sua capacidade de aumentar os níveis celulares de glutationa, um antioxidante. Quando as células epiteliais da próstata foram tratadas com proteínas isoladas do soro do leite, os níveis intracelulares de glutationa aumentaram dramaticamente. Os efeitos anticâncer do soro do leite podem ser explicados pela capacidade da glutationa de melhorar o sistema imunológico. Outros componentes, como esfingomielina e CLA nos lipídios do soro do leite, bem como o cálcio, podem contribuir para as propriedades protetoras contra o câncer do soro do leite. A esfingomielina e outros esfingolipídios suprimiram o desenvolvimento de tumor de cólon em experimentos com animais. Uma série de estudos sugere um papel benéfico do cálcio contra alguns cânceres.

(d) Saúde cardiovascular

O soro do leite contém componentes bioativos que podem afetar positivamente a saúde cardiovascular. Por exemplo, os peptídeos derivados do soro do leite podem proteger contra hipertensão, inibir a agregação plaquetária e reduzir os níveis de colesterol no sangue. Os peptídeos do soro do leite também mostraram capacidade de inibir a atividade da enzima conversora de angiotensina (ACE). A ACE converte o hormônio inativo angiotensina I em angiotensina II, que promove a contração vascular na musculatura lisa, aumentando, desta forma, a pressão sangüínea. Uma série de proteínas derivadas do soro do leite inibidoras da ACE (alfa-lactoalbumina, beta-lactoglobulina) foi identificada. Estudos preliminares recentes em humanos mostraram que a ingestão de proteínas específicas hidrolisadas isoladas do soro do leite com peptídeos bioativos por seis semanas reduziu a pressão sangüínea em adultos hipertensivos não tratados.

Algumas proteínas do soro do leite também podem afetar a coagulação sangüínea. Experimentos in vitro e com animais sugerem que os peptídeos derivados de glicomacropeptídeo e de lactoferrina podem inibir a agregação plaquetária e a trombose. Além disso, as proteínas do soro do leite podem reduzir os níveis de colesterol sangüíneo ou ter efeitos favoráveis nos níveis de lipídios do sangue.

(e) Performance física

O soro do leite e seus componentes oferecem vários benefícios para indivíduos que praticam exercícios físicos regularmente, de acordo com revisões recentes. As proteínas do soro do leite são facilmente digestíveis e de alta qualidade, com uma proporção relativamente alta de aminoácidos de cadeia ramificada como leucina. Estes aminoácidos fornecem fonte de energia durante a execução de exercícios, o que permite que os atletas treinem mais intensivamente por longos períodos de tempo. A abundância de leucina no soro do leite tem um papel na síntese de proteínas musculares. Além disso, proteínas do soro do leite são ricas em aminoácidos arginina e lisina que podem aumentar a liberação de hormônio de crescimento, um estimulador do crescimento muscular. Compostos bioativos isolados de proteínas do soro do leite (lactoferrina, lactoferricina) também podem aumentar a função imunológica e a saúde gastrointestinal, bem como reduzir o excesso de produção de radicais livres em atletas quando treinos intensivos comprometem estes sistemas.

(f) Outros benefícios

Estudos sugerem outros potenciais benefícios do soro do leite e seus componentes para a saúde. Estudos in vitro e in vivo feitos no Japão demonstraram que a proteína básica do leite, um componente das proteínas do soro do leite bovino, aumenta a densidade mineral dos ossos, primariamente pela supressão da reabsorção óssea. Um recente estudo in vitro em cultura de células de coelho mostrou que a lactoferrina reduz a quebra óssea. Alguns componentes do soro do leite (proteose-peptones) podem proteger contra a desmineralização do tecido dentário, e outros componentes, devido a seus efeitos imunoestimulatórios, podem ter efeitos favoráveis na placa dentária. Um recente estudo humano, utilizando placebo como controle, mostrou que a alfa-lactoalbumina, uma proteína do soro do leite bovino com alto teor de triptofano (precursor da serotonina), melhorou a performance cognitiva em indivíduos vulneráveis ao estresse.

Referências

1. U.S. Dairy Export Council. Reference Manual for U.S. Whey And Lactose Products. Arlington, VA: U.S. Dairy Export Council, 2003. www.usdec.org/publications/PubDetail.cfm?ItemNumber=587

2. Walzem, R.L., C.J. Dillard, and J.B. German. Crit. Rev. Food Sci. & Nutr. 42: 353, 2002.

3. Harper, W.J. Biological Properties of Whey Components. A Review. Chicago, IL: The American Dairy Products Institute, 2000 with updates 2001, 2003. www.adpi.org

4. International Dairy Federation. Whey. Proceedings of the Second International Whey Conference. Held in Chicago, USA, 27-29 October 1997. Brussels, Belgium: International Dairy Federation, 1998.

5. Schrezenmeir, J., H. Korhonen, C.M. Williams, et al. (Eds). Beneficial Natural Bioactive Substances in Milk and Colostrum. Br. J. Nutr. 84 (suppl. 1): 2000.

6. U.S. Department of Agriculture, Agricultural Research Service. USDA National Nutrient Database for Standard Reference. Release 16. 2003. www.nal.usda.gov/fnic/foodcomp/Data/SR16/sr16.html

7. Shah, N.P. Br. J. Nutr. 84: S3, 2000.

8. Boirie, Y., M. Dangin, P. Gachon, et al. Proc. Natl. Acad. Sci. 94: 14930, 1997.

9. Naidu, A.S. (Ed). Lactoferrin: Natural, Multifunctional, Antimicrobial. Boca Raton, FL: CRC Press, 2000.

10. Wakabayashi, H., M. Takase, and M. Tomita. Curr. Pharmaceut. Design 9: 1277, 2003.

11. Kussendrager, K.D., and A.C.M. van Hooijdonk. Br. J. Nutr. 84: S19, 2000.

12. Brody, E.P. Br. J. Nutr. 84: S39, 2000.

13. Vesper, H., E.-M. Schmelz, M.N. Nikolov-Karakashian, et al. J. Nutr. 129: 1239, 1999.

14. Schmelz, E.M., M.C. Sullards, D.L. Dillehay, et al. J. Nutr. 130: 522, 2000.

15. Belury, M.A. Annu. Rev. Nutr. 22: 505, 2002.

16. Miller, G.D., J.K. Jarvis, and L.D. McBean. Handbook of Dairy Foods and Nutrition. 2nd ed. Boca Raton, FL: CRC Press, Inc., 2000.

17. National Dairy Council. Dairy Council Digest 71(3): 13, 2000. www.nationaldairycouncil.org

18. Van Hooijdonk, A.C.M., K.D. Kussendrager, and J.M. Steijns. Br. J. Nutr. 84: S127, 2000.

19. Floris, R., I. Recio, B. Berkhout, et al. Curr. Pharmaceut. Design 9: 1257, 2003.

20. Sprong, R.C., M.F. Hulstein, and R. van der Meer. Antimicrob. Agents Chemother. 45(4): 1298, 2001.

21. Wakabayashi, H., N. Takakura, S. Teraguchi, et al. Microbiol. Immunol. 47(1): 37, 2003.

22. Kruzel, M.L., Y. Harari, C.-Y. Chen, et al. Inflammation 24: 33, 2000.

23. Takakura, N., H. Wakabayashi, H. Ishibashi, et al. Antimicrob. Agents Chemother. 47(8): 2619, 2003.

24. Ng, T.B., T.L. Lam, T.K. Au, et al. Life Sci. 69(19): 2217, 2001.

25. Van der Strate, B.W., L. Beljaars, G. Molema, et al. Antiviral Res. 52: 225, 2001.

26. Berkhout, B., J.L.B. Van Wamel, L. Beljaars, et al. Antiviral Res. 55: 341, 2002.

27. Iwasa, M., M. Kaito, J. Ikoma, et al. Am. J. Gastroenterol. 97: 766, 2002.

28. Arnold, D., A.M. DiBiase, M. Marchetti, et al. Antiviral Res. 53:153, 2002.

29. Pietrantoni, A., A.M. DiBiase, A. Tinari, et al. Antimicrob. Agents Chemother. 47: 2688, 2003.

30. Micke, P., K.M. Beeh, J.F. Schlaak, et al. Eur. J. Clin. Invest. 31: 171, 2001.

31. Micke, P., K.M. Beeh, and R. Buhl. Europ. J. Nutr. 41: 12, 2002.

32. Pacheco, L., T. Guilford, and T. Kwyer. J. Human Virology 5(1), 2002.

33. Cross, M.L., and H.S. Gill. Br. J. Nutr. 84: S81, 2000.

34. Actor, J.K., S.A. Hwang, M. Olsen, et al. Int. Immunopharmacol. 2: 475, 2002.

35. Artym, J., M. Zimecki, M. Paprocka, et al. Immunol. Lett. 89: 9, 2003.

36. Zimecki, M., A. Wlaszczyk, R. Wojiechowski, et al. Arch. Immunol. Ther. Exp. 49: 325, 2001.

37. Low, P.P., K.J. Rutherfurd, H.S. Gill, et al. Int. Immunopharmacol. 3: 393, 2003.

38. Bounous, G., and J.H. Molson. Anticancer Res. 23(2B): 1411, 2003.

39. Gill, H.S., and M.L. Cross. Br. J. Nutr. 84: S161, 2000.

40. McIntosh, G.H., G.O. Regester, R.K. LeLeu, et al. J. Nutr. 125: 809, 1995.

41. Hakkak, R., S. Korourian, S.R. Shelnutt, et al. Cancer Epidemiol. Biomark. Prev. 9: 113, 2000.

42. Hakkak, R., S. Korourian, M.J.J. Ronis, et al. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev. 10: 555, 2001.

43. Belobrajdic, D.P., G.H. McIntosh, and J.A. Owens. Cancer Lett. 198: 43, 2003.

44. Tsai, W.Y., W.H. Chang, C.H. Chen, et al. Nutr. Cancer 38: 200, 2000.

45. Tsuda, H., K. Sekine, K. Fujita, et al. Biochem. Cell Biol. 80: 131, 2002.

46. Eliassen, L.T., G. Berge, B. Sveinbjornsson, et al. Anticancer Res. 22: 2703, 2002.

47. Bounous, G. Anticancer Res. 20(6C): 4785, 2000.

48. Kent, K.D., W.J. Harper, and J.A. Bomser. Toxicology in Vitro 17: 27, 2003.

49. Parodi, P.W. Aust. J. Dairy Technol. 56: 65, 2001.

50. FitzGerald, R.J., and H. Meisel. Br. J. Nutr. 84: S33, 2000.

51. Pihlanto-Leppala, A., P. Koskinen, K. Piilola, et al. J. Dairy Sci. 67(1): 53, 2000.

52. Takano, T. Int. Dairy J. 8: 375, 1998.

53. Pins, J.J., and J.M. Keenan. Cardiovasc. Drugs & Therapy 16 (suppl. 1): 68 (abstr.), 2002.

54. Rutherfurd, K.J., and H.S. Gill. Br. J. Nutr. 84: S99, 2000.

55. Beena, A., and V. Prasad. J. Dairy Res. 64: 453, 1997.

56. Kawase, M., H. Hashimato, M. Hosoda, et al. J. Dairy Sci. 83: 255, 2000.

57. Ha, E., and M.B. Zemel. J. Nutr. Biochem. 14(5): 251, 2003.

58. Layman, D. J. Nutr. 133: S261, 2003.

59. Toba, Y., Y. Takada, J. Yamamura, et al. Bone 27: 403, 2000.

60. Aoe, S., Y. Toba, J. Yamamura, et al. Biosci. Biotechnol. Biochem. 65: 913, 2001.

61. Toba, Y., Y. Takada, Y. Matsuoka, et al. Biosci. Biotechnol. Biochem. 65: 1353, 2001.

62. Yamamura, J.-I., S. Aoe, Y. Toba, et al. Biosci. Biotechnol. 66: 702, 2002.

63. Lorget, F., J. Clough, M. Oliveira, et al. Biochem. Biophys. Res. Commun. 296: 261, 2002.

64. Loimaranta, V., M. Laine, E. Soderling, et al. Eur. J. Oral Sci. 107(4): 244, 1999.

65. Johansson, I. Scandinavian J. Nutr. 46: 119, 2002.

66. Markus, C.R., B. Olivier, and E.H.F. de Haan. Am. J. Clin. Nutr. 75: 1051, 2002.

Fonte: National Dairy Council (http://www.nationaldairycouncil.org)

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

31

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VALERY

EM 23/12/2017

Uso o kefir  e coloco para sorar  uso muito e indico aos meus pacientes o uso do mesmo.
JORGE CARDOSO DA SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 04/08/2017

Aprendi que esse é o soro da longevidade, segundo a biografia do Inglês Thomas Parr que viveu 152 anos e 9 meses (com plena saúde ), o qual se nutria do soro do leite, todo santo dia.

Viva o conhecimento.
JADER JOSÉ MENDONÇA

VALPARAÍSO DE GOIÁS - GOIÁS - TÉCNICO

EM 31/05/2017

Aqui comigo vai tudo pro intestino look.

Faço a qualhada e vou tirando aos poucos pra fazer Bolo e Boa parte do soro degusto com Mel Eva coalhada
TANIA SANTOS

NOVA IGUAÇU - RIO DE JANEIRO

EM 23/12/2016

Muito bom saber de tantos benefícios que o soro nos faz, mais gostaria de saber se poso bater o soro com frutas e tomar com suco,meu colesterol  está muito alto e não sei se posso fazer suco com o soro,obrigado.??
ALEXANDRE ALVES GUARÁ

EM 09/11/2016

façam seu próprio soro do leito ... muito fácil de fazer e nota 10 uso ele no lugar do whey pra academia resultados 1000 x melhor e saudável...
MARIA DAS NEVES ROCHA

MACAPA - AMAPÁ

EM 20/08/2016

JÁ TOMEI WHEY PROTEIN E COMO TEM MUITO CONSERVANTE NÃO QUIS MAIS TOMAR. ELE TEM PORTEÍNA DO SORO DO LEITE. AGORA QUERIA O SORO DO LEITE EM PÓ. PESQUISEI NO GOOGLE E PERGUNTEI SE ELES PODEM VENDER DIRETO. AINDA NÃO OBTIVE RESPOSTA.
MARINA ROCHA

EM 09/02/2016

ola gostaria de saber se eu posso tomar o soro caseiro retirada da ricota artesanal e como de toar
MARCOS GALVAO

EM 23/12/2015

Olá Juliana,

Muito interessante este artigo, faço com frequencia qualhada seca de leite jersey e gostaria de saber como posso consumir o soro e obter estes benefícios.

Meu e-mail galvaobm@hotmail.com



Obrigado
JERUSA

SANTA VITÓRIA DO PALMAR - RIO GRANDE DO SUL

EM 14/11/2015

Oi como posso fazer o uso do soro da coalhada  serve para tratamento emagrecer
MARCELO COELHO FERREIRA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 25/08/2015

soro em po tem o mesmo efeito?
MARIA AUGUSTA DE CARVALHO

BARRETOS - SÃO PAULO

EM 29/07/2015

Gostaria de saber se o soro retirado do produção artesanal de queijos (rural),tem as mesmas propriedades e como devo usá-lo:e também receber a receita do soro para a memória,obrigada.
BELMIRA ANDRADE

EM 31/03/2015

Gostaria de saber:Quantas calorias tem um copo do soro caseiro feito com o acido do limao?Posso tomar 1 copo por dia?
ÁTILA GONDIM

FORTALEZA - CEARÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 12/03/2015

O artigo é esclarecedor. O soro resultante da coagulação do leite exibe inúmeras propriedades nutricionais e funcionais para o nosso organismo e de outros animais. A autora embora tenha citado 66 bibliografias, lamentavelmente nas suas afirmações omitiu "a contribuição de cada trabalho individual possivelmente consultado" para elaboração do presente artigo.
DIRCE FERREIRA DA SILVA

SÃO SEBASTIÃO - SÃO PAULO

EM 10/02/2015

Gostaria de saber se o soro do leite coalhado de saquinho conserva as mesmas propriedades descritas no seu comentário sobre o assunto. Também se posso oferecer pra crianças com menos de 3 anos. Uma vez que testes são feitos em animais com esse produto com bons resultados, posso oferecer para os meus cachorros também? Por favor, responda me por email se for possível.
OMAR DE ALMEIDA FARIAS FILHO

CRUZEIRO DO SUL - ACRE - ESTUDANTE

EM 06/01/2015

o soro da qualhada caseira tem os mesmos benefícios? almeidafilhoomar@gmail.com
MAURO DANILO FREITAS RAMOS

TREMEMBÉ - SÃO PAULO

EM 06/10/2014

Li a materia e gostei. Produzo p/ consumo proprio, qualhada seca, ou seja como posso utilizar o soro, restante da mesma? Por favor, alguem poderia me informar.

Att, maurodanillo@hotmail.com
MARIZA FONTENLA

BARRA MANSA - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/06/2014

Fabrico queijo frescal e tenho jogado o soro fora. Esse soro pode ser tomado? Mesmo contendo sal?
RUDI LUIZ SCHUH

FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 02/06/2014

uso normalmente agua de prata, faço queijo quarq e jogava o soro fora, usarei para deixar grao de molho, e tantos beneficios relecionados. grato, por Tu existir.
GABRIELA ALVES NEVES

ALEXÂNIA - GOIÁS

EM 14/04/2014

Esse artigo trouxe toda informação que precisava. Excelente!

Estou começando a produzir queijos e qualhadas para o meu restaurante...

gabriela. olhos'Dagua/go
GEISIANE

ITAÚNA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 21/01/2014

tenho 91 quilo quantas ml de soro posso tomar ao dia