FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

EPRECIS®, a nova solução da Ceva Saúde Animal contra os principais parasitas bovinos, inclusive estefanofilária

A Ceva Saúde Animal, uma das maiores indústrias de produtos para saúde animal do mundo, traz para o mercado brasileiro o moderno endectocida EPRECIS®, solução injetável pronta para uso, com baixo volume de dose, eficaz para o tratamento dos principais parasitas em bovinos, como berne, carrapato e mosca-do-chifre, importantes vermes gastrointestinais e larvas  microfilárias da Stephanofilaria spp, que causam a úlcera do úbere ou estefanofilariose.

EPRECIS® tem amplo espectro, é extremamente seguro, não apresenta período de carência para o leite das vacas tratadas e apenas 12 dias para o abate dos bovinos de corte. É o único endectocida com a chancela em bula para o tratamento da úlcera do úbere. A novidade da Ceva também pode ser usada em fêmeas gestantes, em qualquer fase da gestação.

“EPRECIS® é um endectocida muito potente contra parasitas bovinos e chega ao mercado brasileiro para ocupar uma lacuna, pois até agora não havia uma solução assertiva, em dose única, com carência zero para o leite para combater a úlcera do úbere”, informa Beatriz Ortolani, gerente de produtos para leite da Ceva Saúde Animal.

Mais comum em bovinos leiteiros, a estefanofilariose é uma parasitose de caráter zoonótico, ou seja, pode também afetar o homem. Costuma ser mais prevalente na estação chuvosa e quente do ano, época que coincide com altas população dos vetores biológicos.

Causada por nematódeos (vermes redondos) do gênero Stephanofilaria spp, a doença provoca lesões, que começam com irritação na pele, surgimento de pequenas vesículas (pápulas), que evoluem para nódulos com secreção e perda de pelos, que podem originar crostas sobre a lesão. “Essas lesões causam grande desconforto aos animais, atraem moscas – inclusive a ‘mosca varejeira’ (Cochliomyia hominivorax), responsável por miíases ou bicheiras. Elas também podem ser contaminadas, secundariamente, por microrganismos que dificultam a cicatrização e infectam os tetos e o úbere (mastites), contribuindo para reduzir a qualidade do leite. As lesões podem permanecer por longo período de tempo e determinar atraso no processo de ordenha e prejuízo significativo ao bem-estar dos animais acometidos”, explica o médico veterinário Marcos Malacco, gerente técnico de bovinos da Ceva Saúde Animal.

Para saber mais entre em contato pelo box abaixo:

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.