FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O que conhecemos sobre o Staphylococcus aureus? Prevenção, controle e tratamento

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E TIAGO TOMAZI

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 30/10/2013

5
0
Tiago Tomazi*
Marcos Veiga dos Santos

Staphylococcus aureus é um dos patógeno causadores de mastite que mais causa prejuízo na bovinocultura leiteira. Os motivos que o caracterizam como um dos principais patógenos causadores de mastite são: redução da produção e da qualidade do leite; aumento da contagem de células somáticas (CCS); alta contagiosidade; produção de fatores de virulência; e alta resistência aos antimicrobianos.

No último artigo abordamos a patogenia e epidemiologia deste microrganismo. Neste artigo trataremos sobre temas relacionados à prevenção e controle da mastite causada por S. aureus, bem como, estratégias terapêuticas utilizadas no tratamento de mastite causada por este patógeno.

Prevenção e controle
O objetivo de um programa de controle de mastite causada por S. aureus deve ser direcionado na prevenção de novas infecções intramamárias (IIM) e/ou facilitar a eliminação de infecções existentes o mais rápido possível. O reservatório de infecção do S. aureus é a glândula mamária da vaca, o que faz com que a transmissão ocorra principalmente durante a ordenha.

A primeira estratégia para o controle da mastite causada por S. aureus é a manutenção da higiene de ordenha e realização de procedimentos adequados durante o período de extração de leite. Tais procedimentos incluem o uso de papel-toalha e luvas descartáveis, imersão dos tetos em solução desinfetante antes e após a ordenha, descontaminação do equipamento de ordenha após contato com uma vaca infectada ou realização de ordenha de vacas infectadas em uma unidade separada de ordenha. Outras práticas essenciais em nível de rebanho são a manutenção periódica dos equipamentos de ordenha e realização de exames microbiológicos que visam avaliar a condição sanitária do úbere de novilhas e vacas de reposição antes da inclusão desses animais no rebanho.

Em rebanhos onde tais práticas não apresentarem efeito sobre a redução das taxas de novas IIM causadas por S. aureus, medidas mais agressivas devem ser tomadas, como: segregação e ordenha de animais infectados; secagem antecipada de vacas ou secagem definitiva de quartos mamários infectados; descarte de vacas com IIM crônicas.

Conforme descrito no artigo anterior, alguns rebanhos apresentam um perfil genotípico heterogêneo de S. aureus causadores de IIM, o que indica que algumas espécies deste patógeno podem não ter a glândula mamária como reservatório principal. Desta forma, o conhecimento do perfil genotípico de IIM causadas por S. aureus poderia influenciar na decisão das práticas de manejo a serem adotadas em cada situação.

Considerando que a diferenciação genotípica não é uma ferramenta comercialmente disponível, a decisão correta sobre as práticas de manejo a serem tomadas dependerão do histórico prévio de IIM e do conhecimento epidemiológico do veterinário responsável pela sanidade das vacas no rebanho. A decisão de como manejar vacas com mastite causada por S. aureus em um determinado rebanho vai depender da contagiosidade, persistência e potencial inflamatório da cepa infectante. O histórico de infecções, CCS e o registro das respostas O tratamento com antimicrobianos em IIM prévias são ferramentas importantes que podem auxiliar na decisão de manejo frente a novos casos de mastite causada por S. aureus.

Tratamento
Muitas estratégicas terapêuticas têm sido avaliadas para o tratamento da mastite causada por S. aureus, as quais incluem terapia antimicrobiana intramamária estendida, terapia antimicrobiana sistêmica, e terapia combinada de vacinação e antimicrobianos. Estudos demonstraram que as taxas de cura da terapia antimicrobiana contra S. aureus variam de 3-74%, dependendo do produto utilizado, período de tratamento, e momento de administração dos medicamentos (durante a lactação ou período seco, e em caso de novilhas, logo antes do parto).

A probabilidade de cura de IIM causadas por S. aureus depende de fatores em nível de vaca, cepa causadora e tratamento utilizado. Além disso, a taxa de cura está associada com a idade e estágio de lactação das vacas, CCS, cronicidade da infecção, contagem bacteriana e número de quartos mamários infectados. O tratamento durante a lactação de vacas primíparas com IIM causada por S. aureus pode ser economicamente justificado devido à maior taxa de cura e melhor resposta do sistema imune de animais jovens. Já o tratamento durante a lactação de vacas mais velhas, com infecções crônicas, ou com isolados resistentes à penicilina, na maioria das vezes, não é recomendável.

Um dos fatores relacionados com a cura de vacas com IIM causada por S. aureus é a duração do tratamento. Um estudo recente sobre a terapia antimicrobiana de vacas com mastite causada por S. aureus durante a lactação concluiu que a terapia estendida (5 a 8 dias) com antimicrobianos intramamários aumentou a taxa de cura em 47%. No entanto, ao se optar pela terapia estendida deve-se considerar o risco de IIM por outros patógenos como leveduras e coliformes, principalmente se não forem tomadas precauções de higiene durante a aplicação dos medicamentos. Além disso, mesmo com protocolos terapêuticos de oito dias, a taxa de cura em longo prazo pode não ser a esperada em alguns rebanhos. Um estudo demonstrou alta taxa de cura (80%) em quartos mamários após quatro dias do término do tratamento intramamário, no entanto, aos 28 dias a maioria das infecções reincidiu e a taxa de cura caiu para 29%.

Outra estratégia de tratamento que pode ser utilizada durante a lactação é a terapia combinada por meio da aplicação de antimicrobianos sistêmicos e intramamários. O objetivo desta terapia é aumentar a concentração da droga nos locais da infecção por período prolongado e, por consequência, elevar as taxas de cura. Um estudo demonstrou que a taxa de cura de vacas com mastite causada por S. aureus tratadas com o uso de antimicrobianos intramamários durante a lactação foi de 25%, enquanto vacas submetidas a uma terapia combinada apresentaram taxas de cura de 51%. Para aumentar as chances de cura de IIM com o uso desta estratégia terapêutica, os medicamentos (sistêmico e intramamário) devem atuar em sinergismo no organismo animal. Além disso, a droga sistêmica deve se difundir passivamente para a glândula mamária e ter ação na presença de detritos e debris inflamatórios.

Protocolos com a utilização de vacinação combinada com antimicrobianos intramamários também têm sido usados no tratamento de IIM causadas por S. aureus. O regime de tratamento proposto envolve a vacinação contra S. aureus aos 2 e 14 dias antes da data do tratamento intramamário. Após aplicação das duas doses de vacina, procede-se o tratamento intramamário com antimicrobianos durante seis dias. Sete dias após o término do tratamento intramamário, aplica-se nova dose da vacina. Com o uso desse protocolo, um estudo demonstrou taxa de cura de 80% dos quartos infectados.

O tratamento pré-parto de novilhas com antimicrobianos intramamários é uma estratégia terapêutica que vem sendo utilizada principalmente em rebanhos com alta prevalência de mastite em vacas primíparas em início de lactação. Neste tipo de protocolo terapêutico, as novilhas são geralmente tratadas com antimicrobianos intramamários de 2-4 semanas antes do parto com o objetivo de eliminar IIM causadas primariamente por Staphylococcus coagulase negativa. No entanto, alguns resultados positivos foram observados em casos de IIM causadas por S. aureus. Enquanto as taxas de cura com o uso deste protocolo podem ser promissoras, o impacto desta terapia no desempenho de vacas primíparas, em comparação com vacas não tratadas, varia de rebanho para rebanho. Além disso, assim como na terapia estendida, deve-se tomar cuidado com o risco de transmissão de IIM secundárias, principalmente em sua forma clínica.

Várias estratégias são utilizadas atualmente para prevenção e tratamento de IIM causadas por S. aureus. Entretanto, é importante ressaltar que protocolos de terapia estendida e combinada, bem como tratamento intramamário durante o período pré-parto devem ser realizados com orientação de um médico veterinário.

Fonte: Middleton, J. R. Staphylococcus aureus mastitis: have we learned anything in the last 50 years? Proceedings National Mastistis Council Regional Meeting, Portland, Maine, p. 1-8, 2003.

*Doutorando do Programa de Pós-graduação em Nutrição e Produção Animal, FMVZ-USP.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

TIAGO TOMAZI

Médico Veterinário e Doutor em Nutrição e Produção Animal
Pesquisador do Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 02/12/2013

Prezado Leonardo, sugiro que leia dois artigos que publicamos sobre o tema de vacinas contra mastite bovina e que apresenta maiores informações sobre este tema:

http://www.milkpoint.com.br/mypoint/6239/p_uso_de_vacinas_como_ferramentas_para_controle_de_mastite_bovina_parte_1_4465.aspx
http://www.milkpoint.com.br/mypoint/6239/p_uso_de_vacinas_como_ferramentas_para_controle_de_mastite_bovina_parte_2_4500.aspx

Atenciosamente, Marcos Veiga
LEONARDO BARROS CORSO

APUCARANA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 02/12/2013

Gostaria de saber sobre vacinas para prevenção de mastites, se são sempre recomendadas, em relação ao seu efeito, funciona bem como ajuda na prevenção. Porque ainda são pouco utilizadas? Porque ainda sao pouco divulgadas? Obrigado
SERGIO CHAVEZ

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 11/11/2013

De mucha utilidad el articulos, con comentarios muy concretos. No debemos olvidar en el tema mastitis el Streptococcus Agalatiae y las mastitis por Coliformes.
CLAUDEMIR SOARES DOS SANTOS

ARAGUAÍNA - TOCANTINS

EM 10/11/2013

Gostei e lembrando que este assunto é muito importante no contexto da mastite S. aureus.
ALEXANDRE MARINI RODRIGUES

MENDONÇA - SÃO PAULO

EM 05/11/2013

Excelente colocação, obtivemos excelente resultados utilizando protocolo de tratamento com terapia antimicrobiana associada com a vacinação com a TOPVAC, frente ao S. aureus.
Vacinação: D1, D15, D43
Tratamento D30 ao D36
Lembrando que o Descarte do Leite é do dia 30 ao 39 (6 dias de Tratamento + 3 dias de Descarte) dependendo do antibiótico utilizado.
Grande Abraço e Sucesso a nós!