FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mastite causada por Mycoplasma bovis

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 19/07/2002

3 MIN DE LEITURA

5
1
A mastite causada por Mycoplasma bovis foi inicialmente diagnosticada em 1962, sendo que este microrganismo já foi identificado na grande maioria dos países. Uma das características mais importantes deste agente é a sua alta resistência aos antibióticos e o seu caráter altamente contagioso, pois apresenta grande facilidade de transmissão entre animais infectados e sadios. O contágio pode ocorrer pelas mãos dos ordenhadores, pelo equipamento de ordenha e por aerossóis.

A principal forma de entrada do agente na fazenda é através da compra de animais infectados de outros rebanhos, sendo que no caso do Brasil, existe grande risco disto ter ocorrido pela importações de animais. A grande dificuldade de identificar o micoplasma decorre da necessidade de técnicas de culturas especiais que na grande maioria das vezes não são utilizadas de maneira rotineira. Considera-se que uma vez infectada com o Mycoplasma, a vaca por continuar eliminando o agente por toda a vida.

Conseqüências da doença

Nos estágios iniciais da mastite por micoplasma, antes mesmo do aparecimento de sinais clínicos ou de alterações no leite, a vaca infectada pode estar eliminando o agente pelo leite. Um dos primeiros sintomas destes casos de mastite é uma queda abrupta da produção de leite de um dos quartos, em algumas situações para próximo de zero. O leite pode sofrer alteração de cor, tornando-se amarelado e aquoso, podendo apresentar grumos.

Normalmente, os casos não respondem aos tratamentos convencionais com antibióticos, ainda que possa ocorrer alguma recuperação da produção de leite. O fato mais importante é que a vaca continua eliminando o agente pelo leite, sendo uma fonte potencial de contaminação para outros animais. Pode ocorrer, também, o aparecimento de animais com mastite em vários quartos (até nos quatro quartos) ao mesmo tempo.

Algumas medidas de prevenção

Em países nos quais a ocorrência de mastite por micoplasma é mais comum, recomenda-se que sejam feitas culturas de todos os animais que entram na fazendas (principalmente se não é conhecido o padrão de saúde dos rebanhos de origem), da mesma forma que esta medida se aplica para outros agentes de doenças contagiosas de uma forma geral. É recomendado ainda que seja feita uma separação entre animais em crescimento com sintomas respiratórios e as vacas em lactação.

Diagnóstico e controle

Ainda que seja possível suspeitar da ocorrência de Mycoplasma pela ocorrência de casos com as características descritas acima (principalmente a queda súbita na produção e a não resposta ao tratamento), o diagnóstico definitivo deve ser feito pela cultura microbiológica dos animais suspeitos, com o uso de meios de cultura especiais.

Devido à resposta ao tratamento ser muito baixa, uma vez identificado o animal suspeito, deve-se fazer a sua segregação dos demais animais em lactação e a sua ordenha deve ser separada dos resto do rebanho, uma vez que o micoplasma é altamente contagioso. Para a eliminação a erradicação da doença do rebanho recomenda-se o descarte dos animais positivos e a manutenção de severa rotina de controle de entrada de novos animais no rebanho.

Mastite por Mycoplasma bovis no Brasil

Foi publicado recentemente um estudo que identificou a presença do micoplasma como agente causador de mastite em rebanhos do Paraná e São Paulo. Destaca-se o fato do primeiro relato científico sobre a mastite causada por este agente ser de 1996, na região de Londrina, PR.

Neste estudo, foram examinadas 713 vacas do estado do PR e SP, sendo detectados 137 animais com mastite. Dos casos diagnosticados de mastite, foi encontrado o percentual de 5,83% (8 em 137 casos) de animais com mastite clinica causada por Mycoplasma bovis. Foram avaliados ainda tratamentos com oxitetraciclina, tilosina e enrofloxacina. No entanto, não houve resposta aos tratamento durante a lactação, ainda que uma vaca tenha recuperado a sua produção de leite.

Um dos resultados mais importantes deste estudo é a necessidade de implantação de diagnóstico para micoplasma como uma técnica de rotina nos laboratórios que trabalham com identificação de agentes causadores de mastite, visto que este agente pode participar de forma significativa como causa da mastite e que atualmente não está sendo diagnosticado.

Fonte: Pes. Vet. Bras. 21 (4):143-145, 2001.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GERALDO DONIZETI DOS SANTOS

ITUTINGA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/12/2018

Gostaria de saber se a Microplasmose bovina contamina seres humanos.
O leite pode ser consumido?
geraldodonizetilvs@gmail.com
ELENA METTIFOGO

PEDRINHAS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/10/2014

Olá, pessoal. Gostaria de esclarecer que o diagnóstico de Mycoplasma bovis vem sendo realizado rotineiramente no Laboratti (http://www.laboratti.com.br) por PCR e isolamento (em situações especiais). Abraços. Elena Mettifogo
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/06/2014

Nathã, infelizmente, não tenho conhecimento de uma rotina laboratorial em nível  comercial para o diagnóstico da mastite causada por Mycoplasma.



Atenciosamente, Marcos Veiga
NATHÃ CARVALHO

ALEGRETE - RIO GRANDE DO SUL

EM 04/06/2014

Sr. Marcos Veiga Santos.

Parabéns pelo artigo.

Pergunto se há alguma novidade quanto ao diagnóstico de Mycoplasma Bovis no Brasil, pois em procura por notícias, entrei este seu artigo e o estudo citado.

Aguardo. Obrigado.
EDUARDO LOPES ALBERTO

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 01/08/2002

Porque a dificuldade do cultivo do Micoplasma? Existe algum laboratório no Brasil que faça o diagnóstico como rotina? Qual o custo do tratamento?

Resposta do Marcos Veiga dos Santos: O cultivo do Micoplasma de amostras de leite não é normalmente feito de maneira rotineira pelos laboratórios especializados em diagnóstico de agentes causadores de mastite, pois o cultivo é demorado e envolve o uso de meios especiais, os quais não são normalmente usados na rotina. Mesmo nos EUA, são poucos laboratórios que fazem esta análise de forma rotineira.

No Brasil, um laboratório que está capacitado para o isolamento de Micoplasma de amostras de leite é o laboratório da UEL (Londrina, PR).

A mastite causada por Micoplasma não apresenta resposta ao tratamento de forma geral, sendo recomendado que o animal, uma vez identificado com o agente seja descartado do rebanho, pois trata-se de agente altamente contagioso. Desta forma, não tería sentido em falar em custo de tratamento para este agente.
MilkPoint AgriPoint