FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Começa a safra (das liquidações)

O mercado começa a se aquecer e se preparar para a nova temporada de liquidações de rebanhos, principalmente no Sudeste, com destaque para dois tradicionais (e grandes) produtores: Célio Fontão Carril, de Altinópolis, e a Agropecuária Bianco, de São Carlos, localizadas em duas tradicionais bacias leiteiras de São Paulo.

Certamente a discussão de sempre será retomada: haverá quem argumente que quem sai é porque utiliza um sistema de produção inadequado, baseado em uma realidade distante da atual, onde não há lugar para subsídios, para o uso intensivo de capital e para um clima que favoreça a produção por vaca. Também, quem sai pode não ser o produtor profissional, que vive da atividade, argumento que pressupõe que as liquidações refletem propriedades mal administradas ou proprietários que cansaram de perder dinheiro na atividade, sempre secundária. Por fim, há espaço para quem diga que as liquidações não representam o que de fato ocorre com o mercado, visto que a produção de leite do país tem aumentado nos últimos 10 anos a taxas médias razoáveis, a despeito do estardalhaço das liquidações, que, em última análise, embutem a mudança geográfica do leite, isto é, as vacas mudam de mãos e região e continuam produzindo.

Acredito que qualquer generalização ou radicalização nesse sentido corre o risco de estar em grande parte equivocada. Não há como negar que, no mar de liquidações de fazendas tradicionais dos últimos anos, existem explorações pouco eficientes ou mal gerenciadas que, como em qualquer atividade, mais cedo ou mais tarde são forçadas a parar pelo próprio mercado. Também, há fazendas com desvantangens comparativas e que optaram por estratégias de exploração inadequadas para a sua situação. No entanto, resumir a discussão a esses pontos é perder a oportunidade de analisar outros aspectos que afetam a competitividade do leite nas regiões tradicionais, sendo tão incompleta quanto a análise que deposita apenas no baixo preço e no alto custo a razão das fazendas pararem.

Um aspecto que me chamou a atenção na lista de liquidações deste semestre programadas pela Embral, principal leiloeira do setor, é que começam a surgir produtores em Goiás entrando no circuito das liquidações. Quais os fatores envolvidos ? Inicialmente, vale lembrar que 2001 foi o ano da grande crise do setor, especialmente no segundo semestre. Goiás foi quem tomou o tombo mais alto de preços, como já foi extensivamente discutido. Mas em 2002 houve recuperação. Embora discussões sobre metodologia de coletas de preços de leite estejam em alta (veja o artigo do pesquisador Leandro Ponchio na seção Espaço Aberto), dados do CEPEA indicam que Goiás teve o melhor preço de leite do país no ano.

Porque então a presença mais intensa de goianos nas liquidações, ainda que de forma modesta comparada a paulistas e mineiros ? Será ainda efeito da necessidade de pagamento dos financiamentos do FCO, cuja torneira foi apertada nos últimos anos ? Ou será que estes produtores representam exceções no que se refere ao sistema de produção e à eficiência ? Ou - talvez seja efeito do próprio amadurecimento da atividade no Estado, que verificou taxas eufóricas de crescimento na década passada e que, agora, vê um certo assentamento da poeira ?

Há, porém, um outro aspecto que precisa ser considerado e que encontra um paralelo com regiões mais tradicionais. Trata-se do custo de oportunidade da terra e da mão-de-obra dessas regiões. Boa parte da migração do leite para as fronteiras se deu em função do baixo custo de oportunidade: terras e mão-de-obra baratas permitiam que a exploração crescesse de forma normalmente rudimentar, sem tecnologia e sem qualidade. Só que, de forma geral, Goiás, que foi fronteira no passado, hoje já não é mais. Imagine produzir leite em Rio Verde, em meio à prosperidade da soja e mesmo do milho: o leite precisa ser bem mais competitivo, gerar receita por área e lucro por área. Isso significa intensificar, assumir mais riscos, depender mais das variáveis do mercado, sejam elas preço do leite, preço do adubo, preço da ração ou do medicamento.

Com a valorização da soja, do milho, da laranja, da cana e até do boi, a pressão sobre atividades não voltadas à exportação, como o leite, fica ainda maior. Daí se explica por exemplo a carta de despedida do produtor paulista Célio Fontão Carril:

"Considero-me um vencedor na pecuária de leite. O leite sempre me propiciou um ótimo fluxo de caixa, pagou todos os investimentos, deixando um lucro líquido de 8% no último ano. Então porque liquidar ? A razão é simples: a topografia, a qualidade das terras, a proximidade da usina de açúcar, a altitude, a qualidade do café aqui produzido, me obrigam a ampliar as áreas dedicadas à plantação de café e cana-de-açúcar".

Tudo bem, é preciso estimular o mercado com mensagens positivas, mesmo quando se deixa a atividade. Esse depoimento, no entanto, indica que surge com força mais um desafio considerável ao setor: a grande atratividade de outras atividades agropecuárias que vivem momentos muito favoráveis, especialmente aquelas voltadas ao agronegócio de exportação.

Para ilustrar essa questão, é interessante conhecer dados de um levantamento feito pela CATI em São Paulo, no ano passado. Foram levantadas a capacidade total de laticínios sob inspeção oficial (SIF, SISP e SIM) em todos os municípios e o nível atual de utilização desta estrutura. Seguem abaixo algumas das cidades, a maior parte localizada em regiões de agricultura próspera, e o nível de ociosidade do setor leiteiro:



A mensagem que fica é simples: há, obviamente, questões complexas que interferem nos níveis de competitividade dos estados, sendo exemplo a guerra fiscal e a redução do poder de barganha e produtor e de laticínios, já discutidas anteriormente nesse espaço. Porém, como pode sugerir a tabela acima para algumas cidades de São Paulo, a competição com outras atividades nesse momento exerce e tenderá a continuar exercendo pressão sobre o leite, atingindo inclusive regiões nas quais o crescimento foi, até recentemente, bastante elevado. O leite precisará, mais do que nunca, de competitividade.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FRANCISCO LAERMAR OLIVEIRA PINHEIRO

OUTRO - CEARÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 28/03/2003

Sou de uma região de grande tradição na criação de gado de leite, sendo até uma das primeiras do Estado do Ceará. Isso foi há muito tempo atrás, antes de se ter um laticínio em nosso município, Jaguaribe, que está situado à beira do rio Jaguaribe, tendo 475 km de margens perenizadas. Hoje em dia, com poucas atividades ligadas a pecuária, além do governo do Estado não dar assistência, seja técnica, econômica ou sanitária, deixa a atividade totalmente a mercê do mercado de laticínios. Com muitos anos de atividade, o laticínio de Jaguaribe está ameaçado de fechar por nunca ter feito algo por aqueles que venderam sempre leite muito barato, pois nunca houve um projeto de melhoria do patrimônio genético da região. Aqueles que não se preocupam com os clientes e fornecedores estão fadados a fechar as portas,. Acredito que a situação não se pareça muito com a região sul e sudeste, mas quem quiser continuar na atividade de mercado deve pensar um pouco.
GILBERTO DE SOUZA BIOJONE FILHO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 25/02/2003

Caro Marcelo: Você fecha o artigo dizendo que o leite precisa de competitividade. Para mim, entendo que essa competitividade vem com melhor preço, que é o que parece que vai acontecer neste ano, já que estamos com preço em alta na safra, e com preço adequado dos insumos. Nos demais fatores que envolvem a produtividade do leite (manejo, genética, etc.) imagino que os produtores com volume estejam praticando o que de melhor é recomendado pelos técnicos. Mas competitividade também tem a ver com localização. E um fator que não tenho visto ser comentado com a profundidade e o cuidado que se toma quando se decide a localização de indústrias, é a proximidade dos centros de consumo. Com a elevação rápida e expressiva do custo do combustível, até quando será interessante buscar leite em locais distantes dos principais centros consumidores?

<b>Caro Gilberto:</b>

Obrigado pelas suas considerações. Porém, precisamos separar rentabilidade de competitividade. Com certeza, com preços mais altos, a situação econômica da atividade irá melhorar, aumentando a rentabilidade. Porém, isso não quer dizer que o leite, mesmo sendo rentável, será competitivo com outras atividades que podem ser exploradas na mesma área, com resultados melhores. Esse tipo de pressão existe sempre e, no atual momento, está mais evidente em função das culturas de exportação, que estão valorizadas.

A proximidade com os grandes centros, como você colocou, faz com que o leite, para vir de longe, tenha de ser pago a valores mais baixos. Isso confere, teoricamente, maior preço ao leite próximo aos grandes centros. Mas há dois outros pontos a discutir. Primeiro, a proximidade com os grandes centros geralmente resulta em valores mais altos para a terra e para a mão-de-obra, o que infla os custos. Também, as matérias-primas para alimentação tendem a ser mais caras (uma exceção é a polpa cítrica em SP).

O outro ponto é que podemos esperar tecnologias que diminuam o custo do transporte. A concentração de leite, por exemplo, é uma delas. Outro ponto é que, nos derivados do leite e leite em pó, o peso do frete é significativamente menor do que no caso do leite fluido. Caso esses produtos cresçam em produção, as barreiras de custo de transporte em relação ao leite distante dos grandes centros diminui.

Por isso, mesmo com o potencial de estar perto dos grandes centros, essa vantagem, acredito, não é suficiente para garantir tranqüilidade aos produtores dessas regiões.