FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Impressões de viagem

POR ROBERTO JANK JR.

LEITE NO MUNDO

EM 29/05/2019

5
9

Na semana passada visitei a região da Bretanha, noroeste da França, a convite do Grupo Salus-Avril, com a ótima companhia do Wilson Marchesin, Comigo - GO, do Prof. Mikael Neumann, do PR e do empreendedor gaúcho Sidmar Paludo, além da equipe da Salus/Avril, Laís Simonetti, Ronnie Dari e Justine Laisement, a quem agradeço pela oportunidade do aprendizado.


Turma que participou da visita a região da Bretanha, noroeste da França, a convite do Grupo Salus-Avril

produção de leite na França
Produção leiteira na França

Alguns dados da produção leiteira na França

Os franceses têm limites de 50 mil UFC para CBT (Contagem Bacteriana Total) e 250 mil de CCS (Contagem de Células Somáticas) impostos pelos compradores de leite, ainda que a legislação coloque oficialmente limites de 100 mil e 400 mil, respectivamente.

A maioria das fazendas que visitamos operava com células entre 150 e 200 mil e CBT entre 5 e 20 mil UFC, gordura entre 3,8 e 4,4% e proteína entre 3,3 e 3,6%. A base dos preços de leite estava em E$ 0,34, porém com gordura, proteína e CCS os valores chegam a E$ 0,38; sem OGM (organismos geneticamente modificados) entre E$ 0,40 e 0,45 e orgânicos entre E$ 0,46 e 0,50.

Após o fim das cotas em 2015, houve crescimento da produção e achatamento dos preços causando uma crise mais ou menos perene até 2018. Hoje existem contratos de volume definido entre produtor e indústria, de forma que não é possível crescer sem aval do comprador. A situação é muito parecida com o regime de cotas e o tipo de produção (sem OGM, pastagens etc) é mais uma demanda da indústria compradora do que uma opção do produtor.  

Não existem grandes produtores de leite no país, a média fica entre 70 e 120 vacas; a maior fazenda da França tem 800 vacas em lactação, mas sofre pressão constante da mídia e ativistas. Ao contrário da Itália e Holanda, o consumidor francês decidiu que fazendas grandes são uma “coisa ruim” e elas parecem não prosperar. Por outro lado, esse mesmo consumidor quer alimentos não transgênicos, preferencialmente orgânicos e com informações sobre a origem dos produtos e o bem-estar animal descrito nos rótulos.

É comum ver as produções locais ligadas a uma determinada certificação de galinhas soltas, porcos orgânicos, leite a pasto sem OGM ou orgânico ou, ainda, com selo de preservação da natureza. Eles realmente aprenderam a lição de casa e sabem se comunicar com o consumidor.


Criação de galinhas soltas na França e produto final 

Visitamos fazendas operando em pastagens de azevém inglês e trevo branco, produzindo entre 25 e 29 litros com menos de 1 kg de concentrado, mas a maioria está confinada em free stall com cama de borracha e serragem, silagem de milho e pré-secado de azevém italiano. As dietas têm alto % de forragens e o concentrado limita-se a 5 a 8 kg para uma produção entre 30 e 35 litros, 70% deste fornecido no robô de ordenha voluntária.

O robô de ordenha tem crescido bastante e já ultrapassa as 6 mil unidades no país. A mão de obra na França é complicadíssima porque não existe a possibilidade de demissão do funcionário, de forma que ninguém se arrisca a contratar. Todas as fazendas são operadas pelos proprietários e parentes.

Visitamos a fazenda de pesquisa da Avril com um moderno sistema de alimentação TMR e cochos individuais com medição de consumo por balança e liberação do acesso por chip. Também fomos a fazendas de corte, com confinamento utilizando silagem de milho e alfafa como dieta, alimentando os animais diretamente no silo confeccionado por camadas de alfafa e milho na ensilagem, de forma que a mistura “free choice” esteja grosseiramente balanceada em proteína e energia. 


Confinamento de gado de corte 

Os animais abatidos pesavam entre 450 e 550 kg de carcaça (sim, 30@) entre 30 e 34 meses de idade, com ótimo acabamento e rendimento. O valor da arroba estava em torno de R$ 260,00 naquele dia.

Há um consenso de que metade dos produtores de leite franceses deve desaparecer nos próximos 10 anos. A França cada vez mais é exportadora de alimentos de nicho, com alta qualidade e uma diferente gama de especialidades.

O próprio consumidor francês quer esses diferenciais nos alimentos, mas não está disposto a pagar mais caro por eles. Dessa forma, a maioria dos produtos especiais franceses é consumida nos finais de semana e eventos em família. Durante a rotina da semana o grande consumo é mesmo de commodities, como leite UHT escandinavo ou holandês.

Obviamente a grande especialidade francesa são os queijos e, curiosamente, estes não têm grandes apelos de bem-estar, não OGM ou orgânicos como no caso do leite fluido. Aparentemente apenas a denominação de origem e a qualidade dos produtos já satisfazem o consumidor francês.

A zona rural francesa esta cada vez mais integrada ao turismo e esse parece ser o maior interesse dos que permanecem na atividade. Dessa forma, há uma espécie de integração entre a produção, o ativismo, a demanda dos consumidores e o turismo. É uma forma inteligente de resolver essa difícil equação entre campo-cidade e tornou-se um jogo de ganha-ganha para todos.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MURILO ROMULO CARVALHO

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/06/2019

Muito interessante o relato, principalmente em relação aos padrões de consumo, visão dos consumidores e da indústria. Mais um exemplo de que sem maturidade em toda a cadeia, a produção leiteira fica muito difícil.
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/06/2019

Obrigado a todos pelas mensagens.
Patricia, o oleo de palma oriundo da Tailândia é considerado um ingrediente polêmico porque as grandes plantações de palma são implantadas em areas originalmente cobertas por mata nativa, portanto são consideradas nocivas à natureza pelo consumidor francês.
PATRICIA GOLDFEDER

CAMPANHA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/06/2019

Em uma das imagens apresentadas em seu texto ha uma que mostra um rotulo no qual a vaca diz EU SOU ALIMENTADA SEM OLEO DE PALMA,o sr sabe me dizer o pq deste alerta como sendo um diferencial.Obrigada e parabens pelo otimo artigo,gostei muito!
EDUARDO GRACIANO PEREIRA

CONCEIÇÃO DO RIO VERDE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/05/2019

parabens pela materia , Roberto sempre com temas muito bons ,que nos faz refletir . Quem sou eu um pecuarista de país de terceiro mundo para criticar a cadeia leiteira da França .Mas acho que eles tomaram rumo errado , onde o relato do Roberto faz previsão que metade dos produtores deixarão atividade . Minha impressão que mistura de socialismo/ativismo ecológico/exigência consumidor , mas no final não querem pagar conta ,
PAULO H SAWAYA

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 30/05/2019

Ótimo o seu relatório, gostei muito. O melhor é a sua ida lá para conhecer e aprender. Considero que foi muito importante para o contínuo sucesso de vocês, nesta atividade.parabens, Abraço do tio Paulinho