ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sustentabilidade da produção de queijo artesanal certificado

POR LABORATÓRIO DE ANÁLISES SOCIOECONÔMICAS E CIÊNCIA ANIMAL

LAE - FMVZ/USP

EM 20/05/2022

4 MIN DE LEITURA

0
0

Atualizado em 20/05/2022

Minas Gerais é conhecido por ser um importante estado produtor de queijos. Esta produção está concentrada em pequenas propriedades rurais e também em comércio local como mercados, feiras livres e padarias.

Estudos demonstram a importância econômica da produção de queijos artesanais pelos pequenos produtores e ressaltam a atividade como um importante fator para permanência de famílias no campo, além da possibilidade de aumento da renda do produtor e por manter as tradições centenárias do estado (EMATER, 2022; Pineda et al., 2021).

Diante disso, em julho de 2008, o modo de preparo dos queijos produzidos nas regiões da Serra da Canastra, Serro e Serra do Salitre foram incorporados ao “Livro de Registros dos Saberes”, tornando-se assim um bem imaterial, que constitui o conhecimento tradicional e faz parte da cultura local (IPHAN, 2022).

Este artigo aborda parte dos resultados da tese de doutorado do pesquisador Paulo Yun Cha, apresentado à Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Naquele estudo foi analisado o ponto ótimo de adoção de tecnologias considerando atributos ambientais, sociais e econômicos para produtores de queijo artesanal que apresentam certificação de origem, localizados na região da Serra da Canastra, Minas Gerais.

A certificação de origem foi estabelecida pela Associação dos Produtores de Queijo Canastra (APROCAN), com parceria com os órgãos estaduais de inspeção de produtos de origem animal (IMA) e EMATER. Para receber o selo, o queijo tem que obedecer ao modo de produção indicado pelo regulamento e ser regularizado pelos órgãos de inspeção estadual.

As tecnologias consideradas foram divididas em três setores para: o manejo de lavouras e pastagem; a produção animal; e as tecnologias administrativas, conforme abaixo (tabela 1).

Tabela 1. Tecnologias consideradas no estudo para fabricação de queijos certificados.


Fonte: Adaptado de Cha, 2020.

O autor entrevistou 40 produtores da região e posteriormente selecionou seis produtores que melhor representavam o restante dos entrevistados. Estes seis foram divididos da seguinte forma perante a adoção de tecnologias: dois com baixo nível tecnológico, dois com médio e dois com alto.

Os indicadores de sustentabilidade foram classificados e analisados utilizando a ferramenta metodológica de análises multifatoriais (5SEnsU [1] ), tendo como unidade funcional (UF) uma (1) tonelada de queijo canastra dentro dos padrões de qualidade.

Os indicadores avaliados para o cálculo da sustentabilidade dos sistemas produtivos de queijo artesanal do tipo canastra foram:

  • Setor 1 (consumo de energia/UF, tamanho da propriedade/UF);
  • Setor 2 (emissões de metano/UF, teor de proteína/UF);
  • Setor 3 (tamanho do rebanho/UF; rentabilidade/UF);
  • Setor 4 (tradição/UF; força de trabalho/UF);
  • Setor 5 (idade da população/UF, impostos/UF).

A maioria dos proprietários com produção de queijo na região tinha 55 anos (variação de ± 3,3 anos) e produziam queijo desde a infância, como uma tarefa da rotina diária. Mas também foi observado o aumento da participação de pessoas de fora da região. Estes produtores mais recentes, na maioria dos casos, possuíam maior nível de tecnificação.

Quando avaliada a sustentabilidade dos empreendimentos, independentemente do nível de tecnologia adotado, os resultados foram semelhantes. Para os produtores pouco tecnificados, os fatores que mais contribuíram para o aumento da sustentabilidade do sistema foram a tradição, a idade do produtor e a receita com a atividade. Para os produtores mais tecnificados, o fator que mais contribuiu para a sustentabilidade foi o melhor desempenho zootécnico da atividade.

Apesar da amostra modesta, o estudo sugere que a adoção de tecnologias foi um importante fator para fomentar a economia local. Mas a atenção também deve ser dada aos setores sociais e ambientais, pois eles também fazem parte de um desenvolvimento sustentável do setor.

A cadeia produtiva de queijos e outros derivados artesanais são influenciados pela tradição regional e das pessoas que nelas habitam, por isso, estudos como este ajudam a valorizar este importante recurso na produção deste tipo de produto. Ressaltam, também, a importância de preservação e manutenção dos atributos regionais para a sustentabilidade da produção de produtos derivados lácteos artesanais.
 

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.
 

Autores

Vanessa Theodoro Rezende;
Rafael Araújo Nacimento;
Augusto Hauber Gameiro
 

Referências

APROCAN, Associação dos Produtores de Queijo Canastra, O queijo da Canastra: Dois séculos de tradição e muitas histórias para contar. Disponível em: https://queijodacanastra.com.br/ , acesso em: 25 de abril de 2022.

Cha, P. Y. Chapter 5 – Sustainability assessment propose in a micro farm level perspective for geographical indication regions. In: An integrated quantitative framework propose for sustainability assessment in geographical indication production systems – Tese de doutorado apresentada ao programa de pós graduação em Administração do departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, p. 57-70, 2020. 

EMATER, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais, Programa Queijo Minas Artesanal. Disponível em: https://www.emater.mg.gov.br/portal.do?flagweb=site_pgn_queijo_home&categoria1=269, acesso em: 22 de abril de 2022.

IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Modo Artesenal de Fazer Queijo de Minas. Disponível em: https://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/65 , acesso em: 22 de abril de 2022.

Pineda, A.P.A.; Campos, G.Z.; Pimentel-Filho, N.J.; Franco, B.D.G.M.; Pinto, U.M. Brazilian Artisanal Cheeses: Diversity, Microbiological Safety, and Challenges for the Sector. Front. Microbiol. v. 12, n. 666922, 2021.

 

 

 

[1] Giannetti, B.F.; Sevegnani, F.; Almeida, C.M.V.B.; Agostinho, F.; García, R.R.M.; Liu, G. Five sector sustainability model: A proposal for assessing sustainability of production systems. Ecological Modelling, v.406, p. 98-108, 2019. https://doi.org/10.1016/j.ecolmodel.2019.06.004

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISES SOCIOECONÔMICAS E CIÊNCIA ANIMAL

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint