FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Tratamento da água na produção leiteira - Parte 3: microbiologia

POR JOÃO LUIS DOS SANTOS

GESTÃO DA ÁGUA

EM 29/11/2018

4
13

A deterioração do leite pode afetar a textura, cor, odor ou sabor do mesmo a ponto de ele não ser apetecível ou até impróprio para o consumo humano. A qualidade microbiana do leite cru é crucial para a produção de alimentos lácteos de qualidade. A deterioração microbiana de alimentos geralmente envolve a degradação de proteínas, carboidratos e gorduras pelos microrganismos ou suas enzimas enquanto afetam as características organolépticas do leite.

No leite, os microrganismos que estão envolvidos na deterioração são principalmente os psicrotróficos. A maioria é destruída pelas temperaturas de pasteurização, alguns, porém, como as Pseudomonas fluorescens e Pseudomonas fragi podem produzir enzimas que são estáveis ao calor e capazes de causar deterioração.

A contaminação do leite por bactérias psicrotróficas é considerada o fator mais crítico que influencia a manutenção da qualidade do leite refrigerado. Microrganismos psicrotróficos estão amplamente distribuídos na natureza, podendo ser encontrados na água, no solo, nas plantas e nos animais. Algumas espécies e linhagens de Bacillus, Clostridium, Cornebacterium, Arthrobacter, Lactobacillus, Microbacterium, Micrococcus e Streptococcus podem sobreviver à pasteurização e crescer em temperaturas de refrigeração que podem causar problemas de deterioração. Bactérias psicrotróficas pertencem a diversos gêneros que podem se multiplicar em temperaturas baixas, mas a sua temperatura ótima de crescimento pode variar. Muitas são mesófilas e crescem mais lentamente a temperaturas mais baixas.

Do ponto de vista da qualidade do leite, as bactérias psicrotróficas são o grupo que mais contribui para deterioração do leite e produtos lácteos.

Devido à coleta a granel e armazenamento nas indústrias, em alguns casos, o leite é processado somente alguns dias depois da ordenha. Esse período de estocagem, sob refrigeração, leva ao aumento no número dos microrganismos psicrotróficos. Números elevados (da ordem de um milhão por mL) causarão problemas no leite e têm se constituído em um dos principais contaminantes em países onde a prática de refrigeração do leite na fazenda e/ou coleta a granel já estão instaladas.

Altas contagens de microrganismos psicrotróficos estão associadas a salas de ordenha projetadas sem a devida proteção quanto a contaminação do ambiente, deficiências na higiene da ordenha, falhas na limpeza e sanitização do tanque e equipamento de ordenha ou refrigeração inadequada do leite (resfriamento a temperaturas entre 5 e 15°C), ou quando o tempo de estocagem do leite refrigerado é demasiadamente longo. Quando a água utilizada é tratada e as condições de higiene geral são plenamente atendidas, a contagem de bactérias psicrotróficas é baixa, mas, se são ruins, estas podem corresponder a 75% ou mais do total da população bacteriana.

Em condições ideais de desenvolvimento, ou seja, com nutriente e temperatura adequada, bactérias podem duplicar de população a cada 20 minutos. Nesse ponto, o leite é o melhor nutriente que uma bactéria pode desejar.

Uma simples cloração da água utilizada na sala de ordenha, mantendo níveis de até 5 mg/L de cloro, contribui significativamente com a redução da contaminação do leite e potencializa os processos de limpeza da sala e de higienização de equipamentos de ordenha.

JOÃO LUIS DOS SANTOS

Mestre em engenharia agrícola pela Unicamp/Feagri na área de concentração de águas e solo. Atua a mais de 15 anos no desenvolvimento de soluções e tecnologias para tratamento da água na produção animal. Diretor e fundador da Especializo.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JUNIOR MATOS RAFAEL

TAPIRA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/12/2018

Quanto clorar a água de bebida do animal, procedimento igual ao frango de corte, melhora ou contribui em algo na saúde do bicho e/ou na produtividade do leite?
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/02/2019

Caro Júnior, obrigado pela pergunta.

Muitos microrganismos que podem causar problemas a saúde da vaca são veiculados pela água.
A cloração ajuda na melhora da saúde animal que consequentemente melhora e produção e produtividade.
Mas não é apenas a contaminação microbiológica que coloca em risco o desempenho animal.
No artigo que falamos sobre qualidade química e física apontamos outros aspectos ligados a água que podem afetar o desempenho.

Abraços
VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/11/2018

Artigo muito bem oportuno, vejo uma grande parte dos produtores lavando seus equipamentos conforme instrução dos fabricantes, porém os tanques de resfriamentos são lavados com detergentes neutro e enxaguados com água sem nenhum tipo de tratamento, esse artigo vai de encontro a uma ferida que ainda esta aberta.
Parabéns pela divulgação, não podemos perder o foco.
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/11/2018

Wagner, obrigado pelo comentário e apoio.
Penso que ainda temos um longo caminho nesta jornada pela qualidade de nosso leite.
Realmente não podemos perder o foco e temos que nos ater ao minimos detalhes.
Afinal, os detalhes e aquilo que não damos valor são, no fim, o que fazem a diferença.

Abraço e sucesso.