FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Interpretação de análises de qualidade da água de propriedade pecuárias

POR JOÃO LUIS DOS SANTOS

GESTÃO DA ÁGUA

EM 19/02/2020

4
4

Embora percebida como um recurso fundamental para a produção, a água sempre foi deixada a margem nas discussões técnicas da cadeia produtiva ou mesmo nas salas de aula e, agora, o setor busca recuperar a água perdida.

O impacto, positivo ou negativo, que a água pode causar em cada sistema de produção não será conhecido sem que ela seja analisada e tenha seus resultados interpretados.

A presença de determinados contaminantes pode gerar prejuízos que nunca foram percebidos como tal pelo simples fato de que nunca foram analisados e avaliados, medidos, e, por isso, são entendidos e tratados como problemas comuns no dia a dia ou até mesmo tratados com medicamentos.

Sistemas pecuários que priorizam a alta performance e avaliam ganhos ou perdas em gramas e até miligramas não podem ignorar o impacto da água no desempenho, produção e produtividade.

A perda de um grama a cada quilo pode ser insignificante para um pequeno produtor, mas representar um alto impacto para a indústria.

O entendimento sobre o que é água de qualidade para a pecuária sempre causa confusões e interpretações controversas. A interpretação da qualidade da água na pecuária deve ser fundamentada na tolerância, necessidade e impactos que essa possa causar em toda cadeia produtiva.

A Instrução Normativa Nº 77, de 26 de novembro de 2018 no artigo 9 apenas menciona que o plano de qualificação deve contemplar a qualidade da água. Mas o guia do Plano de Qualificação e Fornecedores de Leite – PQFL, no item 4.5 “Qualidade a água” orienta que “Objetivando o suprimento de água de boa qualidade para os animais e para a higienização dos equipamentos, devem ser estabelecidos procedimentos que visem a adequada proteção e captação das fontes naturais e higienização dos reservatórios. Para a água destinada a higienização de equipamentos, procedimentos de cloração e monitoramento devem ser estabelecidos.” Reservatórios limpos e água clorada representam alto padrão de qualidade.

Num país continental como o Brasil, com cinco tipos de biomas tão diferentes, a variação da qualidade da água torna a definição de um padrão de qualidade para a pecuária um desafio monumental.

O primeiro passo para definição de um padrão de qualidade que contribua com o desempenho, produção e produtividade é conhecer a água. Para isso, torna-se necessário analisar periodicamente e compilar dados.

A interpretação dos resultados de uma análise de água são complicados. Não pela complexidade de entendimento e avaliação, mas porque, ao olhar para os dados, é necessário que alguns fatores sejam considerados antes de fazer uma recomendação específica.

Estabelecer um padrão, dentro de limites adequados à realidade econômica e geográfica, mas que contribuam com melhores resultados, deve ser uma busca incessante quando o tema é qualidade da água.

Cada água tem um DNA ou uma digital exclusiva. Mesmo propriedades vizinhas podem ter água muito diferentes. Por isso, combinar a nutrição animal com o que a água já oferece de minerais pode ser uma opção a ser considerada no que se refere aos impactos que se originam na composição química da água. Na questão microbiológica, conservar as fontes livres de contaminação externa, filtrar e clorar resolve mais de 80% das possíveis contaminações.

Produzir sem conhecer a água e os efeitos positivos ou negativos que ela oferece é o mesmo que tentar tirar leite no escuro. Não se trata apenas de águas ruins que tragam prejuízos, mas águas boas que podem ser aliadas na reposição mineral, por exemplo, e não estão sendo bem utilizadas.

Analisar e interpretar, além de conhecer a tolerância, necessidade e impactos que a água poda causar em toda cadeia de produção é essencial para o uso correto deste insumo que por tantos anos foi ignorado e agora pode ser o que fará a diferença nos lucros da produção pecuária.

Resumo o tema que será apresentado no VI Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos – Há 10 anos promovendo o debate técnico e científico sobre a sustentabilidade dos recursos hídricos e produção animal.

JOÃO LUIS DOS SANTOS

Mestre em engenharia agrícola pela Unicamp/Feagri na área de concentração de águas e solo. Atua a mais de 15 anos no desenvolvimento de soluções e tecnologias para tratamento da água na produção animal. Diretor e fundador da Especializo.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ECOSOLUTIONS MILK

ARAPOTI - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 20/02/2020

Para o controle microbiológico você cita, o uso de cloro. O uso de radiacão ultra violeta pode ser utilizado com eficiência e substituindo o cloro?
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/02/2020

Prezado(a), obrigado pela pergunta.

O que não pode ser medido não pode ser controlado.
Processos de desinfecção requerem controle do produto dosado.
O cloro, utilizado a mais de 100 anos no tratamento da água, é, indiscutivelmente, o melhor sanitizante no que tange a todas características necessárias para tal.
A necessidade de manutenção de um residual do desinfetante ao longo de toda distribuição decorre da ocorrência da contaminação iminente de reservatórios e redes de distribuição.
O uso da radiação ultra violeta só é eficaz em sistemas blindados, tubulações em aço inox e quando a água é imediatamente utilizada após sanitizada.
Na pecuária leiteira talvez atendesse apenas a água de higienização, mas ainda assim a água deve ter uma turbidez muito baixa para ser eficaz o processo.
Pro todos estes motivos e o custo dos dois processos, a cloração ainda é a mais segura e de menor custo e por isso é recomendada no Plano de Qualificação e Fornecedores de Leite - PQFL.
Fico a disposição para outras dúvidas e esclarecimentos.

Abraço e sucesso.
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/02/2020

A verdade é que não estamos fazendo o dever de casa, muitas vezes a água utilizada para os animais é a pior possível, e para a utilização para limpeza da ordenha e tanque, pior ainda!
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/02/2020

Caro João Leonardo, obrigado pelo comentário.

Ainda há tempo de mudar essa realidade.
Continuamos convictos e trabalhando para isso.

Abraço, muito trabalho e sucesso.