ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Em 2 minutos, qual a sua percepção sobre a qualidade da água utilizada na sua produção leiteira?

POR JOÃO LUIS DOS SANTOS

GESTÃO DA ÁGUA

EM 26/05/2020

8 MIN DE LEITURA

0
3

O Manual para Elaboração do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL), além de conter tópicos relacionados à Boas Práticas Agropecuárias (BPA) e pontos fundamentais para o atendimento às Instruções Normativas n° 76 e 77/2018 do Ministério da Agricultura (Mapa), inclui recomendações e exemplos práticos que visam auxiliar empresas, técnicos e produtores na aplicação dos requisitos previstos nesta nova legislação, que com certeza irão ser definitivos para a melhoria do leite nacional.

No item 4.1 Ferramentas para o diagnóstico de situação há um guia contendo perguntas de orientação para elaboração do plano, no qual uma das questões é a 4.7 A qualidade da água fornecida aos animais é boa?

A avaliação de quais parâmetros devem ser considerados a fim de estabelecer se uma água é boa ou não requerem algumas observações, percepções e análises do contexto geral da água de cada propriedade.

No mesmo documento, ainda no capítulo 4, ocorrem as seguintes perguntas no item 5 do check list:

  • 5. Qualidade da água
  • 5.1 As fontes de captação de água são devidamente isoladas?
  • 5.2 Os reservatórios de água são periodicamente higienizados?
  • 5.3 Há registro da higienização dos reservatórios de água?
  • 5.4 A água utilizada na limpeza de equipamentos é potável?
  • 5.5 São realizadas análises para avaliação da qualidade da água?
  • 5.6 Existe algum tratamento da água?

O documento ainda verifica que há pontos importantes a serem enfatizados nos quesitos planejamento, gestão, monitoramentos, ações e verificações e auditorias.

Quadro 1. Ações importantes para implantação e avaliação contínua do PQFL no quesito água.

qualidade da agua PQFL leite
Fonte: Manual para Elaboração do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL)

Fundamentado nestes pontos destacados por profissionais do setor leiteiro, que se ampararam em normas e legislação vigentes, como às Instruções Normativas n° 76 e 77/2018 do Ministério da Agricultura (Mapa), elaboramos um questionário com 10 perguntas que avaliam exatamente os mesmos pontos.

O questionário foi enviado por um mês, todas semana, para um universo de mais de 100.000 produtores de leite buscando obter dados para levantamento da percepção e qualidade da água nas propriedades.

Ele contém 10 perguntas com respostas de múltipla escolha, sendo que 8 focam nos requisitos do manual e duas são de identificação. A identificação não é obrigatória exceto se o produtor de leite desejar receber a avaliação de suas respostas, o quão próximo está do ideal, o que precisa fazer para se adequar e como ele está quando comparado com os demais produtores que responderam. O sistema informa que quem respondeu dedicou em média 2 minutos para concluir a pesquisa.

Esta avaliação foi oferecida gratuitamente, mas a baixa adesão, por si só, já revela a pouca importância dada ao tema. Apenas 23 produtores dedicaram 2 minutos de seu tempo para responder o questionário.

O ideal seria que obter no mínimo 10.000 respostas de produtores de norte a sul do país para se ter uma ideia mais próxima e representativa da realidade. Entretanto, as respostas obtidas não estão distantes da percepção que tenho dentre todos produtores que já visitei e profissionais que converso.

Caso seja um profissional da área, de uma cooperativa ou empresa produtora de leite, ou mesmo de um setor ligado ao seguimento leiteiro, ajude a divulgar o link para acesso a pesquisa:  Qualidade da água na produção leiteira.

A resposta dada a cada pergunta atribui uma pontuação que no fim somadas indicar em que % cada produtor atende os requisitos recomendados pelo manual.

Na sequência segue a avaliação estatística das respostas recebidas.

Pergunta 1. A qualidade da água fornecida aos animais é boa?

A pergunta tem como objetivo avaliar a percepção que o produtor tem sobre a sua água.

Quadro 2: Avaliação da percepção da qualidade da água.

Gráfico 1: Avaliação da percepção da qualidade da água de dessedentação animal.

Embora 56% considerem a água boa, afirmam que não beberiam desta água. Isso demonstra que o produtor sabe que algo não está de acordo. Essa percepção pode ser sensitiva, ou seja, gosto, odor, cor ou turbidez ou mesmo técnica como ausência de tratamento que leva o produtor a deduzir que não deve consumir essa água. Assim, se não deve consumir também não deveria utilizar na produção de leite. 13% assumem que essa água é totalmente imprópria para uso na produção de leite.

Pergunta 2: As fontes de captação de água (superficial ou subterrânea) são devidamente isoladas?

A pergunta 2 é simples, visa identificar se os animais têm acesso a fonte de água ou se estas estão devidamente isoladas. Aqui o objetivo é evitar não apenas a ingestão desta água, uma vez que isso não seria possível em um poço por exemplo, mas também se a fonte está protegida da contaminação que estrume e urina podem causar.

Quadro 3: Proteção das fontes de água.

A percepção deste ponto é boa, quase 50% garantem que não há acesso e 22% que apenas precisam fazer melhorias para garantir que não haja acesso.

Gráfico 2: Proteção das fontes de água.

Pergunta 3. Qual é a sua fonte de abastecimento de água?

Neste ponto, a intenção está mais relacionada a um levantamento dos tipos de fontes mais utilizados. Utilizando o critério de pontuação, considere que 5 é a maior nota e, portanto, a fonte mais segura e 1 a fonte menos segura.

Quadro 4: Tipos de fonte de água.

As respostas revelam que 30% dos produtores utilizam água superficial, ou seja, rio ou açude. Estas são águas altamente susceptíveis a contaminação por atividades antrópicas. 48% utilizam água de nascentes e isso é bom, desde que estas nascentes sejam devidamente isoladas e protegidas. Ainda, o desvio deve ocorrer apenas da água a ser utilizada, sem desperdícios, permitindo que o excedente continue em seu curso natural mantendo o equilíbrio do meio ambiente. 21% fazem uso da fonte mais segura, poços profundos, aquele que atinge a rocha.

Gráfico 3. Tipos de fonte de água.

Pergunta 4: Os reservatórios de água são periodicamente higienizados e há registros da limpeza?

Fator importante na manutenção da qualidade da água, a higienização dos reservatórios deve ser realizada a cada 6 meses. Entretanto muitos produtores talvez nunca tenham visto seus reservatórios por dentro.

Quadro 5. Higienização dos reservatórios.

Surpreendentemente quase 40% afirma higienizar os reservatórios a cada 6 meses. Isso corrobora com a informação dos 30% que afirmam que beberiam a água na pergunta 1. Mas, 60% não fazem limpeza periódica, sendo que quase 40% praticamente nem sabe dizer se já fizeram essa higienização.

Gráfico 4. Higienização dos reservatórios.

Pergunta 5. A água utilizada na limpeza de equipamentos é potável?

Entrando na operação, essa pergunta é mais incisiva e tem objetivo de fazer com que o produtor tenha conhecimento da qualidade da água utilizada na sala de ordenha.

Quadro 6: Qualidade da água na ordenha.

Embora na pergunta 1, percepção geral da qualidade, apenas 30% tenham afirmado que beberiam desta água, aqui 56% fazem a mesma afirmação. Isso pode indicar que na sala de ordenha a água tenha algum tratamento diferenciado da água de uso geral.

Gráfico 5: Qualidade da água na ordenha.

Pergunta 6. São realizadas análises frequentes para avaliação da qualidade da água?

A análise é fundamental para que o produtor comece a conhecer os impactos da água na produção, produtividade e qualidade do leite. Há fatores diretos de relação, mas infelizmente 52% afirmam que nunca analisaram a água.

Quando 7. Análise da água.

Temos que observar nesse ponto que é no mínimo paradoxal que, embora 56% afirmem que beberiam da água utilizada, apenas 13% analisaram a água que possivelmente beberiam. O ideal é que seja analisada mensalmente em laboratório e diariamente monitorada no local.

Gráfico 6. Análise da água.

Pergunta 7. Existe algum tratamento da água?

Causa espanto identificar que 52% não tratam a água sabendo que este procedimento é uma norma e que tem impacto fundamental na redução de CBT. Por outro lado, é bom perceber que 39% fazem a cloração e 9% um tratamento completo.

Quadro 8. Tratamento da água.

Gráfico 7. Tratamento da água.

Pergunta 8. Há suprimento (quantidade) adequado de água limpa para as operações de ordenha?

A quantidade de água é um fator definitivo para se obter qualidade. O produtor deveria ter um armazenamento suficiente para pelo menos 3 dias de operação caso ocorra algum problema no abastecimento e tenha tempo para buscar outra fonte de abastecimento sem prejudicar a produção e a qualidade do leite.

Quadro 9. Suprimento em quantidade de água.

Este é o quesito mais bem avaliado no geral, 87% afirmam ter água suficiente sem prejuízos mesmo durante a operação e maior demanda.

Gráfico 8. Suprimento em quantidade de água.

Na classificação geral temos abaixo em termos de % o quanto os produtores estão atendendo cada um dos requisitos orientativos do manual e das normas vigentes.

Quadro 10. Classificação geral e pontuação média por pergunta respondida.

Nesse quadro temos as perguntas e a pontuação média alcançada em % de atendimento aos requisitos do manual e das normas. Quanto mais próximo de 100% mais próximos estão de atender as recomendações de boas práticas na gestão da qualidade e quantidade da água.

Neste ponto é difícil avaliar que, se a pontuação média nos quesitos tratamento (P7) e análise (P6) são respectivamente 61% e 54%. as respostas que avaliam a qualidade, P1 e P5 estariam na faixa de 80%.

O que podemos inferir é que possivelmente, o conceito de qualidade de água ainda não seja percebido da forma correta por produtores e profissionais do seguimento leiteiro.

No gráfico que segue temos por faixa de atendimento a quantidade de produtores e a % alcançada dos requisitos.

Gráfico 9. Pontuação por faixa de atendimento.

Na avaliação individual, 3 produtores atendem entre 91-100% das recomendações. Se pegarmos a faixa entre 71-90% teremos 12 produtores o que indica que falta pouco para evoluírem pata a faixa d 91-100%. 7 produtores estão abaixo de 60% do atendimento o que exige um empenho extra para se adequar.

Quanto a localidade, apenas 10 dos que responderam se identificaram como sendo da região Sudeste.

Quanto a faixa de produção de leite pode ser vista no gráfico que se segue e nota-se que 56% dos produtores produzem menos de 1000 litros de leite por dia.

Gráfico 10. Faixa de produção de leite.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

JOÃO LUIS DOS SANTOS

Mestre em engenharia agrícola pela Unicamp/Feagri na área de concentração de águas e solo. Atua a mais de 15 anos no desenvolvimento de soluções e tecnologias para tratamento da água na produção animal. Diretor e fundador da Especializo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint