ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

6 dúvidas frequentes sobre pastejo rotacionado

EDUCAPOINT

EM 09/10/2018

0
0
O sistema de pastejo rotacionado consiste na divisão da área em piquetes de acordo com a forrageira utilizada (número de dias de descanso) e dias de ocupação (tempo que os animais permanecem no piquete).

A utilização desse sistema pode trazer muitos benefícios ao sistema produtivo: maior controle sobre o pasto, uniformização do manejo de desfolha, facilidade na adubação e manejo das áreas em descanso; proporcionando assim maior eficiência do sistema como um todo. Para obter estes benefícios, é necessário conhecer e executar de forma eficiente as práticas de manejo recomendadas.

No entanto, ainda existem muitas dúvidas e muitos mitos envolvendo esse sistema. Confira abaixo alguns mitos e dúvidas muito comuns:

1. É possível utilizar o pastejo rotacionado em todo o território nacional?

Por se tratar de um sistema intensivo e que demanda a construção de cercas e adubação das áreas, esse sistema pode não ser viável em algumas regiões, como por exemplo, no Pantanal. Sistemas como o do Pantanal requerem outros objetivos e, principalmente, por serem ecossistemas naturais, não podem ser alterados.

Outra limitação poderia ser fazendas muito grandes e ainda pouco desbravadas, que demandam um sistema menos intensivo, não por seu potencial, mas sim, pela sua área muito extensa, que acaba inviabilizando a intensificação.

2. É necessário suplementar os animais no inverno no sistema de pastejo rotacionado?

Por ser um sistema que aumenta a produção, muitos pensam que há aumento de pasto também no inverno e, por isso, não há a necessidade de suplementar os animais. No entanto, isso não é verdadeiro. O sistema de pastejo rotacionado acaba piorando a estacionalidade de produção de forragem, pois, com o aumento da taxa de lotação, aumenta o número de animais na área e no inverno.

Como a estacionalidade ocorrerá normalmente, é necessário suplementar mais animais, pois há mais animais para se alimentar em comparação a uma área que suportaria menos animais.

3. O pastejo rotacionado garante maior ganho de peso por animal individualmente?

A maioria das pessoas também acredita que, ao utilizar pastejo rotacionado, os animais ganharão mais peso individualmente. No entanto, isso não é verdadeiro. No pastejo extensivo, o animal por ter uma vasta área para pastejar, acaba selecionando mais o capim e, por isso, ganha mais peso. Isso ocorre apesar de eles caminharem mais para pastejar.

Os animais acabam engordando mais e produzindo mais leite, pois selecionam mais o capim. Essa seleção permite que os animais consumam folhas novas, com alto teor de proteína e baixa fibra, o que os faz ganhar mais em função do maior aproveitamento do capim.

No sistema de pastejo rotacionado os animais não selecionam o capim, mas, ao se colocar mais animais na área, certamente ocorre um ganho maior por área, viabilizando o sistema. Isso pode ser associado a ferramentas de manejo, como por exemplo, deixar os animais mais exigentes pastejarem primeiro.

4. Existe a forrageira certa para se utilizar no pastejo rotacionado?

Ainda há muitas discussões com relação à espécie ou cultivar utilizados no sistema. Muitas pessoas ainda esperam a “forrageira milagrosa”. No entanto, isso não existe. O melhor capim para ser utilizado no sistema de pastejo rotacionado é aquele adequado ao sistema da fazenda, que atenda às suas necessidades e que se encaixe dentro do sistema (inclusive, economicamente falando).

5. É verdade que não é preciso adubar a pastagem no sistema rotacionado?

Não é verdade. Para se alcançar altas taxas de lotação é necessário adubar o pasto de forma viável e adequada ao sistema da fazenda. Afinal, fazendo uma analogia, não é possível um atleta de elite obter resultados sem se alimentar direito.

6. O pastejo rotacionado serve apenas para gado de elite?

Não, todos os animais do rebanho podem se beneficiar em pastejar em sistema rotacionado desde que tenha lugar para todos os animais. O sistema serve principalmente para animais mais produtivos, de potencial para ganho, mas pode atender todos os animais desde que seja bem dimensionado. O mais importante nesse caso é que o sistema seja planejado e bem manejado.

Você tem mais dúvidas sobre o sistema de pastejo rotacionado? Sabe como implementar, ajustar a taxa de lotação e qual o período de ocupação recomendado? Todas estas perguntas (e várias outras) são respondidas durante o curso on-line Sistema de lotação rotacionada de pastagem: manejo e aplicação, ministrado por  Marco Aurélio Factori.

Clique aqui para conhecer a plataforma EducaPoint. Assinando a plataforma, você terá acesso ilimitado a centenas de cursos, ministrados por grandes especialistas das mais diversas áreas. Já são mais de 120 temas e a assinatura permite a participação em TODOS OS CURSOS! Conheça mais sobre os planos de assinatura.
 
Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082
www.educapoint.com.br

 


Referência: 

Principais questionamentos sobre o sistema de pastejo rotacionado.

Dúvidas, críticas ou sugestões de temas? Envie um e-mail para contato@educapoint.com.br

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.