ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Parto no início do verão: vacas exigem boas condições corporais e resfriamento adequado

POR ISRAEL FLAMENBAUM

COWCOOLING - FLAMENBAUM & SEDDON

EM 17/03/2021

6 MIN DE LEITURA

0
5

Atualizado em 17/03/2021

No inicio do verão, manter os animais em boas condições corporais e com temperatura adequada é inquestionável, e em períodos de parto a necessidade aumenta.

Sistemas de resfriamento eficientes baseados na evaporação da água da superfície do corpo das vacas foram desenvolvidos nas últimas quatro décadas em setores leiteiros de países de clima quente.  

O principal efeito do resfriamento é a redução da queda do consumo alimentar decorrente do estresse calórico, além da queda normal do consumo alimentar no início da lactação, decorrente da mobilização das reservas corporais e com todos os seus significados metabólicos.

Há poucos anos, realizamos uma pesquisa na qual estudamos a possibilidade, aumentando, por meio de manipulações dietéticas no final da lactação e período de seca, as reservas corporais (Escore de Condição Corporal, ECC) de vacas programadas para parir no início do verão, para compensar a baixa ingestão de alimentos pela vaca no início da lactação, que ocorre em condições estressantes de verão.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of the American Dairy Association (a fonte aparece no final do artigo).

Oitenta vacas adultas, com previsão de parir no final da primavera e início do verão, foram distribuídas aleatoriamente no último trimestre da lactação em dois grupos. A condição corporal das vacas foi manipulada através da concentração de energia da dieta no final da lactação e período de seca para atingir alta (3,50) e baixa (2,75) condição corporal ao parto (aumentando ou reduzindo a quantidade de energia consumida, de acordo com o grupo de condição corporal da vaca foi atribuído).

Após o parto, as vacas de ambos os grupos foram designadas aleatoriamente a um dos dois tratamentos. Um dos tratamentos consistiu no resfriamento das vacas por meio de ciclos combinados de molhamento e ventilação forçada (30 segundos de molhamento a cada 5 minutos), administrados por uma duração de 30 minutos a cada vez, 7 vezes ao dia (a cada 2-3 horas).

Devido a limitações técnicas, pudemos medir apenas a ingestão alimentar das vacas (em uma base de grupo), para comparar vacas resfriadas e não resfriadas.

Vacas resfriadas consumiram significativamente mais comida durante o início da lactação no período de verão (19,4 contra 17,8 kg/dia), enquanto o consumo de água das vacas resfriadas foi cerca de 10 litros por dia menor do que o das vacas controle (93 contra 103 litros por dia), respectivamente.

A temperatura corporal média diária das vacas resfriadas, foi inferior à das vacas controle, 38,7°C e 39,2°C, respectivamente. A temperatura corporal máxima diária foi de 38,9°C, vs 39,7°C nas vacas resfriadas e controle, respectivamente.

As medições da temperatura corporal nos dizem muito sobre a eficácia do tratamento de resfriamento que as vacas recebem (manter as vacas abaixo de 39,0°C) ao longo do dia. Voltarei a esse importante resultado ao discutir os resultados de fertilidade apresentados neste artigo.

Produção de leite

A produção de leite e sua composição nos 85 dias de pico de verão (meados de julho - final de setembro), são mostradas na Tabela 1.

Tabela 1 - Produção média diária de leite, gordura do leite, proteína e sólidos totais do leite, em vacas que se exercitaram em alto e baixo Escore de Condição Corporal, com e sem resfriamento intensivo no início da lactação ocorrendo no verão

Do apresentado na tabela 1, podemos ver um claro efeito positivo do tratamento de resfriamento de verão na produção de leite, bem como no teor de sólidos.

No entanto, um escore de condição corporal mais alto em lactações que começam no início do verão tem um efeito positivo na produção de leite e, especialmente, em seu teor de sólidos totais. Estar com mais reservas de energia corporal nessas vacas é vantajoso, principalmente em vacas que não são resfriadas.

A elevada condição corporal ao parto, modera a diminuição da produção de leite e de sólidos do leite no início da lactação, após a exposição a condições de estresse por calor.

Os resultados deste estudo mostram que, maior escore de condição corporal ao parto, conforme recomendado, em combinação com o resfriamento intensivo das vacas no início da lactação, quando isso ocorre no verão, dá os melhores resultados.

Por outro lado, o pior ocorre quando as vacas parem em baixa condição corporal e são expostas a condições de estresse térmico no início da lactação que ocorre no verão. Como pode ser visto na tabela, essas vacas produziram menos leite e menos sólidos do leite e, como veremos mais adiante neste artigo, também sofrerão de traços de baixa fertilidade na lactação subsequente.

Fertilidade

A relação entre a condição corporal ao parto, ocorrida no início do verão, e diferentes parâmetros relacionados à fertilidade da vaca na lactação subsequente de vacas resfriadas versus  não resfriadas são apresentadas na Tabela 2.

Tabela 2 - Relação entre a condição corporal de vacas que parem no início do verão e o tratamento de resfriamento durante o verão, tempo para renovação da atividade ovariana, manifestação dos sinais de estro e concepção

A partir do apresentado na Tabela 2, pode-se observar que o parto em boa condição corporal, conforme recomendado, e o resfriamento das vacas no início da lactação, ocorrendo no verão, estão ambos positivamente relacionados ao retorno mais precoce das vacas à atividade sexual normal após o parto.

Como visto antes, no que diz respeito à produção de leite, também neste caso, as vacas que pariram em baixo escore de condição corporal e não foram resfriadas no início da lactação no verão, foram as mais inferiores e tiveram o maior tempo para retornar à atividade reprodutiva normal após parto.

Devido ao número limitado de inseminações realizadas no verão nesta pesquisa, não foi possível analisar as taxas de concepção, separadamente, para cada um dos quatro sub-tratamentos do experimento. Diante disso, resolvi apresentar neste artigo as taxas de concepção de vacas resfriadas versus não resfriadas, onde foi obtido o resultado mais significativo.

A melhora na taxa de concepção obtida com o resfriamento das vacas deste estudo foi a mais conhecida por mim na literatura, e decorre do fato de vacas resfriadas estarem em "conforto térmico" (abaixo de 39,0oC), durante todo o dia, por todo o período de estudo.

Esses resultados diferem de outras publicações, bem como da situação em rebanhos leiteiros comerciais em Israel, que tendem a resfriar as vacas adequadamente.

O que descobrimos nessas fazendas, é que elas não são capazes de manter as vacas em conforto térmico durante todo o dia, portanto, as vacas passam por poucas horas de estresse por calor (acima de 39,0oC), todos os dias. Esta situação leva a uma certa diminuição da taxa de concepção de verão, ainda que bastante acima dos níveis normais de verão, mas ainda 10 unidades percentuais abaixo dos níveis de inverno.

As vacas que pariram em alta condição corporal e foram resfriadas no início da lactação no verão perderam menos peso corporal após o parto e estavam em melhor condição corporal durante o período de inseminação. Muito provavelmente, esse fato pode ter contribuído para a melhora obtida nas taxas de concepção obtidas na inseminação administrada a essas vacas no verão.

Pode-se resumir que, para atingir os níveis de concepção de inverno, no verão, é necessário, além de resfriá-las e mantê-las em conforto térmico durante todo o dia e todo o verão, que as vacas com previsão de parição no início do verão, tenham o parto em boas condições corporais, conforme recomendado.

Isso é especialmente importante em condições em que, por diferentes razões e limitações, os produtores não são capazes de resfriar suas vacas de uma maneira que as impeça totalmente de sofrer estresse térmico. Essas vacas, são encontradas em parte do dia em temperaturas corporais acima do normal, como ainda é a realidade hoje, na maioria das fazendas leiteiras em Israel e no mundo.

Praticamente, minha recomendação é avaliar a condição corporal daquelas vacas que entram no último trimestre de gestação e no início do último trimestre de gestação.

Recomendo separar as vacas com condição corporal inferior a 3,0, e alimentá-las com dieta com maior densidade energética no final da lactação, e se necessário, também no período de estiagem, para atingir, na medida do possível, a condição corporal mais próxima da faixa de 3,50 a 3,75.

Fonte do artigo: Flamenbaum I., Wolfenson D., Kunz P. L., and Maman M.  (1995) Interactions between Body condition at calving and cooling of dairy-cows during lactation in summer.  J. Dairy Sci.  78: 2221-2229.

 

ISRAEL FLAMENBAUM

Especialista no estudo do estresse térmico em vacas leiteiras, professor na Hebrew University of Jerusalém, tem ministrado cursos e treinamentos sobre o assunto em diversos países.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint