Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Fonterra limita suplementação alimentar dos animais

postado em 28/06/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Nova Zelândia tem uma reputação global para a produção de produtos lácteos naturais de vacas criadas a pasto. No entanto, hoje, apenas uma pequena porcentagem dos rebanhos leiteiros da Nova Zelândia é exclusivamente criada a pasto. A DairyNZ estima que na estação de 2013-14, 30% dos rebanhos leiteiros foram criados a pasto em sistemas com baixo aporte de insumos, com suplementação alimentar limitada a 14% da ingestão total de alimentos.

Quase uma porcentagem igual foi realizada em sistemas de alto aporte de insumos, com as importações de alimentos para animais representando pelo menos 20% da ração. Os sistemas de alto aporte de insumos cresceram em popularidade desde a estação de 2000-01, quando 70% dos rebanhos leiteiros eram a pasto em um sistema de baixo aporte de insumos. O uso de suplementação alimentar provavelmente atingiu o pico junto com o preço do leite em 2014.

Fonterra limita suplementação alimentar dos animais

A Nova Zelândia ultrapassou a Europa como o maior importador mundial de extrato de palma (PKE) em 2014. A PKE é vista como uma das formas mais baratas e eficazes de aumentar a produção de leite, particularmente quando o crescimento da pastagem é insuficiente.

A Nova Zelândia importou um recorde de 2,22 milhões de toneladas de alimentos animais para suplementação em 2015. Entretanto, relatos sugerem que os comerciantes de alimentos estocaram mais produtos do que seus clientes do setor de lácteos queriam, e as importações de PKE em 2016 diminuíram em um terço, para o menor volume em quatro anos.

Os preços do leite diminuíram bastante, deixando os produtores de lácteos com pouco dinheiro para gastar em alimentos como o PKE, de forma que eles passaram a depender mais das pastagens. Ao mesmo tempo, alguns processadores de leite começaram a desencorajar o uso de PKE. Em setembro de 2015, a Fonterra emitiu diretrizes voluntárias aos produtores de que não deveriam fornecer mais de 3 kg de PKE para cada vaca por dia.

Fonterra limita suplementação alimentar dos animais

Restrições ao PKE reduzem a capacidade de responder aos preços do leite

A DairyNZ recomenda 6 kg de PKE por dia para dietas de emergência durante a seca. Em agosto de 2016, o Landcorp, de propriedade do governo, disse aos produtores de leite que usavam suas terras que deveriam interromper o uso de PKE até este mês. Existem 55 mil vacas nas pastagens do Landcorp.

Em breve, os limites da Fonterra ao uso de PKE não serão voluntários. Além das preocupações ambientais, a cooperativa descobriu que o alto uso de PKE altera as proporções de ácidos graxos no leite e resulta em uma gordura que é "difícil de processar em produtos como manteiga e não atende aos requisitos do cliente para outros produtos", de acordo com uma carta enviada aos produtores em novembro. A Fonterra desenvolveu um teste para garantir que seus membros adotem os limites de PKE, e a partir da estação de 2018-19, a cooperativa irá penalizar financeiramente os produtores que abusarem do suplemento.

Os produtores de leite podem limitar o uso de PKE aumentando o uso de outros suplementos alimentares ou dependendo mais das pastagens, como muitos fizeram nos últimos anos, quando os preços do leite foram menores. Se o crescimento da pastagem for abaixo da média, muitos produtores serão forçados a gastar em suplementação.

Entretanto, ao restringir o uso da alimentação mais barata, a Fonterra limitou a capacidade de seus membros de responder aos preços mais elevados do leite, aumentando a produção. Sem o PKE, será necessário um aumento mais acentuado dos preços do leite para estimular os produtores da Nova Zelândia a enfrentar os maiores custos de alimentações alternativas.

As informações são do Daily Dairy Report, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade