Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Com Arlon, Betânia planeja fazer investimentos de R$ 100 milhões

postado em 14/07/2017

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A CBL Alimentos SA, dona da marca Betânia - que acaba de concluir a venda de uma participação de 20% de seu capital para o fundo de private equity americano Arlon - planeja investir R$ 100 milhões nos próximos três anos para ampliar as linhas de produção de lácteos em suas unidades e também na construção de uma nova fábrica.

A aquisição da participação minoritária na maior empresa de lácteos do Nordeste pelo Arlon, antecipada pelo Valor, foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em meados de junho e concluída nesta semana.

Em entrevista ao Valor, o diretor-presidente da CBL e acionista majoritário da empresa, Bruno Girão disse que o plano, com a chegada do sócio, é reforçar o foco em produtos de maior valor agregado e aumentar a presença da marca Betânia em regiões do Nordeste onde ainda tem pouca penetração.

Numa primeira fase, o projeto é ampliar as linhas de produção de leite longa vida e de iogurtes nas unidades que já fabricam esses itens, segundo Girão. Para isso, será necessário elevar a captação de leite, que hoje é de 730 mil litros diários. A meta é alcançar 1 milhão de litros por dia em dois anos. Atualmente, a Betânia recebe leite de produtores do Ceará, onde está sediada, além de Pernambuco, Sergipe, Paraíba e Bahia. "Nossa capacidade [de produção] está perto do limite", afirmou o empresário.

Ele vê espaço para crescimento em leite longa vida na região Nordeste, uma vez que o consumo de leite em pó ainda predomina na região. Também aposta em produtos derivados lácteos focados na baixa renda. Além disso, a Betânia pretende aumentar a presença no mercado baiano e em Estados como Maranhão e Piauí. Hoje, já é líder no Ceará, Sergipe, Pernambuco e Paraíba, onde tem fábricas.

O plano de construir uma nova unidade, segundo Girão, já estava no radar da Betânia antes mesmo da entrada do sócio, com o qual a empresa começou a conversar há quase um ano. De acordo com ele, a companhia estuda em que região da Bahia pode construir uma nova unidade - se nas proximidades de Salvador ou no oeste baiano. Inicialmente, a fábrica produziria queijo e depois leite longa vida.

Ele reconheceu que a entrada do sócio deve facilitar os investimentos nos próximos anos. "O grande benefício é que se abrem oportunidades para a Betânia. Eles são uma chancela, favorecem o acesso ao crédito", afirmou, em referência ao Arlon. 

Como parte do acordo de compra de participação na Betânia, o Arlon terá um assento no conselho de administração da empresa, representado por seu executivo Bruno Martins Silva. Girão seguirá no comando da empresa.

Entre os fatores que levaram o Arlon a investir na Betânia estão o portfólio de alto valor agregado, a marca reconhecida, a forte cadeia de suprimentos e o potencial de crescimento. "Estamos ansiosos para apoiar a Betânia no seu processo de crescimento", disse Silva.

O Arlon é um gestor de fundos de private equity, que tem como foco o investimento principalmente em empresas ligadas aos setores de agronegócio e alimentício. No Brasil, já tem participação na Sotran SA Logística e Transporte, e na Grano Alimentos S.A, que faz legumes em conserva. A CBL Alimentos, que faturou R$ 678,093 milhões em 2016, é o terceiro negócio do fundo no país.

De acordo com Girão, a previsão é de que o faturamento da Betânia cresça 10% este ano, apesar da queda dos preços dos lácteos. O aumento da distribuição em outros Estados do Nordeste, o avanço na Bahia e a migração dos consumidores para marcas mais baratas têm favorecido a empresa, explicou.

As informações são do Valor Econômico.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

DLuiz de Almeida

Montanha - Espírito Santo - Indústria de laticínios
postado em 17/07/2017

Parabéns Betânia e Arlon. Com certeza por ser a Betânia uma empresa genuinamente Nordestina, vemos como os mesmos ângulos que vislumbram.

Djalma Almeida/Gerência Comercial Laticínios Rezende/Produtos Damare.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade