FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Penetração de oxigênio no silo: reflexões sobre o tema

POR RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

E THIAGO FERNANDES BERNARDES

PRODUÇÃO

EM 17/04/2008

9
0
A conservação da forragem na forma de silagem é caracterizada pela fermentação lática espontânea que ocorre em ambiente anaeróbio, sendo que, os principais agentes fermentadores são bactérias láticas que metabolizam os açúcares e produzem o ácido lático. Desse modo, a manutenção da anaerobiose e a queda do pH constituem os fatores que são responsáveis pela preservação da forragem armazenada, pois os microrganismos capazes de deteriorar a silagem são inibidos pelo efeito sinérgico dos ácidos produzidos durante a fermentação, pela pressão osmótica elevada e pela ausência de oxigênio (Woolford, 1990).

Quanto aos fatores ligados à acidificação da massa, estes são obtidos quando ocorre predominantemente fermentação homolática (Driehuis et al., 1999) e podem ser alcançados com facilidade, por exemplo, na cultura do milho, devido às suas características desejáveis relacionadas a capacidade de fermentação (alta concentração de carboidratos solúveis, baixo poder tamponante e umidade reduzida) (Allen et al., 2003).

O contato da massa com o oxigênio é inevitável durante algumas fases que compreendem o processo de ensilagem (abastecimento do silo, armazenamento e desabastecimento). Segundo Sprague (1974), citado por Woolford (1990) e Pahlow et al. (2003), em um silo bem fechado o O2 presente na massa é consumido rapidamente pelo processo de respiração celular e pela microbiota (microrganismos aeróbios facultativos), pois em 15 minutos cerca de 90% do oxigênio é removido e menos de 0,5% permanece após 30 minutos. Pelo fato do silo não ser ambiente hermético, durante o período de armazenamento o ar penetra no seu interior (Muck et al., 2003), principalmente no topo e nas zonas laterais em contato com a parede (Bolsen et al., 1993), sendo que este problema pode se agravar, sobretudo durante o fornecimento da silagem aos animais (Honig, 1991). A presença de O2 desencadeia a proliferação de microrganismos indesejáveis presentes na massa (leveduras, fungos e bactérias aeróbias) que se desenvolvem a cargo de substâncias energéticas presentes na forragem, acarretando em perdas no valor nutritivo da silagem e redução do consumo pelos animais (Lindgren et al., 1985).

Segundo Bernardes et al. (2005), no Brasil, devido a inobservância dos processos de oxidação de nutrientes pelos microrganismos aeróbios e a, conseqüente, deterioração da silagem, pouca importância tem-se dado na prática, por se tratar na maioria das vezes de um problema assintomático. A impossibilidade de mensurar as perdas totais por manejo inadequado que ocorre nas propriedades rurais e a dificuldade de as determinarem quantitativa e qualitativamente por meio de trabalhos experimentais, resultam em falta do estímulo à percepção e à divulgação de resultados para a economia de produção. Dificilmente os produtores acreditam em perdas elevadas pelo problema de oxidação da massa, pois só consideram aquelas que são visíveis (com presença de fungos), o que subestima as reais perdas envolvidas na ensilagem (Siqueira et al., 2005).

O alvo dos trabalhos até o momento sobre deterioração aeróbia inclui a utilização de ácidos durante a ensilagem (Mills & Kung, 2002), doses de amônia e uréia (Hill & Leaver, 2002), emurchecimento e/ou adição de inoculante microbiano (Castro et al., 2006), aditivos absorventes e disponibilizadores de substrato (Bernardes et al., 2003), bem como métodos de alteração da fermentação com a utilização de bactérias heteroláticas produtoras de acetato e/ou propionato (Higginbotham et al., 1998; Driehuis et al., 2001).

O tema deterioração aeróbia não se limita as questões relacionadas com as perdas, porque o desenvolvimento de microrganismos, como algumas espécies de bactérias (,i>Bacillus, Clostridium e Listeria) e alguns fungos filamentosos podem influenciar nos aspectos ligados a qualidade higiênica da silagem (Lindgren et al., 2002). A multiplicação de clostrideos pode reduzir a qualidade do leite e de inviabilizar a produção de determinados tipos de queijo. O crescimento de fungos pode vir acompanhado pela produção de micotoxinas na massa. Dessa forma, os animais que são alimentados com grandes proporções de silagem na ração (vacas leiteiras) podem intoxicar-se, causando efeitos diretos ao seu desempenho e colocando em risco a saúde humana que utiliza alimentos de origem animal ao longo da cadeia alimentar (Whitlow & Hagler Jr., 1997).

Por estas razões, se faz necessário colocar em ação todas as estratégias para reduzir a penetração de O2 no silo, evitando seus efeitos deletérios, tanto de ordem nutricional como sanitária, durante o armazenamento ou durante o consumo da silagem.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VANESSA FARIA DE ALMEIDA

LUCAS DO RIO VERDE - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 24/05/2008

Rafael e Thiago,

Parabéns pela matéria.

Esse material veio ampliar e muito com meus conhecimentos práticos. Atualmente estamos fazendo silagem de milho. Na teoria parece tudo muito fácil, mas na prática é bem diferente, sempre temos problemas, principalmente em relação a compactação, quantidade de trator (toneladas) suficiente para compactar a massa verde que chega por hora no silo.

Trabalhamos com peso de trator referente a 40% da massa verde cortada por hora e 20% a mais de compactação sobre a quantidade de hora cortada ao dia.

Essa técnica tem nos mostrado um resultado execelente. Além de uma boa compactação a vedação é outro ponto muito importante, que realmente pode compremeter toda a qualidade da silagem.

Trabalhamos com silos de superfície no tamanho grande, para otimizar o espaço próximo a fábrica de ração e em função da quantidade de bois que serão confinados. Observamos também que o controle é um dos fatores essênciais para se ter eficiência em qualquer atividade, por isso pesamos as primeiras cargas para ter uma amostragem do peso e anotamos todas as cargas descarregas nos silos e em cima disso fazemos controle do peso necessário para compactação.

Esse artigo é o material que precisava para melhorar meus conhecimentos teóricos, de forma que possa aplicá-lo no dia a dia do meu trabalho.

Obrigado e um grande abraço.
ROGÉRIO LOPES VIANA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/05/2008

Leonardo. Já fiz uso desse método e verifiquei que houve grande perda de material. Acredito que tal fato se deve pela aeração provocada na silagem. Não aconselho tal procedimento. O melhor seria já ensilar o material na sua propriedade.
Um grande abraço.
LEONARDO LIMA BORGES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2008

Estamos em estudo de compra de silagem de milho já pronta e re-ensilagem (com compactação) em nossa propriedade. Alguém já utilizou esse método ou sabe se mantém as qualidades da silagem?
Obrigado.
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/05/2008

Thiago.

Concordo plenamente que dietas devem ser formuladas por pessoas capacitadas. Não entendo a sua colocação quando você fala que a silagem de 2 cm pode ser a única fonte de fibra e fala de uma relação de concentrado volumoso. Para esclarecer um pouco mais minhas colocações quando falei da necessidade de termos mais fibra além da silagem de 2cm, cito o caso hipotético de uma dieta de vacas em confinamento em que a alimentação é exclusiva de silagem e concentrado (milho + farelo de soja). Com certeza em lotes de alta produção onde o consumo de ração é maior (10-12 Kg), não acredito que as vacas poderão resistir por muitos dias sem que haja problemas de casco, deslocamento de abomaso entre outros. Com certeza em casos que utiliza-se outros volumosos como a pastagem por exemplo, poderemos compensar a deficiência da silagem. Se existirem vacas que suportam dietas em que as maiores partículas são de 2 cm gostaria de conhecê-las.

Um abraço a todos.
THIAGO ALVES DE OLIVEIRA

REGISTRO - SÃO PAULO - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 08/05/2008

Para Valdinei Grapliglia. A silagem cortada em 2 cm pode muito bem ser a única fonte de fibra da alimentação, dependendo da relação volumosos concentrado e do tipo de concentrado que usa, além do grau de processação desse concentrado. Sugiro que contate um técnico especializado em nutrição de ruminantes para formular em sua propriedade.
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/05/2008

Primeiramente parabéns pela matéria.

Pelo que descreve o autor deste texto o principal vilão da conservação da silagem é a presença de Oxigênio no silo, principalmente por não conseguirmos vedar completamente a entrada de ar no silo. Pelo que tenho observado a campo as perdas visuais de silagem são grandes em muitas propriedades e com certeza se analisarmos os valores de oxidação da massa constataremos uma triste realidade, além é claro dos microorganismos indesejáveis que acabam se desenvolvendo e causando inúmeros problemas nos animais alimentados, principalmente em se tratando de problemas reprodutivos.

Vejo que um dos principais fatores que influenciam na manutenção da qualidade da nossa silagem é a compactação do silo, influenciada pelo mau dimensionamento, pela compactação inadequada e principalmente pelo tamanho de partículas. Este último fator, classifico como o mais importante, e para mim acaba tornando-se um paradigma. Acredito que seja de comum acordo que se tivermos uma parcela das partículas maiores (5 a 10 Cm) nossas vacas irão agradecer pois teremos uma melhor saúde ruminal, mas é de conhecimento de todos os que já acompanharam o processo de ensilagem do milho por exemplo que sempre que tivermos partículas superiores a 2-3 cm a compactação torna-se complicada e as perdas aumentam gradativamente. Talvez para minimizarmos este problema precisaremos de melhores híbridos, com um período de corte maior, proporcionando mais tempo para se realizar a colheita adequada (principalmente em casos de intempéries climáticas), mas com certeza o principal fator que influencia para que conseguimos produzir partículas menores é termos máquinas em boas condições e que desempenhem um bom trabalho. Vejo que este é um grande problema dos nossos produtores.

Atualmente tenho preferido orientar e confeccionar silagem com pequenas partículas (2-3 cm) para que se possa compactar melhor e ter menores perdas, no entanto no momento de balancear a dieta geralmente precisa-se incluir algum outro produto (feno por exemplo) que forneça uma maior quantidade de fibras. Bem é um tema muito amplo e com certeza este tipo de debate esclarece algumas dúvidas e com certeza cria outras, mas faz parte.

Grande abraço a todos.
ANA KARINA DIAS SALMAN

PORTO VELHO - RONDÔNIA - PESQUISA/ENSINO

EM 28/04/2008

Rafael e Thiago,
Parabéns pelo artigo! Muito Bom!
AZNAM QUEIROZ CHARUTO E SILVA

MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 28/04/2008

Gostei imenso do vosso artigo, uma vez que a nossa empresa esta a preparar silagem de capim elefante(em experiencia) para ser fornecido aos animais agora na epoca seca.

Esse artigo veio ilucidar o vago conhecimento que temos sobre como melhor conservar a silagem. Estamos gratos pelo artigo, parabens
KALIL SALLES FILHO

BOM JESUS DA LAPA - BAHIA

EM 18/04/2008

Concisão, clareza e referenciamento, ingredientes bem dosados neste "silo didático" apresentado. É sempre bom ver reciclagem de matéria tão necessária a conscientização de grande parte dos nossos produtores.

Parabéns!
Kalil Salles Filho - Engº Agrônomo.