FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Fotossensibilização hepatógena em pequenos ruminantes

POR MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

PRODUÇÃO

EM 21/11/2012

7
0
Com o início das chuvas regulares em muitas regiões do Brasil temos como consequência o aumento da oferta de pastagens, sendo assim, o manejo extensivo em piquetes torna-se rotina nas cabanhas. Dependendo da região há variabilidade no tipo de gramínea plantada nas propriedades para realizar o pastejo e muitas dessas plantas causam desordens sistêmicas nos animais. Neste radar técnico vamos abordar a fotossensibilização que tem a sua casuística frequentemente associada ao tipo de planta existente em muitas cabanhas.

A fotossensibilização refere-se a resposta exagerada da suscetibilidade da pele à radiação da luz solar, pela presença local de agentes fotodinâmicos, os quais apresentam uma configuração química que é capaz de absorver determinados comprimentos de onda da luz ultravioleta (UV), passando energia extra para as células ao redor, desenvolvendo dermatite com liberação de histamina, morte celular local e edema tissular, resultando em lesão.

Basicamente há dois tipos de agentes fotodinâmicos: fototóxicos e fotoalérgicos. Esses agentes, geralmente, chegam à pele pela circulação sanguínea, embora alguns sejam absorvidos diretamente pela pele. A fotossensibilização é classificada como:

Fotossensibilização primária ou tipo I - agentes fotodinâmicos são exógenos;

Fotossensibilização tipo II - ocorre em consequência da síntese anormal de pigmentos endógenos, sendo geralmente de origem hereditária;

Fotossensibilização hepatógena ou tipo III - ocorre pelo acúmulo de filoeritrina, composto porfirínico formado pela degradação microbiana da clorofila no intestino, normalmente é conjugada no fígado e excretada na bile, em consequência de lesão hepática, a excreção via bile fica impedida.

Dentro das classificações citadas, as lesões da fotossensibilização hepatógena ou tipo III ocorrem com certa frequência nos pequenos ruminantes e é a mais grave. A doença caracteriza-se clinicamente nos animais apresentando depressão, anorexia, salivação intensa e severa dermatite, principalmente nas áreas com ausência de pelos, como focinho, ao redor dos olhos, orelhas, virilha, vulva e úbere e em animais de pele branca (despigmentada). Pode também apresentar edema dos membros, conjuntivite e ceratite com corrimento ocular purulento e cegueira em alguns casos.

Nos casos mais severos ocorrem engrossamento de pele, com rachaduras e ulcerações, levando a infecções secundárias ou miíases. O diagnóstico é feito pelos sinais clínicos, patologia macroscópica e histológica e epidemiologia. No caso de suspeita, na qual a origem da fotossensibilização hepatógena, venha da pastagem, a contagem de esporos dos fungos deve ser feita, principalmente, quando há presença de material vegetal morto em grande quantidade na pastagem, porém, para confirmar a intoxicação, é necessário a comprovação de que a cepa do fungo encontrada seja produtora da micotoxina esporidesmina.

Embora a fotossensibilização hepatógena seja mais comum em animais mantidos em pastos, ela também pode ocorrer em animais alimentados exclusivamente com feno ou outros alimentos estocados. Outros causadores de fotossensibilização hepatógena são a intoxicação por Brachiaria decumbens e outras gramíneas que contem saponinas.

Plantas que contêm toxinas hepáticas

- Pithomyces chartarum é um fungo do azevém perene que causa eczema facial;

- Periconia spp., fungo do capim Bermuda;

- Cianobactérias associadas a alga azul-esverdeada (Microcystis flosaquae - flor d`água) presente na água de beber dos açudes, represas e abrigos;

- Tremoço - Lupinus angustifolius juntamente com o fungo Phomopsis leptostromiformis;

- Ervas daninhas como a lantana (Lantana camara), Lippia rehmanni, Nolina texana, óleo de carvão vegetal (Tetradymia spp.), alecrim (Holocalyx glaziovii), Myoporum laetum, Crotalaria retusa, Senecio jacobea e Sphenosciadium spp.

Plantas que contêm saponinas esteroides

Causam colangioepatopatia relacionadas com cristais.

- Agave lecheguilla, Narthecium ossifragum, Panicum spp. e Tribulus terrestres (tríbulo).

Deve ser feito o diagnóstico diferencial de fotossensibilização primária, na qual a dermatite é menos severa e não são observadas lesões hepáticas e de fotossensibilização por agentes fotodinâmicos endógenos que, por ser de origem hereditária, afeta poucos animais da mesma origem familiar.

Controle e profilaxia

Primeiramente, se possível, ter conhecimento da presença ou não dos esporos do fungo na pastagem para realizar o manejo adequado do rebanho nos piquetes. Os animais afetados devem ser retirados do local de pastejo e colocados em áreas com sombra e devem ser tratados com protetores hepáticos (soro glicosado e compostos a base de metionina). Nas lesões cutâneas pode ser aplicado pasta (pomada) a base de óleo de fígado de bacalhau e óxido de zinco e nos casos graves é importantíssimo evitar a ocorrência de infecções secundárias e miíases.

Referências bibliográficas

RADOSTITS, O.M., GAY, C.C., BLOOD, D.C., HINCHCLIFF, K.W. Clinica Veterinária - Um tratado de Doenças dos Bovinos, Ovinos, Suinos, Caprinos e Equinos. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara Koogan, 2002, 1737p.

RIET-CORREA, F., SCHILD, A.L., MÉNDEZ, M.D.C. Doenças de Ruminantes e Equinos. Pelotas - RS: Ed. Universitária, 1998, 651p.

SMITH, B.P. Medicina Interna de Grandes Animais. 3. Ed. Barueri - SP: Manole, 2006, 1728p.

MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

Médico Veterinário (UNOESTE - Presidente Prudente), com Residência em Reprodução Animal (UNESP- Araçatuba) e Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Reprodução Animal (UNESP- Botucatu)

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LEO RITTER

CRUZ ALTA - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 13/09/2019

Boa tarde DR. Leandro? Tudo bem! ótimo artigo muito esclarecedor! Sou estudante de Veterinária e tenho uma dúvida, se tu puderes me esclarecer agradeço!
A lesão hepática que retém a filoeritrina advém de que fator?
Grato pela atenção!
LEO RITTER

CRUZ ALTA - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 13/09/2019

Boa tarde Dr. Artigo ótimo me esclareceu muito, s´´o tenho uma dúvida a lesão hepática procede ou precede a fotossensibilização? Qual a causa da lesão?
Desde já agradeço!
ANDROMEDA

ITAQUIRAÍ - MATO GROSSO DO SUL

EM 11/07/2015

A degradação microbiana é no intestino mesmo ou é no rumem???!!!!
MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

ARAGUAÍNA - TOCANTINS - PESQUISA/ENSINO

EM 30/11/2012

Prezado Sr. Adolfo Caldas Freire Jr.,



Realmente a maioria de nossas pastagens é composta pela decumbens, mas a questão da fotossensibilização está mais relacionada com  a quantidade de fungos presentes na pastagem, tem cabanhas que tem decumbens e nenhum animal apresenta sintomas e em outras não tem a minima condição de manter um animal. Realmente a decumbens é mais propensa em ter maior carga do fungo, e com relação a humidicula ainda não vi nenhum caso onde os animais realizam o pastejo. O correto é fazer a analise da graminea ou colocar os animais para pastejar e observar o aparecimento de algum sintoma, caso apareça, retire imediatamente os animais. Abraço e continue lendo nossos artigos.
ADOLFO CALDAS FREIRE JR

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 29/11/2012

Leandro,

mais de 80% do,pasto no Brasil é de brachiaria decumbens,como se faz para evitar a fotossenbilização nos animais?A humidicula tb provoca fotossenbilização?



Agradeço desde já.
MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

ARAGUAÍNA - TOCANTINS - PESQUISA/ENSINO

EM 22/11/2012

Prezado Sr. Agilson Santos de Oliveira,



Muito obrigado pelo elogio, continue lendo nossas publicações. Leando
AGILSON SANTOS DE OLIVEIRA

CAPIM GROSSO - BAHIA - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 22/11/2012

muito importante seu conteudo Leandro parabens.