FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Fenação: utilize os equipamentos no momento correto

POR RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

E THIAGO FERNANDES BERNARDES

PRODUÇÃO

EM 27/12/2012

2
0
Na região Centro-Sul do nosso país as chuvas estão se intensificando e os produtores que confeccionam feno aproveitam este momento, devido ao crescimento acelerado das plantas, para estocar forragem.

Embora as chuvas tragam benefícios sob a ótica de ‘produção de massa’, elas também podem trazer prejuízos quando a forragem se encontra emurchecendo no campo durante o processo de fenação. Portanto, para este método de conservação de volumoso, enfardar a forragem em um curto espaço de tempo acaba sendo a prerrogativa principal.

O pecuarista pode lançar mão de algumas alternativas para acelerar a perda de água nas plantas, principalmente quando pensamos em maquinários. O mercado disponibiliza as ceifadoras condicionadoras, as quais promovem o corte da forragem e logo em seguida causa ‘danos’ (esmagamento, por exemplo) no caule para que a secagem seja em menor tempo. Outro equipamento muito utilizado para auxiliar no emurchecimento é o ancinho, o qual inverte as leiras de forragem, acelerando e uniformizando a secagem. Contudo este maquinário deve ser utilizado com cautela porque as plantas quando estão emurchecendo apresentam diferentes etapas. Vejamos quais são elas a seguir:

A primeira etapa de secagem é rápida e envolve intensa perda de água, durante a qual os estômatos das plantas permanecem abertos. Embora, os estômatos se fechem em aproximadamente 1 hora após o corte, ou quando as plantas possuem de 65 a 70% de umidade, de 20 a 30% do total de água é perdido nesta primeira fase. Numa segunda etapa, após o fechamento dos estômatos, a perda de água acontece via evaporação pela cutícula (camada limítrofe do tecido vegetal). Assim, as características das folhas e a estrutura da planta afetam a duração desta fase de secagem. Portanto, esta é uma fase lenta e difícil da água da planta de mover para o ambiente, se tornando muito dependente do manejo. Na fase final de secagem, ou seja, na terceira etapa, em função da lise da célula ocorre rápida perda de água. A fase final da secagem se inicia quando a umidade da planta atinge cerca de 50%, sendo menos influenciada pelo manejo e mais sensível às condições climáticas do que as anteriores, principalmente à umidade relativa do ar.

Desse modo, o uso frequente de ancinho pode ser mais eficiente quando o conteúdo de água da leira varia de 70 a 50%, ou seja, deve se iniciar algumas horas após a ceifa. Durante esta fase, a forragem na superfície seca rapidamente, enquanto dentro da leira a desidratação é lenta. Assim, cada movimentação da leira proporciona condições apropriadas para a secagem. Além disto, com a forragem tornando-se mais leve devido a perda de água, uma nova ação do ancinho propicia leiras mais abertas, com menor resistência a perda de água. Contudo, com o conteúdo de água abaixo de 50% a leira entra em um estágio onde o uso do ancinho não é tão eficiente. Tal fato ocorre porque nessa fase a taxa de secagem é mais influenciada pela resistência da planta do que pela estrutura da leira. Nessa etapa a umidade de equilíbrio entre o ambiente e a planta assume grande importância no processo.

O uso de ancinhos para promover a inversão das leiras não se aplica em leguminosas devido a intensa perda de folhas, contudo, podem ser benéficos, após chuvas, ou quando as condições de secagem são inadequadas.

Portanto, a utilização do ancinho acaba sendo importante quando as plantas possuem conteúdo intermediário de umidade (segunda etapa). Fazer uso do ancinho logo após o corte é desnecessário e ainda leva ao aumento de custos no processo pela movimentação dos maquinários. Do mesmo modo, utilizá-lo na fase final da secagem pode levar a intensa perda de folhas, o que irá afetar negativamente o valor nutritivo do feno.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GUILHERME

BAUNILHA - ESPÍRITO SANTO - ESTUDANTE

EM 05/05/2013

MAIS QUANTOS FARDOS RETANGULARES A GRAMINHA PRODUZ POR EQUITARE
VERUSCA BALEN

PAULO BENTO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/12/2012

Caro Thiago Bernardes, para a confecção de pré-secado se utilizarmos uma condicionadora e as condições climáticas correrem bem, se faz  necessário o uso de ancinho?

Obrigado