ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Dispositivo de condutividade elétrica para detecção de mastite subclínica substitui o uso do CMT?

PRODUÇÃO

EM 04/05/2018

8
9

Autoras do artigo*

Elsa Helena Walter de Santana, da UNOPAR
Rosana De Longhi, da UNOPAR

A mastite subclínica é uma grande preocupação dos produtores de leite, pois é silenciosa e acomete a produção leiteira da fazenda. Alguns testes indiretos para a sua detecção podem ser utilizados como a contagem do número de células somáticas (CCS), California Mastitis Test (CMT) e o medidor de condutividade elétrica (CE) (Figura 1).

As células somáticas do leite são constituídas por células de defesa e células do epitélio da glândula mamária. A contagem do número células somáticas (CCS) indica o grau de infecção da glândula mamária, porém depende totalmente de procedimentos laboratoriais. Uma glândula mamária considerada saudável apresenta CCS inferior a 100.000 células /mL, porém este valor pode variar ao longo da ordenha onde os primeiros jatos (leite residual) e os últimos apresentam grande número de células somáticas. Quando o úbere é saudável, as diferenças de CCS entre as frações são menores.

O teste do CMT é largamente utilizado para determinar o status da doença do animal em lactação. A solução do CMT, a base de um detergente adicionado a um indicador de pH, reage com o material do núcleo de células somáticas presente no leite formando um gel e estima a CCSs presentes. A reação é avaliada por score (zero a 3) e interpretada de acordo com a intensidade de gel formado, o que torna o teste muitas vezes subjetivo.

A CE, que em leite é determinada por equipamento que mede a habilidade de uma solução em conduzir corrente elétrica entre dois eletrodos, é outra alternativa na detecção da mastite subclínica. Em um animal saudável a condutividade elétrica pode variar entre 4 a 5,5 mS/cm a 25°C e o aumento deste índice é proporcional ao aumento da CCS. Em vacas com mastite ocorre um aumento na concentração dos íons sódio e uma diminuição na concentração do potássio e cloro no leite, alterando a CE. Outros fatores como temperatura do leite, estágio de lactação, porcentagem de gordura, intervalo entre ordenhas e raça podem também influenciar os valores da CE.

Com a intenção de realizar um diagnóstico precoce da mastite subclínica e colaborar com os produtores de leite para o manejo adequado dos animais, um estudo realizado pelo Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia do Leite da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR), avaliou a eficiência de diagnóstico de mastite por condutividade elétrica utilizando medidor portátil.

Nesta pesquisa foram avaliados 941 quartos mamários de 259 vacas da raça Holandesa e Jersey em 4 propriedades leiteiras do norte do Paraná. Após o desprezo dos três primeiros jatos, o leite foi avaliado para diagnóstico de mastite subclínica por aparelho medidor de CE, pelo teste de CMT e CCS. Para esta última análise foram coletadas amostras individuais por tetos e por úbere.

O equipamento de CE utilizado no estudo indica a diferença da condutividade elétrica (miliSiemens por centímetro - mS/cm) calculado por um sistema chamado inter quarter ratio (IQR), que é baseado no valor entre o quarto com menor condutividade e os outros quartos da mesma vaca. A partir dos resultados obtidos na medição por tetos pode-se determinar a possibilidade do animal estar com mastite subclínica pela combinação da informação entre o valor absoluto (CEA) encontrado e o valor diferencial (CED) entre os tetos (Tabela 1).

Tabela 1. Interpretação dos valores de condutividade elétrica absoluta(CEA) e condutividade elétrica diferencial (CED) em leite.

Dispositivo de condutividade elétrica para detecção de mastite subclínica substitui o uso do CMT?

Segundo os autores, das 941 amostras de leite de cada teto avaliado, 445 (47,2%) foram positivas pelo equipamento de CE (CED > 0,5 mS/cm) e 496 (52,8%) foram negativos pelo teste. Das amostras consideradas positivas pelo equipamento, 19,9% tiveram score 0 para CMT e foram classificadas como falso positivas, enquanto que 25,3% das amostras classificadas como leite normal pela CE, apresentaram scores 1,2 e 3 para CMT, indicando resultados falso negativos. Dessa forma o estudo considerou que 54,8% das amostras foram avaliadas corretamente pelo medidor de CE, quando comparado com o CMT.

Quando o estudo comparou os resultados obtidos de CE com a CCS, concluíram que 35,1% das amostras foram avaliadas de forma correta pelo medidor de CE. Considerando que as amostras de leite com CCS menor que 100,000 cel/ml são provenientes de animais saudáveis, o equipamento de CE diagnosticou 44,3% das amostras como positivas e 16,8% como negativas. Quando a CCS foi maior que 100,000 cel/ml, 20,6% das amostras deste estudo foram classificadas como provenientes de animais saudáveis pelo equipamento de CE e 18,3% foram diagnosticadas como leite de animais com mastite subclínica.

O estudo concluiu que a correlação entre CE e os testes de rotina (CCS e CMT) foi positiva, porém baixa, o que segundo os autores ainda mantém o teste do CMT como uma alternativa mais barata, mais acessível e eficiente para os produtores de leite do país.

Quer saber mais sobre esta pesquisa? O artigo Evaluation of an electrical conductivity portable device as an alternative for subclinical mastitis detection” foi publicado na Revista Salud Animal (volume 37, nº2, p. 131-135) em 2016 e está disponível pelo link http://scielo.sld.cu/pdf/rsa/v38n2/rsa09216.pdf.

Figura 1 - Metodologias para determinação de mastite subclínica: Contagem de Células Somáticas (A), California Mastitis Test (B) e Condutividade Elétrica (C).

Dispositivo de condutividade elétrica para detecção de mastite subclínica substitui o uso do CMT?

trofeu agroleite 2018

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANTESMINO FERREIRA JÚNIOR

MANTENA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/05/2018

Oi, bom dia! gostaria de saber como faço para encontrar o aparelho que mede a condutividade elétrica, sobre o artigo acima, assim, poderia me enviar via e-mail, antesminojr2@gmail.com, obrigado.
SONIA TRISTACCI

EM 08/05/2018

Olá, vocês sabem como faço pra adquirir o aparelho que mede a condutividade elétrica, o mesmo utilizado no artigo acima, gostei dos resultados, mas não encontro para comprar ?
ELSA SANTANA

LONDRINA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 09/05/2018

Olá Sonia
Me passa seu email que encaminho para você o nosso contato. Abraços
EM RESPOSTA A ELSA SANTANA
SONIA TRISTACCI

EM 09/05/2018

Olá, meu e-mail é sonia_tristacci@hotmail.com
Desde já agradeço.
ROELOF H. RABBERS

CASTRO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/05/2018

Vocês conhecem os medidores de condutividade instalados nos equipamentos de ordenha? Quero saber qual é a correlação direta da condutividade deste com o teste do CCS.
ELSA SANTANA

LONDRINA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 08/05/2018

Olá Roelof! O trabalho foi feito com equipamento portátil, mas credito que devem ter outras pesquisas com os usados nos equipamentos de ordenha. Abraços!
JOÃO SOARES

JOÃO PESSOA - PARAIBA - PESQUISA/ENSINO

EM 07/05/2018

Olá Elsa e Rosana,
Com base neste artigo e resultados obtidos vocês consideram importante ser inserido a CE na revisão da IN 62?

Abç!
ELSA SANTANA

LONDRINA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 07/05/2018

Olá João! A CE viria auxiliar e complementar sim no controle de qualidade. Porém, se tivermos a utilização do CMT de fato nas propriedades (apesar de ser conhecido pelos produtores, o CMT não é aplicado por muitos na rotina de ordenha), teríamos uma ferramenta rápida e barata para nos auxiliar na redução da CCS.
Abraços