FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Onfalopatia infecciosa

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/09/2010

5 MIN DE LEITURA

3
0
O período de desenvolvimento inicial, logo após o parto, é o mais delicado e decisivo dentro de uma propriedade (CRESPILHO, 2009). Em virtude da vulnerabilidade dos recém nascidos nas primeiras semanas de vida, essa categoria animal requer maior atenção no dia a dia da criação de ovinos e caprinos, exigindo cuidados redobrados para garantir o pleno desenvolvimento do indivíduo.

Em virtude da maior fragilidade de borregos e cabritos em relação aos animais adultos, uma série de doenças oportunistas pode se desenvolver nas primeiras semanas de vida após o parto, como é o caso das infecções de umbigo ou onfalites. Em virtude do expressivo prejuízo econômico relacionado às infecções umbilicais, que determinam a queda no ganho de peso e até mesmo a morte dos animais acometidos, o objetivo dessa matéria é abordar os principias aspectos relacionados a onfalite em pequenos ruminantes.

A doença

As patologias do umbigo podem ser classificadas quanto a sua origem ou região acometida, que pode ser extra abdominal (onfalite, infecção apenas do umbigo) ou intra-abdominal (onfaloflebite, que acomete o umbigo e veia umbilical; onfaloarterite, que além do umbigo atinge a artéria umbilical; uraquite, que representa a infecção de umbigo e úraco; além da associação de outros órgãos). A Figura 1 ilustra a anatomia do cordão umbilical, que é formado por duas veias (dispostas dorso cranialmente) e duas artérias que se direcionam dorso caudalmente (Almeida et al., 2000).

A onfalopatia infecciosa dos borregos e cabritos corresponde à inflamação e infecção dos componentes umbilicais, envolvendo as artérias e veias umbilicais, úraco e tecidos adjacentes ao umbigo, podendo causar quadros de septicemias (infecções generalizadas), com a propagação ascendente da infecção para outros órgãos ou tecidos através da corrente sanguínea. O quadro de septicemia pode-se manifestar de forma aguda ou crônica, levando a infecções secundárias que podem atingir às articulações (artrite dos recém nascidos), meninges (meningites bacterianas), olhos (uveítes, cegueira), coração (endocardites bacterianas), ou ainda, determinando a formação de abscessos que podem se localizar em órgãos como fígado e coluna.

Entre as causas bacterianas das onfalites encontra-se, geralmente, uma flora polibacteriana, incluindo Staphylococcus spp., Streptococcus spp., Actinomyces pyogenes, Escherichia coli e Proteus spp. (RIET-CORREA, 2001). Outro agente que se destaca como causador das infecções umbilicais representa a mosca Cochliomya hominivorax, o agente da bicheira.

De acordo com Marques et al., (2004), um dos principais fatores predisponentes das onfalites é o manejo higiênico sanitário inadequado, especialmente em relação aos cuidados com a "cura" do umbigo dos recém nascidos logo após o parto.

Figura 1 - Dissecção dos vasos que compõe o cordão umbilical em ovinos. Onde, A: conjunto de artérias umbilicais; B: conjunto de veias do umbigo.



Principais complicações das onfalopatias

Dentre às infecções secundárias que ocorrem como consequência da infecção de umbigo, a mais frequente é a poliartrite, que geralmente se apresenta na primeira ou segunda semana de vida (RIET-CORREA, 2001), sendo conhecida popularmente como "caruara".

Já os abscessos vertebrais e paravertebrais correspondem às infecções secundárias de maior gravidade, apresentando uma maior incidência em bovinos em relação aos pequenos ruminantes (dados que provavelmente se justificam pelo menor número de necropsias realizadas em borregos e cabritos em relação aos bezerros).

Os abscessos hepáticos também representam complicações frequentes dos processos envolvendo os vasos sanguíneos umbilicais (onfaloflebite e onfaloarterioflebite), em virtude do íntimo contato entre às estruturas que compõe o umbigo e o fígado (Figura 2).

Figura 2 - Direcionamento da veia umbilical (A) em relação ao parênquima hepático, demonstrando a íntima relação anatômica entre às estruturas.



Sinais Clínicos

Os sinais clínicos variam de acordo com a estrutura ou região anatômica envolvida na onfalopatia. No caso das infecções bacterianas, o umbigo apresenta-se edemaciado, dolorido à manipulação e frequentemente drena secreção serosa ou purulenta (RIET-CORREA, 2001). A infecção tende a se agravar quando associada à bicheira, levando a intensa inflamação e hemorragias umbilicais pela ação local das larvas.

Através das veias e artérias umbilicais, as bactérias podem deixar o umbigo e chegar até as articulações, levando ao aumento de volume e dor intensa, que por sua vez determinam os quadros de manqueira severa e poliartrite. Já nos quadros de formação de abscessos medulares ocorre compressão da medula óssea levando ao andar cambaleante, ataxia e paralisia de membros (FINLEY, 1975).

Em virtude da natureza infecciosa das onfalopatias, os animais acometidos frequentemente apresentam sintomas gerais de doença como febre, prostração, queda no ganho de peso e decúbito que podem evoluir para a morte.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico é realizado através da observação dos sinais clínicos e achados de necropsia dos animais que vem a óbito nas primeiras semanas de vida. Estabelecido o diagnóstico, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível para a prevenção das infecções generalizadas.

Quando a patologia se restringe apenas ao umbigo, não havendo comprometimento sistêmico, pode-se realizar a incisão e drenagem dos abscessos, seguido da lavagem local com soluções antissépticas à base de iodo, clorexidine ou hipoclorito de sódio.

Já para os quadros em que se observa comprometimento generalizado, como é o caso das artrites, preconiza-se a administração de agentes antimicrobianos de largo espectro como sulfas e penicilinas, sempre por períodos superiores a 10 dias.
No caso da formação de abscessos internos, pode-se realizar o tratamento cirúrgico para a retirada da massa (FIGUEIREDO, 1999), associado à administração de antibióticos e antiinflamatórios.


Figura 3 - Abscesso umbilical (SETA) formado em consequência da onfalopatia bacteriana.



Prevenção

Dentre os cuidados com os recém nascidos, a desinfecção ou "cura" do umbigo representa uma das principais medidas para a prevenção das infecções umbilicais, diminuindo significativamente a mortalidade animal nas primeiras semanas de vida. Nesse sentido, a desinfecção do umbigo pode ser realizada com solução à base de iodo na concentração de 5% a 10%, realizada imediatamente após o nascimento e continuada até a completa secagem do umbigo. A aplicação de agentes larvicidas também pode ser incorporada como medida preventiva para a instalação das bicheiras umbilicais.

No entanto, cabe ressaltar que a observação de um adequado manejo higiênico-sanitário e nutricional representam as principais medidas de prevenção, não apenas da onfalite infecciosa, como também das demais enfermidades que causam prejuízos irreparáveis à produção de ovinos e caprinos.

Referências bibliográficas

ALMEIDA, J.M.; et al. Morfologia do funículo umbilical em ovinos deslanados mestiços. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science v.37, n.3, 2000. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 10/09/2010.

CRESPILHO, A.M. Mortalidade perinatal em caprinos - Parte 2. FarmPoint, 01/10/2009. Disponível em www.farmpoint.com.br/sanidade. Acesso em: 14/09/2010.

FINLEY, G.G. A survey of vertebral abscess in domestic animals in Ontario. Canadian Veterinary Journal, v.16, n. 4, p.114-117, 1975.

FIGUEIREDO, L.J.C. Onfalopatias de Bezerros. Salvador: EDUFBA, 1999, 94p.

MARQUES, L.C.; et al. Abscessos em coluna vertebral de bezerros e cordeiros: aspectos neurológicos. Revista de Educação Continuada do CRMV-SP, v.7, .n.1/3, p. 15-22, 2004.

RADOSTITS, O.M.; et al. Clínica Veterinária, 9.ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 56-59, 2002.

RIET-CORREA, F.; SCHILD, A. L.; LEMOS, R. A. A.; BORGES, J. R. J. Doenças de
ruminantes e equídeos. 3.ed., Santa Maria: Pallotti, p. 405-406, 2007.

ANDRÉ MACIEL CRESPILHO

VetSemen - Primeiro laboratório privado especializado na análise de qualidade do sêmen utilizado em programas de inseminação artificial.

VITOR SANTIAGO DE CARVALHO

Médico Veterinário do Hospital Veterinário da UFBA. Mestre em Ciência Animal nos Trópicos

CARMO EMANUEL ALMEIDA BISCARDE

Formado em 2007 pela UFBa; Residente em Fisiopatologia da Reprodução e Obstetrícia pela FMVZ-UNESP-BTU; Mestre em Medicina Veterinária pela FMVZ-Unesp-BTU; Médico Veterinário da Universidade Federal Do Recôncavo da Bahia - UFRB.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GLENDA LIMA DE BARROS

SÃO LUÍS - MARANHÃO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/10/2010

Parabéns! O artigo está em linguagem bem clara e bem acessível. As imagens estão um show a parte. Que mais artigos tenham essa qualidade de imagem! Abraço.
JESSÉ DO SACRAMENTO SILVA

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 29/09/2010

Realmente a materia é de grande relevância e espero que os temas abordados seja sempre tratados com esse nível. Parabéns aos profissionais responsáveis. Espero que possam abordar cada vez mais a parte de patologia no site. E to em busca de estágio to cursando quinto periodo.
JOSIMAR SANTANA RIBEIRO

JAGUARIÚNA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 29/09/2010

Meus parabéns pela matéria; ela é muito informativa.
abraço
MilkPoint AgriPoint