FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Alimentação de novilhas: palma forrageira, fibra e ureia

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/11/2020

9 MIN DE LEITURA

1
8

Utilização de Nitrogênio Não Proteico na Alimentação de Ruminantes

A utilização de nitrogênio não protéico pode ser importante como forma de reduzir o custo de dietas utilizadas na alimentação de ruminantes. A fonte mais tradicional é a ureia, que, uma vez no ambiente ruminal, é convertida em amônia e, dependendo dos substratos presentes, poderá ser utilizada e transformada em proteína microbiana que é de excelente qualidade em relação à sua composição aminoacídica.

Proporções adequadas de carboidratos de fermentação rápida e mediamente fermentáveis maximizam a utilização da ureia, o que, por sua vez, aumenta a digestibilidade da fibra da dieta, por aumento da população de microrganismos ruminais. O uso da ureia desta maneira tem potencial para estimular a síntese protéica, elevar a degradabilidade da fibra e, conseqüentemente, aumentar a taxa de passagem dos alimentos, favorecendo o consumo de matéria seca, porque o rúmen se esvazia mais rapidamente. A adição de uma fonte de enxofre melhora a síntese de proteína microbiana no rúmen, levando ao melhor desempenho animal. Geralmente se usa a mistura ureia (nove partes) e sulfato de amônio (uma parte) (Torres e Costa, 2004). 

Dentre os alimentos com carboidratos prontamente fermentáveis no rúmen, a cana de açúcar se destaca (em torno de 44% de carboidratos não fibrosos corrigidos para cinza e proteína na matéria seca) e tem sido amplamente utilizada no Brasil. O sistema de alimentação cana-de-açúcar enriquecida com ureia e enxofre pode ser usado para gado de leite ou corte, em confinamento ou a pasto, durante o período seco do ano, com fornecimento de concentrado ou não, dependendo do nível de produção de leite ou ganho de peso esperado. É uma tecnologia simples, de fácil implementação, tornando-se especialmente indicada para produtores com baixa capacidade de investimento. Após um período de adaptação de uma semana, Torres e Costa (2004), recomendaram a adição de 1% da mistura ureia: sulfato de amônio (9:1) em 100 kg de cana-de-açúcar fresca. Considerando que a cana apresenta 2,8% de PB e 29% de matéria seca e que a ureia e o sulfato de amônio apresentam equivalente protéico de 281,92 e 131,25%, respectivamente e 98% de matéria seca (Valadares Filho et al., 2020); a mistura final apresentaria 11,43%PB. Logicamente variações poderão ocorrer, principalmente em função dos teores de matéria seca e PB da cana-de-açúcar.

A Palma Forrageira e Potencial de uso Associada a uma fonte de Fibra e NNP

De forma análoga à cana-de-açúcar, a palma é rica em carboidratos prontamente fermentáveis no rúmen, em torno de 60% carboidratos não fibrosos e apresenta teores de PB relativamente baixos, em torno de 4,8%. Porém, apresenta baixos teores de fibra em detergente neutro, em torno de 26,8% (Ferreira et al., 2009). O efeito positivo da fibra na dieta de ruminantes reside na necessidade de se promover adequada ruminação, movimentação ruminal, homogeneização do conteúdo ruminal e secreção salivar, que favorece a estabilização do pH ruminal, além de fornecer mais fósforo para fermentação microbiana (Mertens, 1997).

Trabalho muito interessante foi conduzido por Siqueira et al.(2019), com caprinos e ovinos,  ao comparar uma dieta composta por palma forrageira (Miúda ou Orelha de Elefante Mexicana), bagaço de cana-de-açúcar, ureia : sulfato de amônio (9:1) e mistura mineral nas seguintes proporções 61,0; 34,0; 2,7 e 2,3%, respectivamente com a silagem de milho corrigida com ureia:sulfato de amônio (9:1) e mistura mineral (Tabela 1). 

Considerando os resultados do estudo e as limitações de produção de forragem em regiões semiáridas, a importância da palma forrageira para os sistemas de produção. A associação da palma com uma fonte de fibra fisicamente efetiva como é o bagaço e NNP, resultou em um “volumoso” com valor energético semelhante ao da silagem de milho. Esta análise torna-se ainda mais relevante quando se leva em conta o custo do kg de matéria seca e principalmente da energia (R$ 0,25/ Mcal de EM para palma Miúda ou Orelha de Elefante Mexicana e R$ 0,54/Mcal de EM para a silagem de milho).

Tabela 1. Teores de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e energia metabolizábel (EM)

Resultados de Pesquisa com Novilhas 

O estabelecimento de um sistema de recria eficiente, principalmente de fêmeas, tem sido um desafio para maioria dos produtores de leite. O manejo deficiente tem levado à idade tardia ao primeiro parto, o que contribui para redução no número de vacas lactantes e, conseqüentemente, baixa produtividade do rebanho e vida útil da vaca. A Universidade Federal Rural de Pernambuco juntamente com o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) desenvolveram trabalhos com novilhas leiteiras, associando a palma forrageira a uma fonte de fibra e ureia + sulfato de amônio com resultados muito promissores. 

Carvalho et al. (2005) estudaram a associação da palma forrageira com a uréia e o bagaço de cana em dieta base para novilhas da raça Holandesa, com peso médio inicial de 216,0kg, mantidas em confinamento. A dieta foi composta por 69,8% de palma forrageira cv. Gigante, 27,6% de bagaço de cana in natura e 2,6% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1), com base na MS. Foram ofertados 1,0kg de farelo de trigo ou de soja por animal/dia (Tabela 2).

Não foram observadas diferenças significativas para CMS (kg/dia ou %PV). Porém, o ganho em peso foi superior para os animais que receberam o farelo de soja, o que pode ser justificado pela superioridade quanto ao consumo de NDT. Ressalta-se o bom resultado observado com a utilização do farelo de trigo como suplemento, em função do baixo preço do mesmo.

Tabela 2.Consumo de matéria seca (CMS), energia (CNDT) e ganho em peso(GP) de novilhas da raça Holandesa
Pessoa et al.(2019) avaliaram a utilização do trinômio palma-fibra-NNP na alimentação de novilhas da raça Girolando, com peso médio inicial de 204,0kg, mantidas em confinamento. As dietas foram compostas por 64,0% de palma forrageira  cv. Gigante, 30,0% de bagaço de cana in natura, 4,0% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1) e 2,0% de mistura mineral com base na MS. As novilhas foram suplementadas com farelo de trigo, farelo de soja, farelo de algodão (menu 38) e caroço de algodão com base no peso corporal  (0,5%) (Tabela 3).

Tabela 3. Consumo de matéria seca (CMS), energia (CNDT) e ganho em peso(GP) de novilhas da raça Girolando

Observou-se maior consumo de matéria seca com maior ganho em peso para os animais que receberam farelo de algodão (menu 38) e farelo de soja, quando comparados ao tratamento testemunha. O ganho em peso médio para os animais suplementados foi de 700g/dia. A variação observada no ganho em peso das novilhas foi em função da variação no consumo de NDT. Para o tratamento onde não houve oferta de suplemento observou-se ganho em peso médio de 420g/animal/dia, evidenciando a viabilidade de utilização da palma forrageira associada a ingredientes fibrosos e fonte de NNP, na recria de bovinos leiteiros. Pôde-se observar incremento no ganho em peso de no mínimo 31,0 e de no máximo 93,0% para os animais suplementados.

Novilhas da raça Girolando com peso médio inicial de 160 kg foram alimentadas com uma dieta basal (13% PB) composta por cana-de-açúcar (38,1%), palma forrageira cv. Orelha de Elefante Mexicana (56,5%), mistura mineral (1,6%) e a mistura ureia:sulfato de amônio (3,8%), com base na MS. Os animais foram suplementados com 0,4; 0,8 e 1,2 kg de um concentrado à base de milho e soja com 13% PB(Tabela 4). 

Percebe-se um aumento no consumo de matéria seca e energia com reflexo também no aumento do ganho em peso. Curiosamente, estudos realizados com diferentes volumosos, incluindo silagem de milho, cana-de-açúcar e bagaço de cana-de-açúcar, mostraram que há uma necessidade de maiores quantidades de concentrado (2,00, 1,30 e 2,90 kg/dia, respectivamente; Rangel et al., 2010; Inácio et al., 2017) para alcançar ganhos da ordem de 0,70 kg/dia.

Tabela 4. Consumo de matéria seca (CMS), energia metabolizável (CEM) e ganho em peso (GP) de novilhas da raça Girolando


Merece destaque o ganho observado quando não houve a suplementação (0,42 e 0,51 kg/dia, Tabelas 3 e 4, respectivamente), o que denota o grande potencial da palma forrageira para ser utilizada na recria de fêmeas leiteiras. Apesar de não haver gastos com concentrado, outros aspectos deverão ser levados em conta.  Como o ganho é menor a idade ao primeiro parto será, consequentemente, maior, o que poderá acarretar em maiores gastos com alimentos volumosos e mão de obra, principalmente.

Considerações Finais

A associação da palma forrageira ao bagaço de cana e a uréia/SA, alimentos relativamente de fácil aquisição e baixo custo, proporciona a possibilidade de minimizar as principais deficiências da cactácea, como compostos nitrogenados e fibra em detergente neutro de alta efetividade, tornando-se tecnologia de produção altamente viável e sustentável. As fontes, bem como a quantidade de proteína verdadeira a serem associadas, estarão em função do ganho em peso que se deseja obter, além da disponibilidade e do custo de aquisição. Deve-se ressaltar que outros volumosos, não só o bagaço de cana, poderão ser associados à palma forrageira e a fonte protéica. No entanto, a relação entre carboidratos fibrosos e não-fibrosos na dieta deverá ser observada. O fornecimento de adequada mistura mineral para bovinos leiteiros em crescimento também deve ser prioridade em dietas a base de palma forrageira, seja misturada à ração total, ou fornecido em cochos separadamente.

Cuidados como a adaptação à ureia/SA, fornecimento em duas vezes ao dia e drenagem dos cochos, deverão ser observados. 

A palma gigante, em função de sua susceptibilidade à cochonilha do carmim, não é mais recomendada. Atualmente as cultivares Miúda, Baiana (Ipa Sertânia) e Orelha de Elefante Mexicana são as mais recomendadas.  

Autores 

Marcelo de Andrade Ferreira; Prof. Titular Departamento de Zootecnia - UFRPE
Carolina Corrêa de Figueiredo Monteiro; Profa. Assistente/UNEAL -  PNPD/UFRPE
Luciano Patto Novaes; Prof. Visitante Sênior/UFRN
Djalma Cordeiro dos Santos; Pesquisador do IPA - PE

Bibliografia

CARVALHO, C.M, et al., Associação do bagaço de cana-de-açúcar, palma forrageira e ureia com diferentes suplementos em dietas para novilhas da raça holandesa. Acta Scientiarum animal Sciences, v.27, n.2, p.247 – 252,  2005.

CRUZ, C, A.A   et al., Sugar cane and cactus cladodes plus urea: a new option for Girolando dairy heifers., Revista Brasileira de Zootecnia, 49:e20200016, 2020.

FERREIRA, A.M, et al.,Estratégias na suplementação de vacas leiteiras no semiárido do Brasil. Revista. Brasileira de Zootecnia, v.38, p.322-329, 2009 (supl. especial).

INÁCIO, G. J., Sugarcane bagasse as exclusive roughage for dairy heifers., Revista Brasileira de Zootecnia,v.46, n.1, p. 80-84, 2017.

MERTENS, D. R. Creating a system for meeting the fiber requeriments of dairy cows. Journal of Dairy Science, v.80, n.7, p.1463-1481, 1997.

PESSOA, S.A.R et al., Simplified Management of Dairy Heifers: Different protein supplements in spineless cactus based diets, Dairy&VeterinarySciences, v. 2, n. 3, p.1-4, 2019.

RANGEL, N.H.A et al., Desempenho e parâmetros nutricionais de fêmeas leiteiras em crescimento alimentadas com silagem de milho ou cana-de-açúcar com concentrado, Revista Brasileira Zootecnia, v.39, n.11, p.2518-2526, 2010.

SIQUEIRA et al. Cactus cladodes associated with urea and sugarcane bagasse: analternative to conserved feed in semiarid regions. Tropical Animal Health andProduction, v.51, n. 7, p.1975-1980, 2019.

TORRES e COSTA., Alimentação na seca: cana-de-açúcar e ureia, Comunicado Técnico, 2004.

VALADARES FILHO et al.,Tabelas Brasileiras de Composição de Alimentos para Ruminantes (CQBAL4). Disponível em: https://cqbal.com.br/#!/

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EPAMINONDAS

EM 23/11/2020

bagaço de cana como racao para vaca de leite
MilkPoint AgriPoint