FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O universo (lácteo) em desalinho

POR VALTER GALAN

E MARIANA OLIVEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 16/03/2015

3 MIN DE LEITURA

6
0
Sinais trocados e informações aparentemente antagônicas. Este é o cenário hoje no mercado mundial de derivados lácteos, na expectativa do que os resultados do próximo leilão da plataforma GDT (Global Dairy Platform), na próxima terça-feira (dia 17/03), vão apontar.

Os fatores “baixistas” de preços

Algumas informações recentes apontam para a direção de que a recente reação nos preços internacionais foi um efeito efêmero e que novas reduções nas cotações internacionais devem ser esperadas daqui para frente.

Inicialmente, é fato que, ao menos até janeiro de 2015, o volume de sólidos de leite produzidos na Nova Zelândia é 4,3% maior nesta safra do que na safra 2013/2014, apesar das condições efetivamente desfavoráveis de chuvas naquele país desde outubro de 2014.

Ao mesmo tempo, a bolsa de futuros da Nova Zelândia (NZX) dá sinais de que os preços dos lácteos se estabilizarão. Se em fevereiro grandes aumentos de preços foram alcançados e a curva de preços futuros, inclinada para cima naquele momento, indicava US$ 4.000 a tonelada do leite em pó integral para julho-agosto, as negociações da semana passada na NZX colocaram o contrato de leite em pó integral de março em US$ 3.200 a tonelada e o de outubro em US$ 2.900 a tonelada.

Adicionalmente, os elevados estoques americanos de leite em pó desnatado e a desvalorização do euro frente ao dólar podem significar maior oferta no mercado internacional e menores preços n horizonte.

Os fatores altistas de preços

O ritmo atual de abate de vacas na Nova Zelândia é o maior das últimas 10 safras. Entre junho de 2014 e janeiro de 2015 os produtores abateram 694.987 vacas e novilhas, 24% a mais do do que na safra 2013-2014.

Normalmente na Nova Zelândia o número de abates aumenta de acordo com a proximidade do outono e atinge seu pico entre os meses de março e maio de cada ano. Alguns fatores podem explicar este crescimento nos abates: a redução drástica na sinalização de preços ao produtor de leite, a redução dos preços internacionais de lácteos (ainda que o primeiro efeito tenha sido causado por este segundo), as condições climáticas (forte déficit de chuvas naquele país nesta safra) e o aumento dos preços internacionais da carne.

Mais vacas abatidas agora significa menos vacas em produção na próxima safra, o que deveria ser um fator de expectativa de preços mais elevados na safra 2015/2016.

Ao mesmo tempo, a perspectiva de crescimento da produção na União Européia é de cerca de 1,5% em relação a 2014, contra um crescimento acima de 4% no ano passado. Esta projeção acontece mesmo com a saída do sistema de cotas de produção naquele mercado, que, teoricamente, deveria significar um aumento dos volumes produzidos.

Somados a estes fatores temos que a China retornou às compras no mercado mundial, ao menos de acordo com as estatísticas de importações no mês de janeiro (últimas informações disponíveis...!). Foram cerca de 115 mil toneladas de leites em pó importadas pelos chineses em janeiro, contra “apenas” 51 mil em dezembro de 2014. Ainda assim, o volume de janeiro de 2015 foi 32% inferior às importações de janeiro de 2014.

“Juntando” altos e baixos e as dúvidas que os diferentes sinais de mercado nos indicam, ficamos de “olho” no que vai acontecer nas próximas semanas e nas eventuais oportunidades (ou ameaças!) que possam surgir para o leite brasileiro. Vale lembrar que, de qualquer forma, já houve uma forte recuperação nos preços médios de acordo com a plataforma gDT. Entre 2 de dezembro de 2014 e 3 de março de 2015, os preços subiram 42,7% em dólar. Se considerarmos a desvalorização do real no período, de cerca de 20%, percebe-se que o leite brasileiro ficou bem mais competitivo no espaço de apenas 3 meses. Resta saber ainda se haverá leite para exportar.


ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

VALTER GALAN

MilkPoint Mercado

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JORGHE MOISES

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/03/2015

O comentario de Sergio Dias de Castro resume na verdade o que é preciso para uma politica mais racional para os produtores.
SÉRGIO DIAS DE CASTRO

CAMPANHA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/03/2015

Sugestão para ministra Kátia Abreu, a solução para o produtor não trabalhar no vermelho , seria o governo voltar a controlar o preço minino do leite , através da EMBRAPA de Cel Pacheco MG. Nenhum laticínio poderá pagar menos do mínimo estabelecido pela EMBRAPA , que é definido através de uma planilha de custo de produção.
THIAGO

AMAMBAI - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2015

Sou de Amambai-MS aqui o leite eles tão pagando 0.59 o litro e uma vergonha 100 litros não paga um saco de sal.
MIRANDA BALDIN

EM 17/03/2015

Concordo com o comentário do Sr Gilson, investimos em animais, produtos de higienização, boa alimentação para os animais e somos surpreendidos por essa terrível desvalorização do leite. Será que pode-se esperar um aumento  considerável? Não sei se acredito.
SEBASTIÃO POUBEL

RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/03/2015

Boa tarde.



Que dia que vamos ter uma margem decente de preço entre o produtor e o que o consumidor paga. Hoje é de aproximadamente de R$1,35.ou seja; mais de 100%.

É a frase da semana:Que país é esse. Acho que a Polícia Federal deveria deflagar uma operação Lava jato com leite.

Na verdade, estou cansado de falar sério sobre leite.

Sebastião Poubel
GILSON SANTANA FILHO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2015

E o produtor que vem sendo massacrado pelas indústrias, que até agora não recebeu um centavo de aumento pelo contrário tem indústria que ainda está abaixando o preço do leite para o produtor, estamos recebendo menos pelo litro do que recebíamos em 2007. Quem será que vai continuar pagando caro para produzir leite.
MilkPoint AgriPoint