ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Rússia busca alternativas para combater a mastite e crescente uso de antibióticos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 17/03/2021

5 MIN DE LEITURA

0
2

Acredita-se que a mastite clínica e subclínica na Rússia está causando mais problemas do que na União Europeia (UE), afetando mais vacas e causando maiores perdas.

De acordo com Ian Humphery-Smith, chefe de investimento do setor privado da Skolkovo RusInnovations, os 2 principais problemas do rebanho leiteiro russo são:

  •  Taxas excepcionalmente altas de mastite clínica e subclínica;
  • Taxas de concepção excepcionalmente baixas.

Sem medidas sérias, a indústria de laticínios russa continuará sofrendo de níveis alarmantes de infecção por mastite e, muito provavelmente, de baixas taxas de concepção na maior parte do rebanho, alertou Humphery-Smith em um artigo publicado na Rússia.

“Existem algumas evidências que sugerem que até 20% das novilhas jovens já estão infectadas com a bactéria causadora da mastite antes de realmente entrarem no rebanho de ordenha, mas isso por si só está longe de ser a principal causa da infecção endêmica de mastite."

"É digno de nota que, em muitos rebanhos leiteiros russos, a maior parte dos animais de primeira lactação estão sucumbindo à infecção clínica ou subclínica em 12 meses. O impacto negativo desse nível de infecção na lucratividade em toda a indústria é terrível”, acrescenta.

A mastite continua sendo um grande inimigo dos produtores de leite russos e frequentemente interfere no processo de produção, de acordo com o sindicato russo de produtores de leite Soyuzmoloko.

“A questão da mastite pressiona todos os tipos de fazendas, tanto para empresas industriais quanto para pequenos produtores. Atualmente, não há dados estatísticos sobre a presença de mastite na população do rebanho leiteiro da Rússia”, disse Maria Zhebit, chefe do departamento de comunicação pública de Soyuzmoloko.

“A disseminação da mastite prejudica a fertilidade das vacas e a produtividade do rebanho, impactando negativamente o desempenho financeiro das fazendas e da indústria como um todo”, acrescenta Zhebit. “Além disso, com um problema sistêmico, animais caros importados em empresas modernas têm que ser sacrificados devido à mastite.”

Mastite estimula demanda por antibióticos

Com a mastite se apresentando amplamente no rebanho leiteiro russo, os produtores russos precisam de mais antibióticos para lidar com esse problema.

É provável que este fator contribua para o problema do uso excessivo de antibióticos na ração na indústria pecuária russa, onde o sistema veterinário é tal que os produtores são livres para usar antibióticos como quiserem enquanto criam os animais.

Eles só precisam se certificar de que o animal não tem antibióticos em seu corpo quando a produção de gado é obtida. De acordo com Lyubov Savkina, diretor comercial da agência Russian Feedlot, as empresas russas podem usar antibióticos na ração em quantidades virtualmente ilimitadas.

“O objetivo principal é que os resíduos dessas substâncias não sejam encontrados nos produtos acabados. Infelizmente, essa abordagem difere significativamente dos objetivos da campanha global voltada para o abandono dessas drogas”, diz ela.

Leite de vacas com mastite não pode ser usado

Na Rússia, os processadores de leite estão proibidos de usar leite de vacas com mastite, conforme estabelecido no regulamento sobre a segurança do leite e produtos lácteos. Como Zhebit explica, este regulamento estabelece requisitos para o conteúdo máximo permitido de células somáticas no leite, com limites estritos definidos para o leite usado na produção de comida para bebês.

“Matérias-primas de vacas com mastite não podem ser processadas devido ao alto teor de células somáticas. Durante o tratamento de longo prazo da mastite com antibióticos, o leite de vaca também não vai para o processamento e não vai para a alimentação dos bezerros, o que significa que tem que ser descartado, o que também afeta a estabilidade financeira do setor”, Zhebit acrescenta.

O monitoramento do sistema é defeituoso

O controle veterinário na indústria de laticínios russa não é perfeito, o que significa que, quando se trata de mastite, nem tudo acontece de acordo com a letra da lei, informa o jornal russo AiF.

De acordo com Vadim Smirnov, vice-diretor do órgão veterinário russo Rosselkhoznadzor no Oblast de Kaliningrado, há um número crescente de casos em que os antibióticos são encontrados na produção de leite. Frequentemente, esses casos estão associados a fazendas de quintal.

“Um camponês dá uma injeção de antibiótico contra a mastite em uma vaca e não espera até que a droga saia do corpo, então vende o leite do animal”, disse Smirnov, acrescentando que alguns agricultores de quintal na Rússia adicionam antibióticos diretamente ao leite de uma vaca que eles sabem que está sofrendo de mastite.

“As pessoas (fazendeiros) não querem perder lucro”, diz Rustav Aliev, diretor de uma fábrica de processamento de leite de Kaliningrado, acrescentando que sua empresa poderia descobrir leite com antibióticos até 15 vezes em um único mês. “Esta é uma verdadeira bagunça.”

Um teste para mastite na Rússia custa cerca de RUB55 (US$ 0,9) por vaca, e os fazendeiros preferem verificar apenas 1 em cada 5 vacas. Em teoria, os processadores de leite deveriam proibir fornecedores inescrupulosos que vendem leite com maior teor de células somáticas ou antibióticos. No entanto, em meio à escassez de leite cru na Rússia, isso não acontece.

De acordo com a AiF, os processadores de leite não estão abrindo mão de seus fornecedores porque querem proteger sua base de matéria-prima. Além disso, os produtores de médio porte também têm problemas de qualidade ao vender seu leite para as usinas de processamento. Os participantes do mercado acreditam que o controle veterinário na indústria deve ser fortalecido para melhorar a situação.

Bacteriófagos podem ser uma resposta

Há uma chance de que a mastite na Rússia possa ser tratada com novos medicamentos contendo bacteriófagos - um grupo de vírus que infecta e se replica apenas em células bacterianas, informou o serviço de notícias russo Dairy News, citando cientistas locais.

Desde a Segunda Guerra Mundial, a rápida disseminação dos antibióticos matou o interesse global pelos bacteriófagos, mas recentemente aumentou novamente, em resposta à expansão da resistência aos antibióticos.

A Rússia tem um bom potencial para projetar alguns novos produtos bacteriófagos, uma vez que essa classe de vírus foi estudada na União Soviética mais do que em qualquer país ocidental, dizem os cientistas.

O uso de bacteriófagos pode contribuir para melhorar significativamente o problema da mastite na Rússia até 2025, previram cientistas russos em 2015. No entanto, até agora, não houve nenhum progresso notável neste campo.

Recentemente, foi criado o primeiro centro de recursos biológicos da Rússia para pesquisa de bacteriófagos. O centro coletou um banco de dados de 10.000 microrganismos que serão usados ??para desenvolver novos tipos de drogas baseadas em bacteriófagos nos próximos 5-7 anos.

Eles poderiam ser adaptados para diferentes organismos e diferentes cepas de bactérias e, portanto, seriam altamente eficazes. Alguns novos medicamentos também são prometidos para a medicina veterinária.

Com isso, os bacteriófagos foram incluídos na estratégia da Rússia para combater a resistência aos antibióticos até 2030.

As informações são do Dairy Global, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint