ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

RS: MP lamenta a falta de evolução nos casos de fraude

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 07/05/2014

4 MIN DE LEITURA

8
0
Doze meses depois do início da ofensiva contra a fraude no leite no Rio Grande do Sul, o Ministério Público lamenta que pouco – ou quase nada – tenha mudado. Em maio de 2013, a Operação Leite Compensado escancarou um esquema de adulteração do leite crú no estado através da adição de água e ureia (com formol), em que transportadores ajustavam o produto em postos de resfriamento e repassavam às indústrias.

Mesmo após quatro fases em um ano, seis condenações criminais com penas que chegam a 18 anos de reclusão, 13 prisões e 26 pessoas denunciadas, a ilegalidade no setor persistiu e se expandiu. De lá para cá, novas substâncias foram identificadas e novos casos foram descobertos. Ao MP restou duas certezas: a fraude agora já abrange toda a cadeia do leite no estado, desde o produtor rural até as grandes empresas, e uma nova fase da operação, a quinta, será deflagrada em breve.

“Em qualquer segmento e em qualquer etapa da produção existem pessoas que estão, de alguma forma, ajustando o leite, adicionando substâncias para lucrar. Todas as bacias do estado sofrem adulteração”, alerta o promotor da Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre, Mauro Rockenbach, responsável pela Operação Leite Compensado.

Segundo o promotor, o efeito da condenação não está resolvendo o problema. "Temos punição de 18,5 anos a um transportador, e eles não se intimidam. Alguma coisa tem de ser feita. Se a ganância continua imperando, é o mercado que está sendo receptivo, acolhendo a fraude. Temos de mexer mais ainda nesse fenômeno, provocar uma reação”, salienta.

Além do formol, presente na ureia, e da água, o Ministério Público flagrou ainda o uso de peróxido de hidrogênio - composto conhecido popularmente por água oxigenada -, açúcar, sal e até mesmo soda cáustica, substância altamente corrosiva. “Tudo para mascarar, recompor o leite velho. A ureia recompõe a perda nutricional do leite adulterado com água. O peróxido de hidrogênio é usado como agente bactericida, na função de conservante. A soda, como é um composto alcalino, é utilizada para baixar a acidez do leite vencido”, explica o promotor.

Com tantas evidências do esquema, que afeta o leite crú e praticamente todos seus derivados, exceto o leite em pó, o MP está preparando a quinta fase da Operação Leite Compensado. O objetivo, depois da ofensiva, é chamar as partes envolvidas por um basta na fraude, a única maneira, segundo Rockenbach, de tentar solucionar o caso.

“Em breve serão deflagradas novas fases da operação. Faremos novas buscas, com mais mandados de prisão e de apreensão e também vamos dar atenção ao patrimônio que foi adquirido com a fraude”, avisa o promotor. “Temos laudos de leite adulterado que vieram de Santa Catarina, além de São Paulo e Paraná, onde nós já havíamos constatado. Por isso, nossa estratégia será reunir todo mundo, acender a luz vermelha e colocar ordem no baile, porque a coisa está feia. Por um desfecho favorável, é preciso criar esse pânico”, acrescenta.

O promotor prefere não trabalhar com prazos para eliminar a fraude que, segundo ele, está “enraizada” no setor. “É uma cultura de muitos anos, que já entrou no orçamento do leite. Até mudar essa realidade vai levar um tempo. Mas não tenho pressa. Meu patrão é a sociedade, que quer ver a gente trabalhando. Vamos continuar prendendo gente, apreendendo caminhões, fechando indústrias… Não temos pressa”, afirma.

'Maioria das análises não possui problema', diz Ministério

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é um dos principais parceiros do Ministério Público na obtenção de provas da fraude do leite desde o início das investigações. É do orgão federal a responsabilidade de fiscalizar e analisar amostras onde há indício de adulteração. Foi a superintendência regional, inclusive, que alertou para o esquema, ainda em 2012.

Ciente do problema que persiste, apesar dos esforços, o chefe da Divisão de Defesa Agropecuária do Mapa e superintendente adjunto no Rio Grande do Sul, José Severo, entende que não há uma fórmula pronta para solucionar o caso. É preciso combater, fiscalizar e auditar de forma contínua.

“Estamos trabalhando para colocar as coisas no lugar. Se você pensar na fraude em cadeia, ela até aumentou, se espalhou entre produtores e transportadores. Mas a quantidade de formol encontrado desde o ano passado vem caindo. Estamos caminhando no sentido de proteger o consumidor. O que vai acabar com o esquema são as ferramentas de fiscalização em toda produção do leite, desde a alimentação do animal até a atividade industrial. São necessárias ferramentas auditáveis”, avalia.

Apesar de concordar com o promtor Rockenbach, quando se diz que a fraude se espalhou em um ano, Severo trata de amenizar a situação e afirma ainda é confiável consumir o leite gaúcho. “Existem problemas em locais pontuais. As propriedades que foram flagradas continuam com o esquema. Mas é importante esclarecer ao consumidor que a grande maioria do leite analisado pelo Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul não tem problema. Temos obtido resultados que não são comprometedores”, informa.

A notícia é do G1, adaptada pela Equipe MilkPoint Brasil.

Para ler a notícia na íntegra clique aqui.
 

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDO MELGAÇO

GOIÂNIA - GOIÁS - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 15/05/2014

Como Fiscal Federal Agropecuário, aposentado, trabalhei durante muitos anos no LANAGRO de Goiânia, justamente na área de análises físico - químicas e microbiológicas de leites.

Naquela época, há mais ou menos 16 anos atrás, já existiam muitas fraudes de leites, usando-se as mesmas substâncias que se usam hoje.

Acredito que, a maioria das fraudes são praticadas pelas indústrias, que possuem técnicos em laticínios especialistas em fraudes. Claro que não são todas e que a maioria destas indústrias trabalha com seriedade o mesmo acontecendo com seus técnicos.

Naquela época, o MAPA, através dos resultados de nossas análises, chegou a fechar uma indústria aqui em Goiás, por fraudes, usando Hidróxido de Sódio e Peróxido de Hidrogênio.

Acredito que este seria o caminho a ser seguido  nos dias atuais.

Fraudes em alimentos não podem ser permitidas de modo algum. Quanto ao leite, um alimento tão nobre e que é usado mais na alimentação infantil, torna-se imperdoável que seja fraudado.

Atenciosamente,

Fernando Melgaço.
JOSÉ PAULO DA SILVA

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/05/2014

As vezes me questiono: O que adianta o nosso querido Brasil ser o 5º Produtor mundial de leite, se nossa qualidade  é sofrivel em se falando de altas contagens microbianas ( CBT e CCS) e ainda termos de conviver com reiterados escândalos de fraudes por produtos químicos sabidamente nocivos à saúde humana e de pasmar que nem as prisões e pesadas multas estejam surtindo efeito nestes casos em questão. Será que a interdição destas indústrias, que até prova em contrário estão coniventes com estes fornecedores, não seria a solução? E outra solução será a urgente permanência de agentes federais bem treinados nas indústrias deste nosso enorme País. E mais ainda, o Governo tem por obrigação de colocar no campo profissionais do leite ( médicos veterinário, Zootecnistas, Técnicos em Laticinios e outros afins, para fomentar a educação continuada do Produtor , com o objetivo de mudar uma mentalidade arcaica que beira àquela do nosso descrobrimento ( anos 1500). Se quisermos ter excelencia em qualidade no leite, á exemplo dos EUA  e Nova Zelandia (2º e  9º Lugar na produção mundial , respectivamnete) por nós consumido e certeza de  sermos respeitados mundialmente , serão necessárias açoes mais efetivas e urgentes.
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/05/2014

DESABAFO!

Antes de qualquer coisa quero afirmar que sou contra fraudes e impunidade ou qualquer outra coisa do tipo!

Ontem de noite apos mais um dia bem corrido, resolvi ver um pouco de televisão, liguei no jornal local e logo vi a manchete sobre a Fraude do leite, logo imaginei que viria coisa ruim, mas foi bem pior!

Resumidamente foi assim:



- Repórter: Especialistas afirmam que a unica possibilidade de evitar a contaminação é evitar a ingestão de leite. (Primeiro fiquei pasmo com a afirmação, em seguida fiquei imaginando que especialista estaria recomendando isto).



- O ESPECIALISTA (para mim um babaca, me perdoem a palavra), ele falou mais ou menos isto: O que pode-se fazer é reduzir o consumo do leite, talvez consumir apenas em dias alternados, ou mesmo consumir apenas derivados, queijos, ou ingerir leite em pó. (Todos perceberam o quanto este ESPECIALISTA entende do assunto (parece que ele é Biólogo, nada contra, mas não me pareceu Especialista em nada), pois se ele entendesse o minimo necessário para dar opinião sobre o assunto saberia que os derivados do leite são produzidos logicamente com leite, e se a matéria prima (leite fluido) esta contaminado, por consequência seus derivados estarão contaminados também, portanto não estaria evitando contaminação alguma).



- Sobre o que falou o senhor Superintendente do Ministério da Agricultura Francisco Signor, prefiro apenas deixar o link para os interessados tirarem suas conclusões. https://videos.clicrbs.com.br/rs/gaucha/audio/radio-gaucha/2013/11/superintendente-ministerio-agricultura-francisco-signor-diz-que-nao-como-fiscalizar-transportadores-leite-07-11-2013/49125/.

* Apenas um comentário: Na minha opinião a fiscalização deve iniciar por onde e mais fácil e mais importante. Portanto, e mais uma vez eu digo, NA MINHA OPINIÃO, a fiscalizaçao deve ser rigida e deve começar pelas industrias, assim, é mais rápido, fácil e evitamos/garantimos que o leite com problema na chegue ao consumidor!!! Por favor, assim garantimos que as pessoas idôneas (produtores e consumidores) não sejam atingidas pelas consequências que esta fraude vai provocar (queda no consumo, queda nos preços, problemas de saude, etc).  E digo mais, quem afirma não conseguir desempenhar a função para a qual foi designado, que tenha a hombridade de deixar o cargo que ocupa, seja quem for.



Só para completar, desanimado troquei de canal, de imediato outra reportagem sobre a produção de alimentos, mas desta vez o leite não era o alvo e sim a carne.

Resumidamente foi assim:

- Repórter: Após o caso de VACA LOUCA a exportação de carne para o Peru foi suspensa.

* Bom, mais uma vez não me surpreendi com o cancelamento da exportação mas sim com a Afirmação  do repórter, dando por confirmado o caso. Ate onde eu sei o caso atipico esta sob investigação.

Desculpe-me pelo desabafo, mas precisamos tomar alguma atitude, pois mais uma vez somos culpados pela inflação, etc.

Outro dia ouvi uma expressão -Pão e circo- esta parecendo verdade.

Abraço
WALTER LUIZ BIRK

ESPUMOSO - RIO GRANDE DO SUL - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 09/05/2014

Nada mais justos aos envolvidos ficarem presos e a ÚNICA alimentação a ser fornecida para eles o próprio leite que eles vendiam aos inocentes. Nem água fornecer, já que o leite  é o alimento mais completo que existe......
FELIPE GUSTAVO DE BASTIANI

VIADUTOS - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 08/05/2014

Tem aquele ditado que diz tudo que vem fácil vai fácil, se não pagarem pela lei do homem, vão pagar perante Deus...... mais cedo que esperar de um jeito outro  vão pagar, eles podem ate ter  se feito na vida fraudando leite, mas não aproveitam alguém vai pagar por esse absurdo...............
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/05/2014

Tem que deixar os envolvidos na cadeia, ai sim vai acabar a fraude!!
EGON GRINGS

SÃO JOÃO DO OESTE - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/05/2014

É lamentável e triste ainda perdurar a fraude do leite, parece que a ganancia está acima de qualquer  respeito e escrúpulo, perante consumidores inocentes. A grande maioria das industrias e a grande maioria dos produtores acredito que trabalha de uma forma honesta e correta.

Quem trabalha da forma correta, está a favor e apoiando a promotoria publica e assim como o trabalho correto e incansavel dos fiscais do MAPA.

O consumidor um dia deverá poder ter confiança no alimento que consome
GILBERTO PAGLIARINI

PINHALZINHO - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 07/05/2014

  È facil para resolver os problemas é só mandoar paea o paredão.
MilkPoint AgriPoint