ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Produtor de leite: você sabe ser competitivo no mercado lácteo?

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/06/2021

3 MIN DE LEITURA

0
2

Hoje (11/06), realizamos nosso sexto encontro do MilkPoint Experts: Feras da Gestão. Com um oferecimento da KWS Sementes, nossa manhã foi uma imersão nas variáveis do mercado lácteo, agregação de valor e estratégias de competitividade.

De início, Valter Galan, Engenheiro Agrônomo pela ESALQ/USP, Mestre em Administração pela FEA/USP, sócio da AgriPoint Consultoria e responsável pelo serviço MilkPoint Mercado, comentou sobre “Como o produtor pode acompanhar o mercado de leite de forma eficaz.”

Valter expôs as relações de causa e efeito do mercado lácteo brasileiro, sendo elas o preço pago ao produtor; RMCR, volumes produção de leite e da balança comercial; disponibilidade per capita de leite; demanda por lácteos; demanda e preço dos produtos lácteos no atacado e o leite spot. “As variáveis do mercado se influenciam e acabam com um círculo de influências, causas e efeitos ao longo da cadeia produtiva,” destacou.

Além da correlação entre as variáveis, Galan também pontuou que é importante os produtores de leite terem acesso a informações confiáveis e atualizadas.

Seguindo na temática produtor de leite e mercado lácteo, Marcelo Cassoli, Médico Veterinário e Vice-presidente da Aproleite Sudoeste de Minas, falou de como as associações podem ajudar os produtores de leite com questões referentes ao mercado e no desenvolvimento dentro e fora da porteira.

Cassoli destacou a importância dos contratos entre produto de leite e laticínios, das cotações de medicamentos, lonas para silagem e serviços de automotriz. Além disso, para o palestrante “a associação não tem que apenas proteger o produtor, ela deve fazer o produtor acompanhar o mercado.”

Barbara Sollero, Zootecnista e Gerente de Desenvolvimento Fornecedor e Qualidade da Nestlé, palestrou sobre de que a forma a empresa vem contribuindo com os seus produtores de leite por meio da utilização de ferramentas digitais para ajudá-los a acompanhar o mercado lácteo.

Ela enfatizou que os produtores precisam trabalhar cada vez mais em gestão, inovação e foco no cliente como forma de se tornarem mais competitivos. Para isso, de acordo com a Zootecnista as ferramentas digitais são importantes ao que passo que proporcionam aos produtores “informação, agilidade de transparência”. 

Sollero abordou as iniciativas de inclusão digitais da Nestlé, entre elas a ferramenta Radar para compra de insumos: “Fazer a compra estratégica de insumos hoje pode ser o que vem determinando o sucesso ou não da atividade leiteira,” disse.

Como sabemos que ser competitivo envolve ações estratégicas dentro e fora da porteira, Roberto Jank, Engenheiro Agrônomo e Diretor presidente da Agrindus S/A, foi o nosso quinto palestrante do dia e apresentou sobre a gestão de custos na pecuária leiteira.

Ele ressaltou que é necessário ter um olhar cuidadoso com a eficiência alimentar. “O único custo variável de uma fazenda de leite é a alimentação das vacas." Jank complementou dizendo que, “toda vez que nós reduzimos a produtividade da vaca, automaticamente nós estamos aumentando o custo fixo da fazenda,” pontuou o palestrante. “Nós vamos ter menos litros de leite para diluir os custos fixos, que representam cerca de 50% do custo total," finalizou.

Seguindo na linha de alimentação das vacas leiteiras, contamos também com a palestra “Impactos da produtividade e da qualidade da silagem de milho sobre seu custo de produção,” ministrada pelo Professor e consultor João Ricardo Alves Pereira.

João Costa trouxe um comparativo importantíssimo sobre o preço por quantidade produzida, ressaltando a relevância de ter uma boa produtividade na colheita para diminuição de custos. “A redução dos componentes de custo de 60t para 30t é muito pequena, não se vê muita diferença. O produtor precisa de produtividade”, ressaltou.  

Contudo, ser competitivo também pode ser relacionado com a agregação de valor. Neste sentido, Eudes Braga, da Granja Leiteira Eudes Braga, ministrou a palestra “Agregando valor ao leite: casos de sucesso: Verticalização - prós e contras.” 

Eudes destacou que a verticalização na produção, com enfoque na fabricação de queijo, proporciona uma estabilidade do negócio. “Se o preço do leite cair, a margem do queijo aumenta.”

Ainda sobre agregação de valor, Maurício Silveira Coelho, Médico Veterinário e Gestor da Fazenda Santa Luzia, pertencente ao Grupo Cabo Verde, palestrou sobre a “genética como um negócio"

Maurício comentou que o crescimento da propriedade é possível graças ao uso de embrião em 100% do plantel. De acordo com ele “já faz oito anos que 100% da reprodução da fazenda é baseada em FIV.”

Nosso próximo encontro será sexta-feira (18/06), no qual será abordado “o futuro do trabalho no campo e o impacto disso no seu negócio”. Vale ressaltar que ainda dá tempo de se inscrever e, como todo o conteúdo fica gravado e disponível por até 30 dias após o evento, você não perde nada. Entre no site, confira a programação e inscreva-se. Vamos juntos mudar o perfil da produção de leite no Brasil?

patrocinio feras

*Fonte da foto: Freepik

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint