ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Os solos chegam ao centro dos diálogos globais, nacionais e regionais

Que o solo é um recurso natural e essencial à vida na Terra todos sabem. O que poucos sabem é que, além de garantir a produção de alimentos, fibra e energia, fornece serviços ambientais essenciais importantes para a regulação e abastecimento de água, regulação do clima, conservação da biodiversidade, sequestro de carbono, entre outros. E que aproximadamente 33% dos solos do planeta estão degradados, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO, comprometendo a segurança alimentar e a prestação de serviços ecossistêmicos de hoje e para as gerações futuras. Esse contexto é o motivador de ações coordenadas de pesquisa nos últimos anos em nível global, nacional e regional, com a participação do Brasil e seus estados, incluindo o Maranhão, para conscientização sobre a situação e a importância do uso e manejo sustentável dos solos.

A atual chefe-geral da Embrapa Cocais, Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin, que é doutora em solos e coordenou vários projetos de pesquisa nessa área, em nível nacional e internacional, com foco no mapeamento digital do solo, degradação da terra e agricultura sustentável - é um dos pesquisadores envolvidos na causa dos solos. Representante do Brasil e América Latina e Caribe no Painel Técnico Intergovernamental de Solos da FAO, de sigla ITPS em inglês, desde 2013, tendo sido reeleita e cujo segundo mandato encerra este ano, a pesquisadora apresenta ações realizadas e mostra repercussão do trabalho na esfera mundial nos países e regiões. “O solo é o berço da agricultura e responsável pela fixação do homem na terra. É o componente mais importante da produção e, a depender da forma como o tratamos, construiremos ou não um desenvolvimento em bases duradouras. É preciso conhecer melhor nossos solos para melhorar a produção agropecuária, a disponibilidade de água e ainda reduzir a quantidade de gases de efeito estuda na atmosfera, garantindo a sustentabilidade econômica, social e ambiental do planeta e a qualidade de vida e sobrevivência da população e das gerações futuras”, reforça.

O ITPS é constituído por 27 especialistas de solos do mundo em busca da gestão sustentável dos solos nas diversas agendas de desenvolvimento. A principal função desse Painel é proporcionar assessoramento científico e técnico à Aliança Mundial para os Solos (“Global Soil Partnership – GSP”), estabelecida pela FAO, em 2012, para deter os processos de degradação dos solos e seus principais problemas no mundo. O ITPS foi criado durante a primeira Assembleia Plenária da Aliança Mundial do Solo, realizada na sede da FAO, em Roma, em 2013.

Solos no mundo - Segundo Maria de Lourdes Mendonça, os solos nunca estiveram tão presentes em discussões conjuntas dos grandes painéis intergovernamentais do mundo, como o IPCC. Mas, graças aos trabalhos do Acordo de Paris, mais abrangente tratado intergovernamental sobre mudanças climáticas criado até agora e do qual o Brasil é signatário, foi de comum acordo que o carbono orgânico do solo é o principal fator para mitigação das mudanças climáticas. Para ela, a conscientização de que o manejo sustentável do solo é a chave para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas foi um processo que se iniciou com as pesquisas científicas e se fortaleceu com criação, desde 2012, da Aliança Mundial pelo Solo - AMS, cujas ações foram acolhidas pela comunidade internacional e que devem ser continuamente cultivadas para que se alcancem os objetivos propostos. “Os solos constituem a maior reserva de carbono terrestre. Quando manejados de forma sustentável, desempenham papel fundamental na adaptação e mitigação das mudanças climáticas e na produção de serviços ecossistêmicos, armazenando carbono (sequestro de carbono) e diminuindo as emissões de gases de efeito estufa para a atmosfera. Além disso, os solos com alto teor de carbono orgânico são mais férteis e produtivos e atuam na purificação da água e são fonte de biodiversidade”, explica.

Por outro lado, continua a pesquisadora, quando o solo é mal manejado ou degradado, o carbono sequestrado e outros gases de efeito estufa resultantes da degradação são reliberados de volta para a atmosfera. Além disso, na presença de alterações climáticas e perda de biodiversidade, os solos tornaram-se um dos recursos mais vulneráveis do mundo. Isso significa que o reservatório de carbono do solo da Terra poderia liberar quantidades maciças de gases de efeito estufa para a atmosfera, ou sequestrar mais deles, dependendo do manejo que se dá a eles, vis-à-vis suas características intrínsecas. O segundo passo desse processo, de acordo com Maria de Lourdes, envolve as políticas públicas e legislações, que devem estimular o produtor na aplicação das boas práticas de manejo sustentável dos recursos solo e água.

Entre os exemplos de práticas de manejo adequadas à melhoria da qualidade do solo e à manutenção de suas funções, destaca: a manutenção da cobertura do solo pelo plantio direto, a rotação de culturas, a promoção do aumento do conteúdo de matéria orgânica do solo e da infiltração da água e a preservação da biota do solo, bem como as tecnologias de gestão eficiente da irrigação, o uso racional de insumos, a fixação biológica de nitrogênio e a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). “Essas práticas têm reflexos no aumento da produtividade agrícola e na mitigação de gases de efeito estufa, garantindo, dessa forma, sua sustentabilidade ao longo do tempo”.

Publicações - A revisão da Carta Mundial de Solos, o relatório “Status of the World Soil Resource Report (WSRR)”, as Diretrizes Voluntárias para o Manejo Sustentável dos Solos e Carbono Orgânico do solo: o potencial oculto são documentos publicados a partir dos estudos e discussões do Painel de Solos da FAO.

Solos no Brasil – A participação da pesquisadora da Embrapa Maria de Lourdes Mendonça no ITPS trouxe articulações e resultados para a governança de solos no Brasil, e também seu trabalho anterior como chefe-geral por duas gestões da Embrapa Solos, Unidade da Embrapa que coordena as pesquisas na área no País, incluindo o maior programa de investigação do solo da história, o Programa Nacional de Solos do Brasil - Pronasolos, cujas atividades estão sendo iniciadas com a assinatura, em junho, pelo presidente Michel Temer, do Decreto nº 9.414.

“Esse esforço nacional de pesquisa de solos, coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tem apoio técnico-científico de dezenas de Unidades da Embrapa, em parceria com universidades, institutos e empresas de pesquisa e agências especializadas. Com a assinatura do decreto, o Brasil passa a ter uma estratégia de 30 anos para levantamento dos solos. Além disso, espera-se ter, no futuro próximo, a degradação e a erosão de solos controladas no Brasil, com recuperação de áreas atualmente afetadas, evitando prejuízo anual de cinco bilhões de dólares por ano. Pretende-se também ampliar a capacidade de o Brasil conservar e usar melhor solo e água”, visualiza.

O Pronasolos vai mapear o território brasileiro e gerar dados com diferentes graus de detalhamento para subsidiar políticas públicas, auxiliar gestão territorial, embasar agricultura de precisão e apoiar decisões de concessão do crédito agrícola. Entre outras aplicações, pode-se citar o incentivo a projetos de irrigação e à estocagem de carbono para mitigar as emissões de gases de efeito estufa - por meio da manutenção ou do sequestro desse carbono no solo - e a obtenção de informações sobre necessidade de aplicação de insumos e nutrientes para a agricultura, evitando o desperdício e a contaminação das águas subterrâneas. 

O objetivo é mapear 1,3 milhão de quilômetros quadrados nos primeiros dez anos e 6,9 milhões de quilômetros quadrados em 30 anos. Devido à dimensão continental do País, o PronaSolos terá longa duração, sendo previsto para ser realizado em três etapas: de curto (0 a 4 anos), médio (4 a 10 anos) e longo prazos (10 a 30 anos), com metas de trabalho distintas. Na primeira fase, serão estudados solos em áreas prioritárias, escolhidas pelas instituições participantes em cada estado. Entre os resultados esperados está a criação de um sistema nacional de informação sobre solos do Brasil e a retomada de um programa nacional de levantamento de solo a partir do detalhamento das informações.

As sementes do Programa - Em 2015, Ano Internacional do Solo, determinado pela ONU, foi realizada, em Brasília, a 1ª Conferência sobre Governança de Solos do País, organizada pela Embrapa e Tribunal de Contas da União - TCU. Nessa ocasião, o TCU apresentou um Relatório de Auditoria (TC 011.713/2015-1) sobre o tema, apontando a insuficiência e inconsistência de informações oficiais e a dificuldade de acesso a dados de solos, devido à inexistência de um sistema de dados único ou de uma plataforma que permita a interpretação desses dados por profissionais que necessitam desse tipo de informação, comprometendo o planejamento, a execução e o monitoramento das políticas públicas para o uso sustentável da terra em atividades agropecuárias e florestais.

Adicionalmente, o TCU destacou as deficiências de ordem legal decorrentes da complexidade e dispersão da legislação brasileira, assim como a sobreposição e dissociação das legislações de solo e água. Em seguida, foi firmado o Acórdão TC n° 1942/2015, que, além de apontar as lacunas existentes na governança de solos no país, recomendou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e à Embrapa que estabelecessem mecanismos colaborativos e permanentes para a organização, sistematização e operacionalização de dados decorrentes de levantamento de solos do Brasil, disponibilizando-os via web para a sociedade.

Solos do Maranhão - O estado do Maranhão já tem definidas as áreas prioritárias para mapeamento de solos a curto (0 a 4 anos) e médio (4 a 10 anos) prazos no âmbito do PronaSolos. As áreas para estudo a curto prazo são: microrregião de Chapadinha, município de São Mateus, municípios de Fortaleza dos Nogueiras e Nova Colinas, microbacia do rio Balsas, cinturão verde da Grande São Luís, municípios de São Domingos e Fortuna do Maranhão, municípios de Estreito, Porto Franco, Campestre do Maranhão, São João do Paraíso e Lageado Novo. As regiões a serem levantadas a médio prazo são: Bacia do rio Itapecuru, Bacia do rio Mearim e Baixada Maranhense. As regiões foram selecionadas por critérios como área de expansão da fronteira agrícola, para pesquisa e/ou experimentação, de importância ambiental, sob forte pressão antrópica, com potencial para irrigação, entre outros fatores.

Foram parceiros da Embrapa Cocais nesse trabalho de seleção de áreas prioritárias, a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento – Sagrima, Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Companhia de Abastecimento dos Vales de São Francisco e Parnaíba – Codevasf, Instituto Maranhense de Estudos Sócioeconômicos e Cartográficos – Imesc e Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão – FAEMA, entre outros.

As informações são da Embrapa Cocais. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.