FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Número de pedidos de recuperação judicial no campo pode dobrar

O número de pedidos de recuperação judicial no campo brasileiro deve dobrar neste ano em relação a 2019. Levantamento do escritório ERS Consultoria e Advocacia, de Mato Grosso, indica que foram apresentados 169 pedidos no ano passado, e projeta que o número chegará a 340.

“Quando ocorre uma queda acentuada do PIB, como de 2008 para 2009, o número de recuperações judiciais como um todo no país dobra. Como esperamos uma queda no PIB deste ano, as recuperações judiciais seguirão a mesma tendência e isso também se aplica ao agronegócio”, afirmou Euclides Ribeiro Junior, advogado e sócio-fundador do escritório, ao Valor.

De acordo com ele, nos meses de janeiro e fevereiro foram feitos oito pedidos de recuperação judicial no setor primário, das quais sete foram deferidas.

De acordo com Carlos Deneszczuk, sócio da DASA Advogados, os pedidos devem aumentar em ritmo mais acelerado no segundo semestre, devido aos ecos da paradeira observada desde março.

Conforme Deneszczuk, a ferramenta tem sido utilizada por produtores do Matopiba (confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e de Mato Grosso. “Mas esperamos um movimento crescente também no Sul do País, uma que a estiagem deste ano deixou muitos produtores em situação difícil”.

Ele argumenta que, embora os preços de commodities como soja e milho tenham subido nos últimos meses com o dólar nas alturas, os custos de produção também aumentaram. “E muitos produtores têm dívidas antigas para quitar” acrescentou.

Entre os produtores que buscaram essa saída neste ano está Marco Gebert, do Grupo Gebert, de Poxoréo (MT), que teve a recuperação judicial deferida pela 2ª Vara Cível do município em 11 de fevereiro. Com uma área de 4,5 mil hectares distribuída em três propriedades no Estado - em Poxoréo, Gaúcha do Norte e em Novo São Joaquim -, o grupo acumula dívidas de R$ 106 milhões. “Tentei todas as alternativas antes de entrar com o pedido”, disse o produtor de grãos e criador de suínos e bovinos.

Ele atribui o endividamento do grupo, que tem um faturamento anual médio de R$ 20 milhões, à perdas com a produção de soja e milho - que, no caso da soja, chegaram a impedir o cumprimento de contratos. “Esperava colher 60 sacas por hectare e colhi 42, em um ano em que o custo de produção era de 50 sacas. Quantas safras de lucro eu teria que ter adiante para compensar essas perdas?”.

Gebert também teve prejuízos na suinocultura, atividade na qual mantém mil matrizes e chegou a perder R$ 100 por cabeça em 2016. “Não creio que foi um problema de má gestão, mas uma questão de mercado”.

A recuperação judicial também foi o caminho escolhido por Cláudio Brunetta, do Grupo Brunetta, de Balsas (MA). Focado na produção de soja e milho em uma área de 4 mil hectares, o grupo tem uma receita média anual de R$ 25 milhões e acumula dívidas de R$ 43 milhões com credores como credores como Banco do Brasil, Rabobank, Banco John Deere e Agrex.

De acordo com Douglas Duek, CEO da Quist Investimentos, assessoria financeira que coordena a reestruturação, a recuperação foi aprovada em 13 de abril e o grupo terá até 13 de junho para apresentar um plano de recuperação ao juiz e 180 dias para formalizar a negociação.

Segundo Duek, apenas em Balsas há cinco processos de recuperação em andamento acompanhados pela Quist. “A região tem fazendas muito grandes e produtivas que sofreram com a quebra de safra de milho em 2016”.

A Quist acompanha atualmente 13 recuperações judiciais no setor. “Haverá uma enxurrada de recuperações do setor neste ano. Os bancos serão afetados pelas recuperações judiciais de outras áreas e devem restringir o crédito ao agronegócio - o que, por consequência, vai dificultar os negócios no campo”, disse.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.