FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ministério quer juro menor para crédito rural

O Ministério da Agricultura propôs à equipe econômica do governo um corte de 2 pontos percentuais para as taxas de juros das linhas para custeio do Plano Safra 2018/19 e de 2,5 pontos percentuais nas linhas de investimento.  O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, esteve recentemente com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tratando do tema. As propostas do Ministério da Agricultura encontram resistência na equipe econômica, conforme apurou a reportagem.

O desejo do Ministério da Agricultura é que as taxas de juros das operações de custeio - as mais demandadas pelo setor empresarial da agricultura - caiam para 6,5% por ano na safra 2018/19, que começa oficialmente em julho próximo. No Plano Safra 2017/18, que está em vigor, a taxa das linhas de custeio é de 8,5% por ano. Além disso, a Pasta também propôs à equipe econômica reduzir o custo dos contratos de investimentos para até 4% ao ano no caso das linhas PCA (armazenagem) e Inovagro (inovação). Atualmente, as taxas de juros das duas linhas são de 6,5%.

No caso do Programa ABC (linhas para recuperação de pastagens) e do Moderinfra (irrigação), a intenção do Ministério da Agricultura é reduzir a taxa de juros de 7,5% ao ano para 5%.

Do outro lado, o Ministério da Fazenda resiste a reduzir os juros dos financiamentos ao agronegócio para um patamar abaixo da taxa básica de juros (Selic), que está em 6,5% ao ano. O argumento da Fazenda é que essa taxa de referência da economia já está em um nível "baixo demais", o que dificulta que os juros dos empréstimos rurais sejam inferiores à Selic, como tem sido a tônica no histórico recente.

O Ministério da Fazenda vem observando ainda que os juros do Plano Safra sempre ficavam em patamares mais baixos porque o Brasil historicamente manteve juros altos. Além disso, o ministério quer evitar mais gastos com a equalização com as taxas de juro do crédito rural.

Dentro da estratégia já acionada pela Agricultura também está uma tentativa de antecipar o corte de até 2,5 pontos nos juros do crédito rural ainda no ano-safra 2017/18, que está em vigor até junho deste ano. O ministério quer que o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorize essas novas taxas menores em sua próxima reunião, no fim de abril.

Se a solicitação do ministério for atendida pelo CMN, a autorização ocorreria antes da Agrishow, maior feira agropecuária do país, e termômetro para o mercado de máquinas agrícola, que acontece em Ribeirão Preto (SP), entre 30 de abril a 4 de maio.

O pedido para redução das taxas partiu da indústria de máquinas agrícolas, que espera que uma redução antecipada das taxas de juros estimule suas vendas antes mesmo de acabar a temporada 2017/18. O setor de máquinas entende que há um risco de os produtores segurarem as compras de maquinário até junho à espera de uma queda nas taxas somente a partir de julho, quando se inicia oficialmente o Plano Safra 2018/19.

A antecipação da queda de juros com a safra em vigor seria inédita e encontra dificuldades de ser aprovada pela equipe econômica do governo, até pelo curto prazo - faltam apenas pouco mais de dois meses para acabar a atual Safra 2017/18. Ainda conforme apurou o Valor, o Ministério da Agricultura deve se contentar com um volume de recursos para o Plano Safra 2018/19 em patamar semelhante ao do atual plano, no qual foram disponibilizados R$ 188 bilhões para o crédito agrícola.

As informações são do jornal Valor Econômico.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MÁRIO SCHNEIDERS

TRÊS DE MAIO - RIO GRANDE DO SUL - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 09/04/2018

Bom dia.
Governo não ganha dinheiro encima do juro, mas sim em impostos com aumento de produção em investimentos no setor produtivo! Sugiro que o juro para quem produz seja o mais baixo possível para encorajar aquele que ainda pensa em produzir, em outras palavras querem ainda penalizar os escravos empreendedores que ainda estão dispostos a produzir. Pequeno produtor com pouco investimento em pouco tempo dobra a produção e afinal o objetivo dos investimentos é aumento de produção com menor custo ou arrecadar juros? Governo que não investe em quem produz não sabe como as boas produções estão salvando os Estados, o País e os municípios. Basta olhar nos últimos anos quem salvou a balança comercial do RS e consequente do país! Vamos parar de brincadeira e parar com esse toma lá dá cá e vamos trabalhar sério com políticas de produção sérias que as pessoas voltam a se animar a trabalhar e o país volta a crescer não tenho dúvida disso. Mas se continuar fazendo de conta quando vê o Brasil pára!!! Vamos valorizar quem trabalha, que depois sobra para fazer alguns investimentos sociais que também são importantes, mas não o inverso, se sobra dos programas sociais aí vamos investir em produção!
Isso é uma maneira equivocada de governar, não vamos terminar com esse querido Brasil, investe em quem produz que tenho certeza que o resto dos programas andam por si!! Agricultura familiar é o melhor investimento, vamos ajudar o pequeno agricultor que normalmente é esquecido, vamos nós ao encontro dele. Produtor louco para produzir, mas o financeiro não ajuda ele acaba se limitando aos próprios investimentos que não é suficiente para dar um giro de 360°, que é o que ele precisava para viabilizar a propriedade e aí ele acaba desistindo de tudo o filho vai para a cidade e lá as vezes se torna um problema, onde ele poderia ser um produtor de potencial lá no interior, feliz com o pai e a mãe.
Juros para produção deveria ser ZERO, com isso faz girar toda a roda da economia, aumentando emprego, renda, satisfação das pessoas e temos comida para todos, sem ninguém precisar mendigar porque todos terão oportunidade de se realizar na cidade ou no Campo.
Incentivar a produzir riqueza e não esperar o Bolsa Família.!!!
Nova Candelária, RS, 09 de Abril de 2018.
Mário Schneiders
Secretário da Agricultura.