FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão do Selo Arte

Foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (11) a proposta de instrução normativa que estabelece as Boas Práticas Agropecuárias para concessão do Selo Arte a produtos derivados do leite. O texto será colocado em consulta pública e os interessados terão 30 dias para apresentar sugestões tecnicamente fundamentadas sobre o assunto conforme modelo disponibilizado no Diário Oficial da União.

Segundo a proposta, a elaboração de produtos lácteos artesanais a partir de leite cru fica restrita a estabelecimentos situados em propriedade rural certificada como livre de tuberculose e brucelose, de acordo com as normas do Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) ou controlada para brucelose e tuberculose por órgão estadual de defesa sanitária animal por um período de até três anos, devendo ser certificada após esse período.

O leite utilizado na fabricação de derivados lácteos produzidos de forma artesanal deverá ser obtido de animais que cumpram critérios como: estar clinicamente sãos e em bom estado de nutrição; que não estejam no período final de gestação ou na fase colostral;  que não apresentem quaisquer sintomas de doenças no aparelho genital ou lesões no úbere e tetos, febre, infecções generalizadas, enterites com diarreia; que não utilize substâncias estimulantes de qualquer natureza com o intuito de provocar aumento de secreção láctea.

Em relação à higiene e à ordenha, a instrução normativa determina que o animal seja conduzido ao local de ordenha tranquilamente, evitando o estresse. Já os colaboradores da propriedade devem ter treinamento apropriado e periódico sobre saúde e higiene pessoal limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos e manejo adequado do rebanho.

As avaliações de comprovação do cumprimento das Boas Práticas serão realizadas pelos estados e pelo Distrito Federal, que são concedentes do Selo Arte. As propriedades rurais devem comprovar que cumpriram as boas práticas agropecuárias, mesmo quando o leite for submetido à pasteurização ou tratamento térmico equivalente.

As informações são do Mapa.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GENECIO FEUSER

PARANAVAÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/09/2019

Confiem no produtor brasileiro, observem como são produzidos os queijos e embutidos na Europa, rigor excessivo não é sinônimo de qualidade, isso consegue-se com orientação, informação e conscientização. Instalações, burocracia e fiscais chatos e sem noção da realidade não modificam o mode de fazer, o que melhora o produto final é a intervenção consciente de quem produz o alimento, o produto final depende muito mais da mente de quem produz, que das exigências legais em si. O mercado é mais que o fiscal, normas, instalações e burocracia, o mercado simplesmente exclui quem não apresenta um produto confiável. Somos responsáveis, o produtor brasileiro sabe das suas responsabilidades . Não existe saída, ou o produto é bom ou não terá mercado, o artesanal não permite subterfúgios, o artesanal não permite maquiagens muito comum em produtos industriais. Ex: Leite UHT, muçarela (na sua grande maioria). Por fim, simplicidade e confiança devem nortear a concessão do Selo Arte.