FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

LADC: Brasil já é o 5º maior mercado da Lactalis

Cerca de 200 líderes do setor, envolvendo 10 países, estão reunidos em Foz do Iguaçu para discutir tendências, inovação, consumo, mercados, sustentabilidade e segurança alimentar em lácteos.

A partir desta agenda de futuro e com a presença de especialistas e empresários do Brasil e de fora, o 1º Latin America Dairy Congress, uma parceira da Zenith com a AgriPoint, discute os principais gargalos, oportunidades e insights do setor no Continente e no mundo.



Marcelo Pereira de Carvalho, Diretor Executivo da AgriPoint, abriu o evento comentando sobre a ideia de realizá-lo pela primeira vez no Brasil. De acordo com ele, hoje há pouca interação entre os países da América Latina no setor lácteo e o evento surgiu para suprir essa demanda. “O mercado tem crescido nos países emergentes e faz sentido aproximarmos o mercado lácteo. Esse é o principal intuito do evento”. Na sequência, Richard Hall, Presidente da Zenith Internacional Ltda, agradeceu a presença de todos no evento e frisou que espera que os participantes usufruam da estrutura do evento, pois trará novidades e é inovador na América Latina.

A primeira palestra foi proferida por Rita Navarro, Gerente de Novos Negócios na Kantar Worldpanel. Ela iniciou comentando sobre o momento de consumo dos últimos 10 anos, que tem apresentado grande crescimento, principalmente no chamado fora do lar. Já em 2015, em função da crise econômica a alimentação dentro dos domicílios voltou a ganhar força. De acordo com Rita, houve uma diminuição no número de visitas ao supermercado, assim como a redução do volume comprado. As principais razões apontadas para esse acontecimento foram o aumento da inflação, aumento do índice de desemprego, dólar alto e o impacto da crise política.

“Com relação aos lácteos, temos algumas categorias apresentando retração, como o leite condensado, manteiga, o requeijão, o cream cheese e o leite pasteurizado. O leite UHT parece que também está caminhando para uma retração. Quem tem se beneficiado é o setor de iogurtes, impulsionado pelo iogurte grego. Os iogurtes funcionais, que se desenvolveram muito nos outros anos, também apresentaram forte retração. Mesmo assim, nota-se que ainda há espaço para o desenvolvimento de novas categorias no mercado lácteo. As marcas que se diferenciaram e souberam se comunicar com os consumidores, cresceram mesmo na crise, aumentando clientes e market share, concluiu Navarro.

Em seguida, Ariel Londinsky, Secretário Geral da FEPALE (Federação Pan-Americana do Leite), explanou sobre as funções da Federação “O principal objetivo é promover o desenvolvimento da cadeia leiteira em toda a região, combinando interesses comuns, recursos, habilidades e talentos, ao mesmo tempo em que visa atuar como um fórum para a ligação de instituições do setor”.

De acordo com Ariel, o mercado de lácteos está crescendo na América Latina e o principal produtor hoje é o Brasil, seguido da Argentina e México. “É muito difícil nós compararmos as produções dos países latino-americanos pois os sistemas produtivos, assim como o clima, são muito diferentes. Como exemplo, os países do cone sul (Argentina, Chile e Uruguai) possuem uma estrutura relativamente homogênea e propriedades maiores. Já no Brasil, na Região Andina e na América Central e Caribe, a estrutura é mas heterogênea, com muitas fazendas de duplo propósito (leite e carne) e com propriedades menores.

Além dessas diferenças apontadas, ele destacou outras desigualdades com relação a importação e exportação. “O México é um país predominantemente importador, enquanto a Argentina e o Uruguai, são exportadores e voltados para o mercado internacional”. De acordo com ele, os maiores compradores são México e Venezuela, que juntos, representam 59% do total importado na região. Brasil, Peru e Cuba representam 20%. Com relação ao consumo per capita de lácteos, Uruguai, Argentina, Costa Rica, Brasil e Chile posicionam-se entre os cinco primeiros respectivamente. “Só os quatro primeiros países estão dentro da faixa de consumo mínimo recomendado”, pontuou Londinsky. Sobre o setor industrial, ele comentou que a proporção de produção de leite processada pela indústria é maior na Argentina, seguida por México, Chile, Paraguai, Uruguai, Brasil e Bolívia.

Para finalizar, o palestrante destacou que a América Latina, comparada aos outros continentes, é a que possui maior área para expansão da produção de alimentos. Além disso, a emissão de gás carbônico também é baixa comparado aos outros continentes. “O potencial de crescimento da produção de leite na America Latina é considerado de médio a alto. Na União Europeia é considerado baixo, enquanto nos outros continentes a tendência é de médio crescimento. Isso mostra que temos muitas oportunidades e que a América Latina é a despensa global. Precisamos aprender a produzir sempre visando a qualidade se queremos alavancar no mercado”.

Na sequência, Esther Renfrew, Diretora de Inteligência de Mercado da Zenith International, palestrou sobre a “Globalização da indústria láctea”. A princípio, ela pontuou que a produção global de leite alcançou 802 milhões de toneladas em 2014, +3,3% comparado a 2013, e que comércio internacional de lácteos aumentou, atingindo 9% da produção. “O consumo per capita de lácteos está em crescimento assim como a demanda, e o que a impulsiona atualmente é o crescimento populacional, a maior renda, a urbanização (com destaque para a Índia e os países africanos), as mudanças dos padrões de consumo e a tendência de aumento da população.

De acordo com ela, o consumo de lácteos será impulsionado pelo consumo da Ásia e da África, que ainda apresentam baixo consumo per capita, mas com grande potencial de crescimento. “Os países asiáticos estão buscando suprir o crescimento da demanda fazendo parcerias, buscando joint ventures e cogitando parceiros de outros países para suprir o desenvolvimento do seu consumo. Em breve, também acredito que o interesse das empresas pela África vai aumentar e as empresas europeias estão buscando penetrar no continente”. Esther concluiu que as empresas têm que responder ao aumento da demanda de lácteos e que isso não parece ainda um desafio, devido a suficiência da produção, mas futuramente isso pode mudar. “A indústria láctea está em processo de transformação e enfrenta desafios com relação a globalização. Deve haver diversificação de produtos, inovação, diferenciação da marca e os mercados em desenvolvimento devem garantir a oferta sustentável de leite com qualidade”.

Michel Nalet, Diretor Mundial de Relações Institucionais da Lactalis Group, falou sobre o desenvolvimento da empresa no Brasil e sobre a recente inserção no país. “Hoje estamos com 18 fábricas no Brasil e há 2 anos atrás não tínhamos nenhuma. O Brasil fechará 2015 como o quinto maior mercado para a Lactalis. A ideia é buscar uma relação a longo prazo e para isso estamos investindo em treinamentos de equipes na América Latina. É um desafio entrar no mercado brasileiro, mas temos uma equipe fantástica. O ambiente é competitivo no mundo inteiro nesse setor e para nos diferenciarmos, focamos cada vez mais na qualidade”, mencionou ele, que enfatizou que garantir um suprimento de leite de qualidade e a custo competitivo é um dos objetivos da empresa.

Para Nalet, é essencial reduzirmos os custos de produção e a busca de inovações. “Vamos trabalhar muito no Brasil para diferenciarmos cada vez mais os nossos produtos. Temos que estar prontos para oferecer os produtos corretos para o varejo a aumentar as parcerias com o trade. Além disso, temos que melhorar a força dos produtos lácteos e divulgar para os consumidores o que os lácteos podem oferecer no dia a dia; precisamos melhorar a imagem do leite no Brasil”.

Fechando as palestras do período da manhã, Alexandre Carvalho, Diretor Global de Serviços de Marketing da Tetra Pak abordou o tema “Inovações e marketing no mercado de leite fluído”. “A América Latina ainda tem muito potencial para crescer. De 2012 a 2015 o crescimento global dos lácteos foi de 1,7% (puxado pela Ásia) e na América Latina, 1%. E como nós podemos melhorar esse crescimento? Buscando inovações, entrando em mercados e ganhando consumidores ainda não explorados”, disse Carvalho. Ele frisou que o leite é atacado com mensagens negativas, mas que a imagem do produto junto ao consumidor ainda é favorável.

Ele apresentou possibilidades de como podemos acelerar o crescimento dos lácteos e o que aproximaria mais as pessoas do leite. “Precisamos mostrar para o consumidor que o leite é um alimento saudável e que pode ser apresentado ao mercado com menos gordura, sem lactose, com ingredientes funcionais, com excelente sabor e textura, enfim, que é um produto flexível e que pode ser personalizado de muitas formas. Além disso, precisamos pensar em produtos lácteos destinados a uma vida moderna, que se enquadrem nos novos hábitos alimentares dos consumidores, utilizando-os, por exemplo, como lanches inteligentes ou substitutos de refeições, etc. As empresas também precisam focar em sabores agradáveis e pensar em outras alternativas, como bebidas não refrigeradas à base de iogurte, entre outros”, sugeriu ele.

No fim da sua apresentação, Alexandre ressaltou o crescimento das alternativas lácteas, que abrangem produtos a base de vegetais, feitos com proteína natural, fáceis de beber e que têm como característica uma nutrição acessível. “Esse é o segmento que mais cresce”, finalizou.



 

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JULIO CESAR GOMEZ

PESQUISA/ENSINO

EM 25/11/2015

los productores deben ser capacitados en todos los aspectos de la zootecnia y ser debe incluir en los procesos tecnológicos la PRUEBAS DE PRODUCCIÓN Y LA EVALUACIÓN DE CALIDAD DE LECHE POR VACA EN ORDEÑO.



Aspecto hasta hoy descuidado por la mayoría de la fincas de Pequeños y medianos productores lecheros., Un tema fundamental es el conteo de células somáticas - tecnología irreemplazable para medir la salud de la ubre , la rentabilidad   del tambo y la calidad de la leche cruda.
ANDRÉ MARCEMINO HAMPF

CASTRO - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/11/2015

A proposta de inovação e novos produtos, assim como a propaganda e marketing dos benefícios e da saúde no consumo de leite, obviamente todos os produtores devem serem inclusos nesse programa de marketing e ainda sendo bem abordada todos os processos da produção da matéria prima à boca do consumidor.  
ELIANI PEDRONI

PLANALTO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/11/2015

Só esqueceram de falar do produtor de leite, que por enquanto só trabalha e nem sempre ve resultado.
FERNANDO FERREIRA PINHEIRO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 19/11/2015

O Agronegócio do Leite no Brasil merece destaque pelos seus pontos positivos, conforme demonstra o artigo. E mesmo com os destaques relatados é preciso reforçar o potencial que ainda há para desenvolvimento. Há uma grande variedade de oportunidades que precisam ser aproveitadas para o desenvolvimento do setor, mas para isso é preciso identificar as fraquezas e as ameaças para que as mesmas possam ser superadas. E o mercado (interno e mundial) está cada vez mais dinâmico e exigente, o que demanda uma evolução cada vez mais rápida do setor. Então temos muitas oportunidades de melhoria em um ambiente que tem muitas possibilidades de crescimento.