ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Afetada por juros altos de crédito, vendas de máquinas agrícolas devem fechar abaixo do esperado

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 06/12/2019

2 MIN DE LEITURA

1
0

O dinheiro destinado ao Pronaf para o financiamento de máquinas agrícolas na safra 2019/20, que se encerra em 30 de junho, já acabou e os demais recursos do Moderfrota deverão chegar ao fim em fevereiro, disse ontem Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No total, o governo reservou R$ 9,7 bilhões para o Moderfrota na atual temporada.

"Nas demais linhas, ainda tem recurso disponível mas não a taxa de juros atrativa. Nas operações com grandes produtores, a Moderfrota tem taxas de 10,5% ao ano e ninguém quer tomar esse recurso.” No caso dos médios produtores, a linha do Moderfrota prevê juros de 8,5%. “Também não é uma taxa atrativa. Se o produtor continuar a pegar esse crédito no ritmo mais lento atual, os recursos vão durar até fevereiro.”

Segundo ele, a queda nas vendas de máquinas em novembro já refletiu uma menor oferta de crédito. “O produtor tem a cultura do BNDES, do Plano Safra e da taxa subsidiada. Então, ele está refletindo se deve esperar janeiro ou fevereiro chegar para saber se haverá uma suplementação de recursos a juros mais atrativos, acompanhando a queda da Selic, ou se deve esperar o Plano Safra 2020/21, quando a taxa de juros deverá ser muito melhor”.

Nesse cenário, a previsão da Anfavea de que as vendas de máquinas agrícolas no país alcançarão 46 mil unidades em 2019 não deverá ser alcançada, reconheceu o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes. De janeiro a novembro, as vendas somaram 40,4 mil unidades, queda de 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Nos 12 meses de 2018, foram 47,7 mil unidades. Assim, só se houver uma disparada, nunca antes vista até o Natal, as vendas de 46 mil máquinas projetadas pela Anfavea serão alcançadas.

Nos 11 primeiros meses deste ano, a produção de máquinas despencou. Chegou a 50,8 mil unidades, queda de 15,4% em relação ao mesmo período do ano passado em 2018 como um todo, foram 60,7 mil unidades.

Somente as estimativas de exportações de máquinas agrícolas devem ser alcançadas. Neste ano, a Anfavea previu vendas ao exterior de 13 mil unidades, ante 12,7 mil em 2018. Até novembro foram 11,9 mil unidades, aumento de 1,1%. “O fato de não dependermos apenas da Argentina e termos outros mercados como destino permitiu esse crescimento.”

Para Miguel Neto, os fundamentos da agricultura estão todos excepcionais, o que não justifica a queda da demanda. “Todo o problema é a falta de comunicação. O Ministério da Agricultura precisa dizer o que vai acontecer até 30 de junho. E quando chegar o novo plano, se haverá recurso ou não. O ministério já sinalizou a intenção de reduzir a oferta de crédito subsidiado, mas não diz de forma clara o que vai acontecer para que o produtor possa tomar uma decisão", disse.

O dirigente da Anfavea também destacou que o aumento das tarifas de importação sobre o aço anunciado pelo presidente americano Donald Trump deverá prejudicar o segmento, ampliando o custo de produção e elevando os preços das máquinas. Isso mesmo com a regra que prevê que as máquinas têm de ser produzidas com 50% de matéria-prima local para que possam ser financiadas com crédito subsidiado pelo governo. “Vamos esperar para ver até que ponto isso se confirma. Nossa esperança é que os Estados Unidos negociem com o Brasil.”

As informações são do Valor Econômico.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GEISSON SCHIRMANN VASCONCELOS

FORMIGUEIRO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/12/2019

A taxa de juros é muito alta, visto que a atividade rural a margem de lucro é pequena e de longo prazo, e isto em um contexto de baixíssima inflação. Os juros precisam reduzir pela metade para ficar em um valor ainda alto, mas tolerável!
MilkPoint AgriPoint