FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

FAO: índice de preços de alimentos subiu 1,8% em 2019; lácteos subiram 2,9%

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 10/01/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Impulsionado por altas em todos os grupos de produtos pesquisados, o índice de preços globais de alimentos da FAO, o braço das Nações Unidas para agricultura e alimentação, registrou alta de 2,5% em dezembro na comparação com novembro.

O patamar alcançado (181,7 pontos) foi o mais elevado de 2019 e levou a média do ano a alcançar 171,5 pontos, 1,8% mais que a média de 2018 mas ainda longe do pico de 2011 (229,9 pontos).

No subgrupo formado pelas carnes, o avanço em dezembro foi modesto (0,3%), mas os 191,6 pontos alcançados colaboraram para elevar o índice médio anual a 175,8 pontos, o maior desde 2014 (198,3), quando foi alcançada a máxima histórica nessa frente. O mercado continua a ser influenciado pelo incremento das importações da China em razão dos problemas no abastecimento doméstico provocados pela epidemia de peste suína africana.

Na área de lácteos, apontou a FAO, a valorização de dezembro foi de 3%, para 198,9 pontos, e a média de 2019 atingiu 198,7 pontos, 2,9% superior ao resultado de 2018, quando houve queda de 4,6% ante 2017. O ano terminou com as importações globais mais aquecidas, mas foi grande a volatilidade, em linha com oscilações de oferta na Oceania e de demanda em regiões importadoras.

No grupo formado pelos cereais, onde o milho se destaca, houve alta de 1,4% em dezembro, para 164,3 pontos, e a média de 2019 chegou a 164,4 pontos, pouco abaixo do resultado de 2018 (165,3). O mercado continua relativamente bem abastecido apesar dos problemas climáticos nos EUA, mas a tendência é de demanda aquecida para a produção de rações, o que poderá conferir alguma sustentação aos preços.

Na área de oleaginosas, onde está incluída a soja — carro-chefe do agronegócio brasileiro —, a valorização de dezembro foi de 9,4%, para 164,7 pontos, o que ajudou a melhor um pouco a média de 2019, que atingiu 135,2 pontos, ainda assim a menor desde 2006.

Pesou sobre esse mercado no ano passado as disputas comerciais entre Washington e Pequim e a forte queda das importações da China, justamente por causa da peste suína. Se está importando mais carnes, o país asiático está com uma demanda doméstica por rações menor em razão da forte queda de seu plantel de porcos.

Na área de açúcar, finalmente, o índice específico da FAO subiu 4,8% em dezembro, para 190,3 pontos, e ficou em 180,3 pontos na média de 2019 — acima, de 2018 (177,5), mas ainda muito abaixo de 2017 (227,3). O previsto déficit global nesta safra internacional 2019/20 pode oferecer algum suporte aos preços.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint