ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

FAO: preços de alimentos com maior patamar em 6 anos; lácteos seguem subindo

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 04/12/2020

2 MIN DE LEITURA

1
2

O índice de preços globais de alimentos da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) alcançou em novembro o maior patamar em seis anos. Chegou a 105 pontos, 3,9% mais que em outubro e com alta de 6,5% em comparação com novembro de 2019.

Segundo a FAO, todos os grupos de produtos pesquisados subiram no mês, com destaque para os óleos vegetais, segmento que inclui a soja. Neste segmento o aumento foi de 14,5% em novembro ante o mês anterior, para 121,9 pontos. “A alta reflete principalmente picos adicionais nos preços do óleo de palma, combinados com aumentos nos valores dos óleos de soja, canola e girassol”, informou a FAO. 

O subíndice de preços de cereais atingiu 114,4 pontos, com avanço de 2,7 pontos (2,5%) ante outubro. Conforme o órgão, pesou para o aumento a escalada do trigo, motivada pela perspectiva de aperto da oferta exportável e de redução nas projeções de colheita na Argentina.

Os preços do milho também aumentaram ainda mais em novembro, embalados por compras expressivas da China em meio a novos cortes nas estimativas de produção desta safra nos Estados Unidos e na Ucrânia, grandes exportadores. A demanda firme continuou a elevar os preços da cevada e do sorgo para ração animal. Em contrapartida, os preços internacionais do arroz se mantiveram estáveis em novembro. 

O subíndice de preços dos lácteos atingiu 105,3 pontos em novembro, alta de 0,9 pontos (0,9%) em relação a outubro, ampliou a tendência registrada nos últimos meses e se aproximou do maior nível em 18 meses

Já o indicador de carnes subiu 0,8 ponto (0,9%), para 91,9 pontos em novembro. Os preços internacionais da carne bovina aumentaram após quatro meses de quedas consecutivas, estimulados principalmente pela forte demanda da China e pela oferta restrita da Oceania. O Brasil é citado em relação à carne bovina Os preços da proteína se recuperaram ligeiramente, sustentados também pelo ritmo acelerado de compras chinesas, "enquanto houve baixa disponibilidade de animais para abate", afirmou a FAO.

Por fim, os preços dos açúcares alcançaram 87,5 pontos em novembro, 2,8 pontos acima (3,3%) de outubro, no segundo aumento mensal consecutivo. “O aumento nas cotações internacionais do açúcar foi sustentado, principalmente, por estimativas de queda na produção global em 2020/21, com perspectivas de safra mais fracas na União Europeia, Tailândia e Rússia, uma vez que as condições climáticas desfavoráveis afetaram os rendimentos”, disse a FAO.

Leia também > Alta nos custos da alimentação deve comprometer as margens de lucro do pecuarista em 2021, diz CNA

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

As informações são do Valor Econômico.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VANDERLEI MASETTO

CONCÓRDIA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/12/2020

Boa divulgaçao
MilkPoint AgriPoint