ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Impasse no acordo do leite em Goiás

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/08/2002

2 MIN DE LEITURA

0
0
As indústrias e os produtores vivem novo impasse no acordo do leite. Numa atitude unilateral, o Sindicato das Indústrias de Leite de Goiás (Sindileite) propôs ontem (15) ao Conselho Deliberativo do Programa de Industrialização de Goiás (Produzir) e do Fomentar a prorrogação de 180 dias do prazo para assinar o contrato com os pecuaristas, onde estipula-se a data e o preço que será pago sobre o produto a ser coletado no mês subseqüente. O prazo para as indústrias que têm benefícios do Fomentar assinarem contratos com os pecuaristas venceu no último dia 13.

A alegação do Sindileite é que o período de 20 dias, entre a data em que foi assinado o acordo até o dia 13, era insuficiente para mais de 30 mil produtores autorizarem, por escrito, suas entidades representativas a assinar os contratos com os laticínios. A entidade garante que as indústrias não querem polemizar com os pecuaristas e a proposta feita ao Conselho do Produzir visa resguardar as duas partes.

Incoerência

Para tentar acalmar os ânimos e evitar um confronto, o secretário de Indústria e Comércio e presidente do Conselho Deliberativo do Produzir/Fomentar, Mozart Soares Filho, propôs uma reunião entre os representantes dos dois segmentos para a próxima segunda-feira (19). Será discutida a possibilidade de prorrogação do prazo para começar a valer o acordo.

A Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) considerou incoerente a atitude dos representantes das indústrias de propor o adiamento do prazo para cumprir o acordo com os produtores. O diretor da entidade, Guilherme Lourenço, lembrou que as negociações entre as duas partes se arrastaram por sete meses. No dia 23 do mês passado foi assinado o acordo numa solenidade que contou, inclusive, com a presença do vice-governador Alcides Rodrigues.

"Agora, sem qualquer consulta prévia, a indústria apronta essa armadilha para cima de nós", reclama. Ele considerou muito tempo o adiamento de 180 dias para as indústrias começarem a assinar os contratos com os produtores e espera que, até o próximo dia 25, elas sinalizem o valor que pagarão pelo litro de leite no mês de setembro, conforme estipula o acordo firmado pelas duas partes.

Acordo

O acordo, inédito, firmado no mês passado entre indústrias e produtores de leite goianos, prevê a definição do valor de compra do leite in natura antes da virada do mês em que o produto será fornecido. A previsão era de que os primeiros contratos fossem assinados nesta semana, para vigorar a partir de setembro, com prazo de validade de um ano.

A atividade leiteira goiana envolve 60 mil pecuaristas. Goiás é o segundo produtor nacional, com 2,5 bilhões de litros/ano, garantindo uma receita de R$ 660 milhões. No Estado, existem mais de 500 indústrias de laticínios, porém apenas cinco delas são responsáveis pela compra de 55% do total produzido.

Fonte: O Popular/GO, adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint