ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

GDT: Redução de 10% no leite em pó

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 01/10/2014

2 MIN DE LEITURA

5
0
O leilão GDT, divulgado nesta quarta-feira (01/10/2014), voltou a apresentar quedas mais expressivas nos preços médios dos produtos lácteos (-7,3%), fechando a US$ 2.599,00 a tonelada. Comparado ao mesmo período no ano anterior, o preço caiu quase pela metade, com uma variação negativa de -47,8%.

Os principais derivados lácteos apresentaram redução de preços, tendo o leite em pó integral apresentado a maior delas (-10%), com cotação de US$2.443,00 a tonelada. O queijo Cheddar e o leite em pó desnatado apresentaram quedas mais discretas (-1,2 e -2,7%, respectivamente). Foi o menor valor para leite em pó integral desde 2009 e o mais baixo da série para o leite em pó desnatado, desde que os leilões se iniciaram. 

Gráfico 1 - Histórico de preços do gDT
Fonte: gDT, elaborado pelo MilkPoint Inteligência.

A quantidade de produtos vendida, no entanto, aumentou 8,4%, com um total comercializado de 55.057 toneladas.

Gráfico 2 – Histórico de volumes comercializados GDT
Fonte: gDT, elaborado pelo MilkPoint Inteligência.

Os preços do leilão GDT estão ainda mais baixos, quando comparados aos preços da Oceania e Europa Ocidental divulgados pelo USDA, mesmo com os preços nas origens citadas tendo caído em média 1,2% nos dados divulgados da primeira semana de outubro. A plataforma GDT apresenta preços 16% menores do que a Oceania e 24% menores do que os levantados para a Europa Ocidental. Os preços ao produtor na Nova Zelândia e Europa já vem tendo reduções, com provável efeito na oferta mais adiante, ao passo que nos Estados Unidos os valores ao produtor estão ainda em patamares muito atrativos, dificultando o ajuste via menor oferta.

Gráfico 3 - Comparação de preços do leite em pó integral - GDT x Oceania x Europa Ocidental

Fonte: gDT e USDA, elaborado pelo MilkPoint Inteligência.

As cotações cada vez mais baixas resultam das variáveis de oferta e demanda. Do lado da oferta, a Nova Zelândia (que representa em torno de 50% das exportações mundiais), está mantendo os patamares de produção acima do ano anterior, com um acumulado até julho de 16% de aumento, enquanto os Estados Unidos estão com aumento de 1,7% de produção (acumulado até agosto) e a União Europeia com 5,3% de aumento (acumulado até julho).

Do lado da demanda, a China - maior importador mundial hoje, principalmente na importação de leite em pó integral (aproximadamente 788.000 toneladas acumuladas até agosto, com crescimento anual de 62%) tem freado a compra de produtos mês a mês, para finalmente igualar, em agosto, as importações de um ano atrás, em um cenário de oferta bem mais elevada. 

Resta saber se o fundo do poço já foi atingido, ou se haverá mais baixas. Vale lembrar que a produção neozelandesa não atingiu ainda seu pico, o que deve ocorrer nos próximos 2 meses. Por outro lado, nenhum país do mundo produz leite nas cotações que estão sendo vendidas no mercado internacional.

A matéria é do MilkPoint, com informações do GDT.
 

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/10/2014

Prezados,



No meu ver é uma estratégia dos neozelandeses em retomar os mercados perdidos. Analisem estrategicamente, a nova zelândia está do lado da China, o que seria mais evidente é eles venderem para a china e não Brasil, USA e outros. Abaixam o  leite em pó, e os próprios fazem as suas retomadas de mercado  tirando os demais concorrentes deste produtos.
EDUARDO DE PAULA NASCIMENTO

FRANCA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/10/2014

Roberto,



As matérias abaixo, postadas em 02/10, reforçam a análise balizada no GDT.

"Rabobank: mercado de lácteos entra em tendência baixista"

"Índice de preços de lácteos da FAO caiu 11,2% em agosto"

Há, com certeza, um excedente no mercado externo que começa a se refletir no mercado doméstico. Até então, do tripé UHT, queijo, leite em pó, o UHT era o único que vinha se sustentando. Entretanto, nas últimas semanas, a pressão baixista no longa vida, reflexo de oferta abundante, tem provocado queda significativa nos preços de venda.

Em matéria recente, vimos que o índice de captação do CEPEA é recorde (isso em um agosto em que a seca também marca recordes de escassez hídrica). Muito provavelmente, observaremos uma elevação próxima ou superior a 20% de volume até o pico da safra (dezembro/janeiro). Ontem, em reportagem do JN, foi noticiado um aumento nos índices de depósitos em cadernetas de poupança e o motivo eleito para esse incremento foi a desconfiança do consumidor com a economia e a possibilidade do pais entrar em recessão. Ou seja, indivíduos que optam pela redução de consumo, economizando e resguardando-se para enfrentar eventuais crises futuras. O poder aquisitivo também tem sido corroído pela inflação, fato que restringe ainda mais o potencial de consumo. Frente a essas notícias, não há balança de oferta e procura que resista a um forte desequilíbrio, o que é, a meu ver, fato consumado. Resta saber o período necessário à uma nova estabilização do "fiel" dessa balança.
MARIUS CORNÉLIS BRONKHORST

ARAPOTI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/10/2014

Nosso mercado È interno e o que este nos diz,de uma coisa tenho certeza que o preço recebido em 2007 foi maior e muito em comparação de 2014 e seu custo inferior.

Macelo e Roberto como colega , o que nos aguarda para os proximos anos ,sabendo desde já o caos nas contas publicas, o poder de compra do nosso consumidor continua nesse patamar?????????????
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 02/10/2014

Roberto,



Entendo que a visão da Tetra Pak é analisando uma conjuntura mais macro, olhando os próximos anos e uma tendência de demanda aquecida e dificuldade da oferta seguir (se bem que tenho dúvidas disso, já que se os preços são atrativos, o mundo sabe produzir leite). Já o gDT reflete o presente, e a coisa lá fora está feia...




ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/10/2014

E agora? Ficamos com essa análise ou com a visão diametralmente oposta da Tetrapak index?
MilkPoint AgriPoint