FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gaúchos pedem ajuda ao governo federal para amenizar impactos de nova estiagem

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/11/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Representantes do setor produtivo gaúcho e do governo do Rio Grande do Sul apresentaram uma lista de pedidos de ajuda à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para amenizar impactos de uma nova estiagem que já afeta a produção no Estado.

Estimativas preliminares dão conta de que ao menos 100 mil hectares de milho estão prejudicados pela falta de chuvas, principalmente na região noroeste, e que os prejuízos acumulados já chegam a R$ 260 milhões apenas no caso de agricultores familiares financiados pelo Pronaf.

Um dos pedidos das entidades é para que os produtores que plantaram milho em agosto, setembro e outubro, para silagem ou grão, e tiveram perdas graves (acima de 60%) possam semear outra cultura, com novo financiamento e cobertura do Proagro (Programa de Garantia da Atividade Agropecuária).

No entanto, a medida depende de uma atualização do Manual do Crédito Rural (MCR), que precisa ser aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A janela para plantio da soja vai até 20 de dezembro, e para o milho dura até 10 de janeiro. “Pedimos uma atenção muito grande para a ministra. Vamos colher alguns dados que ela nos pediu, para saber o número de produtores, propriedades, junto à Emater e cooperativas, e passar os dados para os técnicos do ministério. Em cima disso, vamos marcar nova agenda semana que vem”, disse ao Valor o secretário de Agricultura do Riuo Grande do Sul, Covatti Filho. As propostas foram apresentadas em reunião por videoconferência na tarde desta segunda-feira.

Os produtores pedem pressa, principalmente por causa do acúmulo de perdas sofridas no início do ano e agora. A seca no verão do ciclo 2019/20 reduziu a produção de milho em grão em 31%, a de soja em 46% e a de milho silagem em 32%. “No começo do ano, tivemos muitas promessas e o que teve mais foi só prorrogação. Agora precisamos de resoluções rápidas”, disse Carlos Joel da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS).

A preocupação maior é com os criadores de gado leiteiro. Sem silagem e com grãos caros para a ração, o pleito é para que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ofereça a opção de venda de 100 mil toneladas de milho balcão aos produtores do Estado.

Ainda nessa linha, outra proposta é para dobrar o limite de consumo para os bovinos de leite, de 60 para 120 quilos por mês, no programa de milho balcão.

Os produtores pedem ações para enxugar a oferta de leite por meio das compras institucionais do governo, como AGF e PAA, e outras que contenham o aumento dos custos de produção, com maior oferta de soja e milho nas regiões produtoras do Estado, com Prêmio para o Escoamento de Produto (PEP) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (PEPRO).

Nenhum documento apresentado à ministra pediu a interrupção das importações de lácteos, como pediram recentemente a Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite) e a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

A Fetag-RS ainda insistiu na criação de um auxílio emergencial para os agricultores atingidos pela estiagem no verão e agora novamente.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint