FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Digitalização acelera avanço de cooperativas de crédito no campo

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 15/12/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0

Os desembolsos para produtores rurais por parte das cooperativas de crédito superaram R$ 34,5 bilhões na safra 2019/20 no Brasil, representaram 18,2% do total de financiamentos liberados ao setor, segundo dados do Banco Central, e continuam aquecidos nesta temporada 2020/21.

Ao todo, o país conta com 413 cooperativas de crédito singulares, que atendem 49% dos municípios brasileiros, ainda conforme o BC. Mas essa capilaridade, já considerável, tende a aumentar com a ampliação de serviços digitais, que complementam operações físicas e têm potencial para viabilizar negócios mesmo onde esses grupos não estão presentes.

Guarda-chuva para 108 cooperativas de crédito, o banco cooperativo Sicredi tem hoje 1.963 agências no Brasil, distribuídas por 23 Estados e o Distrito Federal, e mantém uma carteira rural de R$ 31,4 bilhões - que representa 45% de sua carteira total. De seus 4,8 milhões de associados, 17% estão ligados ao agro, cuja carteira registrou alta de 26% no último ano.

Gustavo Freitas, diretor-executivo de crédito do Sicredi, espera que na safra 2020/21, que começou em julho, o banco desembolse R$ 23 bilhões para financiar atividades agropecuárias. De julho a outubro foram R$ 11 bilhões e, segundo Freitas, as contratações permanecem fortes em meio à pandemia, em parte, porque o grupo acelerou seus investimentos online.

Este ano, foram R$ 700 milhões aportados na renovação do “core” bancário do Sicredi e em serviços como o atendimento via WhatsApp. Desde abril, as interações pelo app de mensagens do banco já atingiram a marca de 1,7 milhão. “Com a Lei do Agro, ganhamos segurança jurídica para assinar contratos eletronicamente, e o produtor que tem alguma garantia real já registrada passou a poder financiar a safra sem sair de casa”, diz o executivo.

Mas a estratégia do Sicredi não foi batizada como “Fisital” por acaso. Na visão do sistema cooperativo, as agências físicas devem continuar existindo e cabe ao digital simplificar operações cotidianas e fornecer serviços que aumentem o lucro e a produtividade no campo.

Por meio do Programa Inovar Juntos, o Sicredi já foi ao mercado buscar soluções de startups para conectar produtores agrícolas familiares ao consumidor final e dar mais segurança no depósito de cheques. Em outra frente, em parceria com o centro de inovação AgTech Garage, de Piracicaba (SP), identificou agtechs que poderiam beneficiar seus clientes.

Uma delas, foi a Elysios, que com seu sistema de rastreabilidade atendeu produtores integrados de uva associados ao Sicredi na Serra Gaúcha. A Atomic Agro colaborou com tecnologias voltadas a produtores de grãos, e a Lei Gado, com pecuaristas de leite. “Entender o negócio do associado nos permite não só ajudá-lo a crescer, mas a entregar linhas de crédito melhores, com prazo compatível para compra de equipamentos e taxas que fazem sentido”, diz Freitas. 

Na cooperativa singular Credicoamo, ligada à paranaense Coamo, maior cooperativa agrícola da América Latina, e presente em 40 municípios do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, a carteira total administrada é de R$ 3,5 bilhões, e em 2019 a liberação de crédito foi de R$ 1,82 bilhão. De janeiro a junho deste ano, o valor chegou a R$ 1,27 bilhão, alta de 0,7% na comparação com igual período de 2019.

Alcir José Goldoni, presidente executivo da Credicoamo, conta que o ritmo de crescimento da operação é bom, mas ainda precisa acelerar para atingir perto de 100% dos cooperados da Coamo. A cooperativa tem 29,1 mil associados, e a Credicoamo conta com 20,4 mil - 15 mil são produtores, e o restante são seus cônjuges. “A Coamo tem 65 entrepostos. Como temos 46 agências, nos próximos três anos calculo que vamos abrir mais 20”, projeta Goldoni.

A Credicoamo investiu R$ 3,5 milhões neste ano em seus canais digitais. No aplicativo bankline, lançado em 2018, comemorou a marca de 70% dos cooperados ativos, sendo que a meta é chegar a 95% num futuro próximo. Goldoni afirma que o desafio maior é chegar aos produtores mais velhos, apesar de a pandemia ter auxiliado no seu convencimento.

Com a escalada da operação digital, ele garante que os maiores investimentos foram feitos em segurança. “Tanto investimos no digital que fomos a quinta instituição habilitada pelo BC para operar com o Pix, que está sendo um sucesso”, conta.

Na cooperativa de crédito Cresol, os desembolsos para o crédito rural na safra 2020/21 prometem chegar a R$ 7,1 bilhão, incremento de 12,7% ante a última safra. E entre seus 550 mil agricultores associados, atendidos em 560 agências de 17 Estados, sobretudo na região Sul do país, a tendência agora é não somente o produtor contratar seus financiamentos pelo WhatsApp, mas recorrer, por esse canal, ao profissional que lhe presta assistência técnica para fechar uma transação.

“Para o nosso público, que tem em média 45 anos e 12 anos de histórico com a Cresol, um bom relacionamento é baseado na conveniência”, afirma Luiz Ademar Panzer, diretor-executivo. Ele revela que 60% das transações da cooperativa já são feitas online, número que antes da pandemia era de 37%. “Temos aí um indício de que talvez possamos diminuir investimentos em grandes estruturas”.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint